11 novembro 2009

Quem explica o "apagão" de energia - por José Sales

Após apagão que deixou às escuras 09 estados brasileiros - aproximadamente 800 cidades, inclusive São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Brasilia - a ONS informou que por volta das 23h45 da noite desta terça-feira que a energia transmitida a partir de Itaipu voltou a "entrar" no sistema elétrico brasileiro. O Estado de Minas Gerais, por exemplo, já recebe energia normalmente e, segundo o Ministério de Minas e Energia, o Estado não é mais afetado pelo apagão. São Bernardo do Campo, Piracicaba, São José dos Campos e parte da Baixada Santista já tiveram restabelecido o fornecimento de energia elétrica.

Na cidade de São Paulo, alguns bairros já tiveram a luz restabelecida, como na região da Paulista, nos bairros de Pinheiros, Higienópolis, Santa Cecília, estação Barra Funda do metrô, Vila Mariana e na zona norte da cidade, conforme apurou a reportagem do iG. No Rio de Janeiro, a situação foi normalizada em poucos bairros, como em Copacabana. O Presidente de Itaipu, Jorge Samek, afirmou ter 99% de certeza de que um vendaval tenha sido a causa do apagão que atingiu, por volta das 22h20, Estados como São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Espírito Santo e derrubou as linhas de transmissão que partem da usina de Itaipu. "Em Foz do Iguaçu hoje tivemos chuvas que derrubaram árvores de 40, 50 anos, como quem tira guarda-sol na praia". Itaipu é responsável por 20% da carga de energia do País e por isso é difícil compensar o corte no abastecimento com energia de outras usinas.

Fonte: Portal IG

Comentário da postagem: Há anos que os especialistas do setor vem alertando sobre o aumento do consumo de energia elétrica versus a diminuição relativa dos investimentos em geração, considerando que o crescimento do país está intrisecamente vinculado ao suprimento de energia.

No Governo Fernando Henrique alguns "apagões" levaram a realização de um novo plano de suprimento de energia elétrica, que na atual gestão vem sendo colocado em "banho maria", já que nenhuma nova fonte geradora foi instalada desde então, por ação da administração atual: nenhuma nova hidrelétrica foi consolidada, os parques eólicos estão aí para ser ainda regulamentados, as termoelétricas estão aquém do programado, o programa de energia nuclear continua suspenso e os recursos à pesquisa em fontes alternativas é aplicado a conta gotas.

Aplica-se mais em marketing e propaganda do que em qualquer outra coisa. E a conversa do Ministério das Minas e Energia, nos dias de hoje, se refere-se unicamente à regulamentação do Pré Sal, que de fato é o suprimento de única fonte de energia, derivada de combustíveis fósseis e que só existirá a partir de sua exploração plena a partir de 2024.

Tirem os senhores e senhoras suas conclusões.

Por: José Sales

18 comentários:

  1. Sr. Sales

    Um apagão da natureza do que ocorreu ontem é possível de ocorrer, embora muito raro em sistemas interligados como o nosso. Bem diferente da deficiência por falta de geração ocorrida há cerca de dez anos.

    ResponderExcluir
  2. Sr. Carlos Eduardo Esmeraldo

    Há várias possibilidades, inclusive de sobrecarga do sistema e desligamento automático, que é uma das hipóteses.Ventania não causa apagão pois o sistema é projetado para ventos superiores a 150km/h por medidas de segurança.

    Quanto ao quadro de deficiencia, permanece este o mesmo, pois absolutamente nada foi feito pelo Governo Luis Inácio da Silva. Os dados estão.

    As aplicações em pesquisas de fontes alternativas são ridículas. O P&D da Energia de Ondas do Mar, que tem grande potencial é da ordem de R$ 12 milhões de reais e aguarda há seis anos autorização de aplicação. Nenhuma grande usina hidrelétrica foi consolidada. Tudo ficano ambito da "Ilusão PAC".

