05 maio 2009

BRASIL: O FUTURO JÁ CHEGOU - Por: José Nilton Mariano Saraiva

Independentemente do real e potencializado vendaval capaz de, progressivamente, transformar-se em autêntico dilúvio econômico-financeiro a balançar seriamente a poderosa estrutura capitalista vigente nos dias atuais, duas são as “commodities” que hão de manter-se valorizadas no mundo globalizado, dada à perspectiva sombria que sua falta iminente provocará mundo afora: o petróleo e os alimentos.
Não importa que alcancem ou não sucesso as pesquisas e mais pesquisas que dia-a-dia vêm sendo realizadas objetivando a procura de fontes alternativas de energia capazes de substituir o petróleo (e hão de surgir, evidentemente, como o etanol e o biocombustível brasileiros, que já são uma agradável realidade), mas a verdade é que, em razão da imprescindível multiplicidade de usos comprovadamente estabelecidas, o finito “ouro negro” ainda continuará reinando e influenciando por muito tempo e sendo o objeto de desejo daqueles que almejam o desenvolvimento.
E aí o Brasil, providencialmente, entra em cena. País de dimensões continentais, de clima multifacetado, livre dos cataclismos naturais (tipo vulcões, terremotos e tais), com extensas áreas agricultáveis propícias às mais diversas explorações de culturas, bacia hidrográfica generosa e que começa efetivamente a ser gerida com competência e profissionalismo via construção de portentosas hidroelétricas e implementação e consolidação de projetos irrigatórios das suas caudalosas águas doces, a tendência natural é que nos tornemos o tal “celeiro do mundo”.
Parceiros e clientes potenciais é que não nos faltarão nessa formidável empreitada. Um único exemplo: do gigante oriental, China - que vem assustando e revolucionando o mundo em razão da sua impressionante arrancada desenvolvimentista - nos vem a alvissareira notícia da escolha do Brasil como parceiro preferencial para transações comerciais bilaterais. É que, em sendo um país também de dimensões continentais e detentor da maior população do mundo, os orientais esbarram na precariedade do seu pedregoso solo, impróprio à cultura agrícola (apenas 10% são aproveitáveis a tal mister), e ainda assim prejudicados pelo clima frio que não ajuda, além do que o país é varrido, aqui e acolá, por intempéries naturais que lhe causam sérios estragos (chuvas ácidas, por exemplo).
De outra parte, como sua produção petrolífera não atende à demanda de um parque industrial cada dia mais competitivo e eclético, abastecedor de todo o mundo, a China se vê na obrigação de importar quantidades cada vez maiores de petróleo, e petróleo fino, de qualidade, imprescindíveis ao funcionamento do seu poderoso parque fabril.
Pois bem, no primeiro trimestre desse ano, em plena recessão global e tomando por comparação igual período de 2008, a China incrementou em 61% suas compras do Brasil, suplantando os Estados Unidos e se tornando o principal importador de produtos brasileiros. Alguns exemplos: celulose, aumento de 650%; ferro fundido, 700%: soja, 120% e minérios de ferro, 40%; se a estes, agregarmos o petróleo e outros produtos, 76,6% da receita de exportações brasileiras tiveram a China como destino final, com incremento de 62,67% em valor e 41,47% em quantidade. (é evidente que os números ainda se nos apresentam modestos e irrisórios, em razão das perspectivas potenciais conjuntas, na condição de potencias ditas emergentes).
Especificamente, no tocante ao petróleo, com as descobertas gigantes no pré-sal o Brasil tende a figurar dentro em breve como exportador mundial potencial, com o diferencial que o fará após seu processamento e refino, agregando-lhe, assim, maior qualidade e, conseqüentemente, melhor preço; a conseqüência imediata disso é que, antes mesmo de iniciar o processo exploratório de reservas que o alçarão à condição de integrante do seleto grupo de membro da Opep, desde já temos atraído o interesse de grandes consumidores do combustível, evidentemente que entre os quais se inclui a China (hoje o terceiro maior mercado no mundo para as exportações da brasileira Petrobras, com tendência de alavancagem progressiva), com quem, mês passado, a Petrobrás já firmou um acordo de cooperação que garantiu um financiamento de modestos dez bilhões de dólares, em troca do fornecimento de petróleo.
Fato é que, como um grande demandante de “commodities”, a tendência natural é que a liderança da China nas compras brasileiras não se limite à transitoriedade, tendendo a se repetir nos próximos meses e em valores e quantidades cada dia mais robustas, segundo especialistas do setor.
E olhem que, aqui, propositadamente, referimo-nos apenas à China, “esquecendo” ou “deletando” o resto do mundo, mas que, obrigatoriamente, nos hão de cortejar em futuro não muito distante.
Resumo disso tudo ??? Apesar do ceticismo dos “eternamente do contra”, dos presságios negativos de maus brasileiros que por mero e deslavado preconceito torcem e exaustivamente pregam o quanto pior melhor, dos plantonistas estafetas do caos que se apegam a detalhes comezinhos e micros ao invés de concentrarem-se no macro, bem como da visceral e comprovada má vontade para com o atual Presidente da República, vamos chegar lá, sim, passando como um rolo compressor de “emergente” a real pujante potencia.
Por uma razão simplória, mas insofismável: para o Brasil, o futuro já chegou.

