01 julho 2009

Crato: Hospital privado está em crise - Por: Elizângela Santos


SAÚDE NO CARIRI

Clique para Ampliar

No Hospital Manuel de Abreu, no Crato, há anos funciona com várias necessidades. Há UTI do hospital, com apenas cinco leitos, deixou de funcionar (Foto: Elizângela Santos)

O diretor administrativo do hospital, José Cavalcante, diz que há uma perspectiva remota de fechamento

Crato. O Hospital Manuel de Abreu, neste município, não irá fechar. Pelo menos é o que garante o diretor administrativo do centro de saúde José Oliveira Cavalcante. O médico é um dos sócios-proprietários do hospital, que funciona há mais de três décadas no município. Ele admite que a crise no setor existe e diz que o hospital necessita de uma ajuda do município. Ele afirma que, há alguns meses, procurou o prefeito Samuel Araripe, que se mostrou sensível à situação, mas, ao mesmo tempo, o médico ressalta que o equipamento é particular e não existe obrigação do município fazer investimentos. Para ele, há uma perspectiva remota de finalizas as atividades, mas em nenhum momento foi repassada à sociedade que o hospital iria fechar as portas.

Ele afirma que o valor financeiro do Sistema Único de Saúde (SUS), antes repassado para o Hospital São Miguel, atualmente sem o credenciamento do sistema, poderia ser uma alternativa para ampliação dos atendimentos no Manuel de Abreu. “O nosso hospital atende uma grande demanda. Tem uma procura constante de internamentos”, diz o médico.

Estão disponíveis no hospital 50 leitos, mas comporta 120 leitos. Semana passada, eram 40 pessoas internadas. Há uma rotatividade constante de pacientes, conforme o médico. Mesmo com uma grande estrutura, o hospital demonstra precariedade, por não ter condições de realizar maiores investimentos. Há cerca de cinco anos, a UTI existente no local deixou de funcionar. No local são apenas cinco leitos, o que hoje não chega para atender as exigências para o funcionamento. Praticamente não são feitos cirurgias ou tratamentos de alta complexidade. A disponibilidade do local é voltada para serviços como clínica médica, cardiológica, fisioterapia e tratamento ambulatorial, além das internações.

Continuidade

Uma das razões expostas para a continuidade dos serviços, já que o Hospital está num dos bairros mais populosos do Crato, o Seminário, é por ser administrado por médicos. Os plantões são feitos pelos donos, conforme o diretor administrativo, já que há dificuldade de pagar outros profissionais. Ele afirma que assumiu a direção administrativa do hospital em dezembro de 2007 e estava pior do que se encontra atualmente. “Se fôssemos fechar hoje o hospital, gastaríamos bem mais do que as despesas que estamos tendo, com questões burocráticas e tributárias”, explica ele.

O Manuel de Abreu recebe pacientes de outros municípios. Os custos para um plantão 24 horas estão em torno de R$ 800. “Não temos como pagar plantonista. Uma das alternativas que encontramos foi manter os sócios no quadro, e vamos segurar até onde pudermos”, diz o diretor administrativo. Além dos médicos proprietários, existem outros contratados e pelo menos 40 funcionários. De acordo com o médico, essa é a realidade atual, mas que poderá melhorar caso haja o repasse de cotas que desse para o atendimento de pelo menos 200 pacientes por mês.

A reportagem do Diário do Nordeste tentou entrar em contato com a secretária de Saúde do município do Crato, Nizete Tavares, tanto na Secretaria quanto por telefone. Segundo a assessoria da pasta, ela se encontrava em reunião com o prefeito Samuel Araripe, durante a manhã de ontem.

Mais informações:

Hospital Manuel de Abreu
Avenida Joaquim Pinheiro Bezerra de Meneses, S/N, Seminário, Crato
(88) 3523.1377


Elizângela Santos
Repórter do Diário do Nordeste
Colaboradora do Jornal Chapada do Araripe


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.