    ResponderExcluir
  3. Outro detalhe a poderarmos é que o Ministério das Minas e Energia, assim como a Eletrobrás, a Eletronorte e o restante do complexo energético do Brasil foram entregues IRRESPONSAVELMENTE nas mãos do HONORÁVEIA BANDIDOS do Clã Sarney, em nome da governabilidade LuloPetista. O Ministro é o "famosíssimo" Edison Lobão, assessorado pelo Eng. Fernando Sarney e outros.

    ResponderExcluir
  4. Uma perguntinha: alguém aqui confia no Clã Sarney? E que ele seriamente empenhado em resolver os problemas do nosso desenvolvimento e da infraestrutura energética? O Eng. Fernando Sarney, inegavelmente tem formação para tanto, pois é oriundo da Escola Politécnica USP, mas há empenho notável quanto a isto? E o que pensar do Sr. Ministro Edison Lobão?

    ResponderExcluir
  5. Sr, Sales

    Como explicar que o sistema de geração continuou o mesmo como o Sr. afirma, se o país cresceu nestes últimos dez anos e o sistema não apresentou nenhuma deficiência anterior a essa? Sistemas interligados são passíveis de falhas na sua confiabilidade. Basta que para isso, uma grande carga dele seja subtraida subtamente. É uma das possibilidades. A Itaipu é uma empresa bi-nacional e um de seus engenheiros paraguaios já afirmou hoje que um súbito desligamento na cidade de São Paulo poderia ter sido a causa do defeito.
    Eu não sei qual o motivo para que o senhor deseje imputar a responsabilidade por um desligamento intempestivo como o que ocorreu ontem ao atual governo. Desejar responsabilizar quem quer que seja, antes de que venha à tona as causas desse desligamento intempestivo parece-me muito prematuro.
    Uma das causas poderá residir no fato do nosso país ter perdido o controle direto da operação dos sitemas de distribuição de energia, pois nossas empresas de distribuição de energia elétrica foram entregues ao capital privado, em sua maioria internacional.Não consta que o atual governo tenha cometido a irresponsabilidade de doar nosso patrimonio!
    Repito: o atuial governo não privatizou nenhuma distribuidora de energia. Tudo isso foi feito pelos neoliberais do PSDB/DEMO.

    ResponderExcluir
  6. Que eu me lembre bem, mas amigos, o problema dos apagões da era FHC foram devidos a baixos níveis de água nos reservatórios. Lembro-me muito bem que todo dia saía na TV as medições dos níveis dos reservatórios que com os períodos de seca, estavam quase no fim.

    Muitos devem lembrar do esforço que fizemos, racionamento, cota... aqui em casa, por exemplo, eu tive de me contentar com uma cota de 200kw, quando na época, consumíamos cerca de 400Kw.

    Hoje, com o Blog do Crato e as máquinas, o consumo aqui é de uns 800Kw por mês. Imagina se tivermos de passar por novo racionamento...

    Mas acredito que isso que aconteceu hoje foi um fato isolado. Já tivemos 3 apagões em 1 década. O sistema não é à prova de falhas totalmente. Há muitas hipóteses.

    O Crescimento do Brasil também não foi tanto assim. A estimativa de crescimento para esse ano, por exemplo, era de apenas meio por cento, e as previsões mais pessimistas falavam em crescimento negativo. Estagnação.

    Quais são as estatísticas de novos investimentos no setor energético no Brasil versus o aumento da demanda ?

    Abraços,

    DM

    ResponderExcluir
  7. É...

    Acredito que esse apagão é um caso fortuito e raro. Não é uma deficiencia energética.

    É preciso observar, sem nos tornarmos tendenciosos aos nossos posicionamentos.

    Às vezes a gente acredita tanto nas impressões pessoais, que direcionamos todas as nossas palavras no sentido de reafirmar o que queremos como verdadeiro.

    Não existe na terra o que chamamos de perfeição. Partindo deste princípio, sabemos que mudanças inesperadas e não previstas podem ocorrer e causar inclusive danos irreparáveis.