Autoria e postagem: José Nilton Mariano Saraiva

9 comentários:

  1. Prezado Mariano

    Aceite meus cumprimentos por tão excelente artigo. ele ébastante esclarecedor e de certo nos dá corageme e ânimo para acreditar nesse país maravilhoso. Se os nossos futuros governantes continuarem a aministração que se vem empreendendo atualmente, o Brasil dentro de mais vinte anos estará entre as maiores nações do mundo. Eu almejo viver até lá!

    ResponderExcluir
  2. José Nilton:
    Informo logo (antes que venha suas indagações de inquisidor-mor do Blog do Crato) que sou juazeirense, engenheiro, empresário.
    Sempre trabalhei dentro da iniciativa privada.
    Com certeza não estou incluído entre as pessoas que o Sr. classifica (observação: as expressões entre aspas, a seguir, foram retiradas do seu texto laudatório) do “ceticismo dos “eternamente do contra”;
    Nem me incluo entre os que divulgam: “presságios negativos de maus brasileiros que por mero e deslavado preconceito torcem e exaustivamente pregam o quanto pior melhor”;
    Tampouco sou: “dos plantonistas estafetas do caos que se apegam a detalhes comezinhos e micros ao invés de concentrarem-se no macro”
    Ou mesmo dos que têm: “visceral e comprovada má vontade para com o atual Presidente da República”;
    Mas – permita-me, com o devido respeito que o Sr. não tem por quem não reza por sua cartilha – penso que de maneira alguma podemos entender ou acreditar no crescimento do nosso Brasil sem investimento em Educação. Educação nos lembra construção, desenvolvimento, aprendizagem. Portanto, para ter um país verdadeiramente evoluído, é preciso investir em Educação, para que o povo possa ter acesso ao conhecimento que o tornará mais capaz de discernir o certo e o errado, tenha condições de saber escolher, avaliar, criticar tudo ao redor, ou seja, um povo politizado tem capacidade de dar opiniões, mas para isso é preciso investir na Educação para todos. Ou então seremos eternos reféns de políticos populistas e atrasados...

    Já se vê que não tenho nenhuma admiração pelo “Cara”.
    Mas, de forma amena e respeitável, pediria ao Sr. que desmentisse ou confirmasse as informações abaixo. (Tudo dentro da garantia da sua credibilidade pessoal como cronista-formador de opinião).

    1- Empresas congelam investimentos
    Pesquisa da Fundação Dom Cabral mostra que metade dos projetos privados de portos e ferrovias foi adiado.

    2- Indústria tem a maior queda em 10 anos
    Sondagem da CNI mostra forte recuo da atividade e do emprego industrial no primeiro trimestre.

    3- Comércio puxa aumento do desemprego no país
    Índice Dieese subiu de 13,9% para 15,1% em março.

    4- PIB do Brasil vai cair 1,3%, diz FMI
    Reativação da economia será lenta e penosa, comércio cairá 11% e o país será afetado, segundo relatório do Fundo.

    5- Produção de minério da Vale teve queda de 37% no primeiro trimestre
    Empresa produziu entre janeiro e março 27,6 milhões de toneladas a menos que no mesmo período de 2008.

    6- Desemprego sobe para 9% em março.
    (Cfe. jornal O Estado de São Paulo, edições de 23, 24, 29 e 30 de abril de 2009).

    7 - Que o governo federal sonega a correção das aposentadorias de forma igualitária, definindo que as aposentadorias acima do salário mínimo, não merecem a correção completa como os demais aposentados, nivelando por baixo as aposentadorias, inclusive daqueles que contribuíram uma vida inteira com o teto máximo, e que vêem gradativamente suas aposentadorias aproximar-se do salário mínimo.

    8 Que na campanha para a presidência o atual presidente da república prometeu 10 milhões de empregos à população brasileira, e que agora culpa “os loiros de olhos azuis” pela crise econômica mundial, que há pouco tempo ele mesmo definia como uma “simples marolinha”.

    ResponderExcluir
  3. José Roberto,

    em querer questionar os textos, e sim uma particularidade, por uma coincidência, esse foi exatamente o termo que eu usei para definir o José Nilton Mariano nos últimos dias, que está assumindo um papel de "Inquisitor-Mor" aqui no Blog do Crato, rs rs, ele é o nosso Torquemada ?

