17 novembro 2009

Professores, alunos e funcionários do Curso de Ciências Econômicas da URCA prestam homenagem a Alderico Damasceno



Menos de 12 horas após ser sepultado, Alderico de Paula Damasceno foi alvo de uma singela, porém significativa homenagem dos professores, alunos e funcionários do Curso de Economia da URCA.

Na noite de ontem, 17/11, em vez de aula e trabalho, os corpos docente e discente e os funcionários do Curso de Ciências Econômicas da Urca prestaram um merecido e inadiável tributo a Alderico de Paula Damasceno, que durante sua profícua e longeva permanência como professor do Departamento de Economia dessa Universidade, construiu uma sólida relação de amizade e respeito para com todos.

O Salão da Terra, no Campus do Pimenta, permaneceu lotado durante a solenidade que durou 90 minutos. Muitos estudantes permaneceram todo o tempo em pé, devido à grande quantidade de presentes.

O Coordenador do Curso de Economia, prof. Lima Júnior, que foi aluno de Alderico, coordenou o evento e apresentou outros professores do curso, muitos dos quais também foram alunos do saudoso professor.
O professor Marcos Eliano, atual decano desse Curso, relatou a longa convivência que teve com Alderico, destacando que essa relação antecedeu a própria Faculdade de Filosofia do Crato (instituição embrionária da URCA), pois uma irmã do falecido, Madre Damasceno, era diretora de um educandário de Mauriti, cidade caririense onde Eliano nasceu.

Na sequência, usaram da palavra os professores Felisberto Nunes, Rosemeire Matos, Valéria Pinho, João Luís da Mota, Carlos Rafael, Pedro Veras, Lima Júnior e Micaelson Lacerda, quando foram destacadas várias situações de puro ensinamento ministrado pelo Mestre Alderico, a exemplo da paixão e do amor com os quais exercia o magistério, sua imensa competência no ensino da História e da Economia, além da Geografia e da Filosofia, e sua imensa generosidade para com os colegas, alunos, funcionários e com a própria URCA.

Alderico dedicou cerca de sessenta dos seus noventa anos de vida à educação, quando contribuiu diretamente na formação de várias gerações de estudantes que hoje, na sua grande maioria, são profissionais de proa.
Na URCA, ensinou até os 80 anos de idade, sendo os últimos cinco anos de forma inteiramente gratuita, pois já tinha sido aposentado compulsoriamente ao completar 75 anos. Mesmo assim, passou cinco anos sendo um verdadeiro e talvez um dos únicos “amigos da Universidade”.

Por tudo isso, Mestre Alderico é merecedor de eternos votos de gratidão e homenagem.

2 comentários:

  1. Pois é!

    Faço minhas as palavras carinhosas dirigidas ao ilustre professor Alderico Damasceno, e desde já ALERTO os colegas e amigos, que temos uma quantidade grande de professores em idade avançada e que merecem igual carinho. É preciso que façamos tais homenagens também aos que ainda estão vivos, para que eles possam testemunhar isso também. É da nossa cultura homenagear as pessoas apenas depois de mortos.

    Saibamos também, valoriza-los quando eles ainda estão vivos e atuantes.

    Dihelson Mendonça

    ResponderExcluir
  2. Concordo com você, Dihelson, em gênero, grau e número.

    ResponderExcluir

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.