    Assim já aconteceu com algumas naves espaciais que são os instrumentos mais perfeitos já criados pelo homem.

    E o apagão apenas demonstra que ainda somos impotentes diante de certos fatos.

    O que vi e li, deixa claro que até o momento, ninguém sabe a origem dessa ocorrencia. O mais é pura especulação.

    Vicente Almeida

    ResponderExcluir
  8. Meus caros,
    de fato houve um apagão ontem. Na realidade em 15 estados(segundo o site UOL), e não em nove, como postou o Zé Sales. Agora, precisamos ter calma antes culparmos a, b ou c e fazermos comparações passadas. Procuro sempre analisar os fatos olhando os dois lados(o que não significa não ter posição. Tenho posição sim. Não sou neutro(na realidade não existe neutralidade). Nesse caso específico do apagão, o melhor é esperarmos os estudos dos técnicos do governo e de técnicos independentes. Só espero que o presidente Lula não venha com marolinhas, procurando iludir o cidadão brasileiro.

    ResponderExcluir
  9. Caro Océlio.

    É cantado em prosa e verso que "os apagões foram obras" do Governo Henrique Cardoso, por conta de várias origens - carencia de geração por conta de baixo níveis dos reservatórios, privatizaçôes das distribuidoras e outros.

    No mesmo Governo Fernando Henrique citado foi feito um novo plano de expansão da geração, que nâo está sendo cumrpido pelo governo atual. e insisti que as aplicações P & D/ Projeto & Desenvolvimento estão todas congeladas. O projeto de Energia de Ondas do Mar, matriz que é considerada inesgotável e renovável só receberá depois de seis anos R$ 12 milhôes(O que não significa absolutamente nada) para montagem de um prototipo. A matriz nuclear que hoje é considerada limpa não tem previsão de aplicações.

    E quando surge um novo apagão colocam a culpa no clima e/ou na transmissão que sofreu um pane. O que questiono sâo estes vários pesos e várias medidas.

    Pois tudo indica que houve um grande imperícia técnica que se pretende jogar embaixo do tapete. E aqui coloco um argumento irrefutável: tanto O Ministério das Minas e Energia como as subsidiárias estâo dominadas por não técnicos que nâo tem o memnor compromisso com nada a nâo ser com suas maracutaias, em geral indicados pelo Clã Sarney.

    E aí surge uma quetão: há confiabilidade em qualquer rincão desta nação pelo é dito pelo Clã Sarney?

    ResponderExcluir
  10. Concordo que devamos aguardar a avaliação técnica, mas acho que devemos ser cautelosos com a midatização dos fatos. Esta posição foi expressa pelo Prof. Eng. Luís Pinguelli Rosa, Vice Diretor Geral da Fundação COPPE/ UFRJ, ex Presidente da Eletrobrás.

    Nota para reflexão: O Prof. Pinguelli Rosa foi subsituido pelo Eng. José Antonio Muniz Lopes,indicado pelo Eng. Fernando Sarney que tem como Diretor Financeiro o Eng Astrogildo Quental, também indicado pelo Eng. Fernado Sareney, este investigado pelo Operação Boi Barrica/PF.

    ResponderExcluir
  11. Astrogildo Fraguglia Quental é formado em Engenharia Civil pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo e possui curso de especialização em Administração de Empresas para graduados (CEAG), pela Fundação Getulio Vargas. Antes de ser designado diretor Financeiro e de Relação com Investidores, exercia, desde outubro de 1995, a função de diretor Econômico-Financeiro da Eletronorte, subsidiária da Eletrobrás. De março de 1991 à dezembro de 1994, exerceu o cargo de Secretário de Estado de Infra-Estrutura do Estado do Maranhão.

    Nota: No Dossier da Operação Boi Barrica/ PF consta que o mesmo é sócio do Eng. Fernando Sarney, braço empresarial/financeiro do Clã Sarney.

    ResponderExcluir
  12. Gostaria de acrescentar que a partir de 2007 entraram em funcionamento 11 novas usinas hidrelétricas com um potencial de 2367 MW e que atualmente encontram-se em fase de construção 38 novas usinas com previsão de funcionamento até 2011 com mais 2258MW.
    Portanto está equivocada a informação de que novas usinas não foram construidas. Além do mais houve aumento de potencia em Tucurui.
    Atualmente há estudos para aproveitamento hidrelétrico do RioMadeira com potencial de 14.000MW
    Um sistem interligado, um dos maiores do mundo, como é o caso do Brasil, sempre estará sujeito a instabilidade, apesar de ser imposto reigoro processo de acompannhamento da estabilidade do mesmo.
    Muito sensata a opinião do Vicente Almeida.

    ResponderExcluir
  13. Meus caros debatedores

    Usinas em programação de construção NÃO EXISTEM, de fato e por conta desta sua não existencia, não alimentam o sistema. Colocar metas a realizar como realizações é coisa da propaganda e do marketing oficial que são useiros e vezeiros em transformar maquetes de realidade virtual em realidade propriamente dita.

    Estudos de aproveitamento são verificações de pré - projeto e portanto não são unidades EXISTENTES, logo o raciocinio anterior é o mesmo.

    Seguem dados categóricos: 20% da demanda ainda são supridos unicamente por Itaipu(1); 17 Estados brasileiros foram afetados(2); quem recomendou aumento de capacidade foi um relatório do TCU/ 2003, após analisar a situação dos apagões havidos(3); todas as usinas em programação de construção estão com sérios problemas de aprovação ambiental e por conta disto ainda não podem ser construidas(4), sendo este o dado mais sério dest nosso debate.

    ResponderExcluir
  14. Uma séria indagação: voces confiam nas palavras do Senador/ Ministro Edison Lobão, representante "neo oficial" do Clã Sarney, que é orientado em todas as suas ações - informações publicadas da Operação Boi Barrica/ PF - pelo Eng. Fernando Sarney, o "big boss" do mesmo clã, que tem o Eng. Astrogildo Quental - colega dos bancos escolares e sócio do próprio Fernando Sarney, segundo a Operação Boi Barrica/ PF - como representante direto na administração do ONS/ Operador Nacional do Sistema?

    Vamos ser sinceros nesta discussão!!

    ResponderExcluir
  15. Esta frase do Presidente Lula em entrevista hoje à tarde é "lapidar": "Em sete anos fizemos 30% das linhas de transmissão de tudo que foi feito em 123 anos nesse país".

    Pelo que se sabe, linhas de transmissão são equipamentos contemporaneos. Esta "estória de trancoso" de remeter há 123 anos atrás quando nem existia energia elétrica é brincar com nossa percepção do mundo.

    Se não somo todos idiotas, deveremos nos transformar em....

    ResponderExcluir
  16. Interessante é que Sarney no governo anterior, por apoiá-lo, merecia credibilidade. Somente agora tornou-se um bandido?

    ResponderExcluir
  17. Meu caro Carlos Eduardo Esmeraldo

    O Senador José Sarney nunca mereceu credibilidade de quem quer que seja, nem pelos seus pares do Estado do Maranhão. Tanto que para se eleger senador teve que se transportar para o vizinho Estado do Amapá, que é considerado lá pelos maranhenses como uma extensão do seu estado. Quem já andou ou trabalhou ou morou no Maranhão sabe bem disso.

    Mas quem resolveu colocar o Senador Sarney na ordem do dia, assim como outros "grandes senadores brasileiros" como O Renan Calheiros e o Fernando Collor de Melo, em nome da governabilidade, foi o Governo Luiz Inácio Lula da Silva.

    Se esta é norma da governabilidade estamos muito mal neste país. Mas veja a postagem anterior do livro sobre o Sarney, que precisou de segurança privada para o lançamento do mesmo em São Luís.

    Da minha parte, fico realmente triste com esta situação e ver tanta gente ser obrigada a apoiar o Senador Sarney.

    ResponderExcluir

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.