    Mas se você quiser pegar no calo dele, basta mostrar "O outro Lado do Brasil"...

    rs rs

    Abraços,

    Dihelson Mendonça

    ResponderExcluir
  4. Senhor José Roberto,
    Despreocupe-se. O senhor não foi, não é e jamais será a fonte inspiradora do nosso texto; quando redigimos este a que o senhor se refere, apenas manifestamos o nosso posicionamento em defesa daquele que reputamos, até prova em contrário, um dos maiores presidentes do Brasil (junto com JK); agora, quem quiser vestir a carapuça, sinta-se à vontade, use-a e abuse-a.
    Com relação à falta de apoio governamental a educação, é claro que o problema brasileiro vem de longe, é secular, passou por vários e diferentes governos (inclusive o do demagogo, cosmopolita e poliglota FHC) sem que houvesse uma maior preocupação com o setor; foi necessário que um “analfabeto” (ele, sim, o CARA) assumisse, para se tomar alguma providência, que, é claro, ainda é muito pouco, ante o descalabro reinante.
    O senhor conhece, por exemplo, o ProUni ??? Se não, saiba que o ProUni - Programa Universidade para Todos, foi criado pela MP nº 213/2004 e institucionalizado pela Lei nº 11.096, de 13 de janeiro de 2005 (portanto, no governo do
    “Cara”, sim senhor). Tem como finalidade a concessão de bolsas de estudos integrais e parciais a estudantes de baixa renda, em cursos de graduação e seqüenciais de formação específica, em instituições privadas de educação superior, oferecendo, em contrapartida, isenção de alguns tributos àquelas que aderirem ao Programa. No seu primeiro processo seletivo, o ProUni ofereceu 112 mil bolsas em 1.142 instituições de ensino superior de todo o país. Nos próximos quatro anos, o programa deverá oferecer 400 mil novas bolsas de estudos. A implementação do ProUni, somada à criação de 10 universidades federais e 49 novos campi, amplia significativamente o número de vagas na educação superior, interioriza a educação pública e gratuita e combate as desigualdades regionais. Todas estas ações vão ao encontro das metas do Plano Nacional de Educação, que prevê a presença, até 2010, de pelo menos 30% da população na faixa etária de 18 a 24 anos na educação superior, hoje restrita a 12% (um bom começo, não ???).
    Com relação aos questionamentos feitos por V.Sa., lembramos-lhe que:
    1) por incrível que pareça, o Brasil se acha encravado no planeta Terra (aquele, que gira em torno do Sol) e, portanto, não poderia ficar imune à mais séria crise de todos os tempos, capaz de nocautear gigantes como os Estados Unidos, Inglaterra, Rússia e até, embora em menor escala, a fenomenal China;
    2) quando referiu-se à “marolinha”
    o “Cara” fez o que pessoas responsáveis deveriam fazer: estimular seus concidadãos a manter o alto astral, mostrar que o país tinha condição de vencer as adversidades, que todos deveriam unir-se nesse momento difícil (já pensou se o Chefe da Nação aparecesse na TV pessimista, abatido, a anunciar que não tinha jeito, que o país estava indo para o fundo do poço e tal ???);
    3)com a atual crise, provado restou que o FMI e essas tais de instituições e agências que medem o grau de desenvolvimento dos países, não têem a mínima credibilidade em tal mister; assim, essa balela, esse papo furado de que o FMI prevê queda do nosso PIB, de que isso ou aquilo tem que ser feito assim e assado, já era (o PIB cairá, sim, porque a crise é global e séria);
    4) como aposentado do serviço público, sentimos no bolso, sim, a questão da defasada correção dos benefícios para aqueles que ganham acima do salário; só que, não custa lembrar, não foi o “Cara” que estabeleceu as regras atuais; a coisa é estrutural, vem lá de trás e nunca foi enfrentada de frente, em razão, principalmente, do alegado déficit da previdência social (verdadeira farsa, já que o sistema em si é superavitário, desde que seja contabilmente escriturado);assim, vamos torcer para o projeto do deputado Paulo Paim tenha rápida tramitação e aprovação, a fim que tal falha seja reparada.
    Quanto à expressão "inquisidor-mor" do blog, com a qual fomos graciosamente brindados, bem que gostaríamos de possuir competência para tal. Como não a temos, sensibilizados, dispensamo-la.

    ResponderExcluir
  5. Uma matéria no Correio Braziliense de ontem 06/04/2009, traz-nos uma noticia desesperadora para os criticos do atual governo, e os empresários picaretas que sonegam o INSS. Está entrando no ar a consulta de cada empregado junto ao INSS da sua situação cadastral, primeiramente quem tem conta no Banco do Brasil, e em breve aos ligados a CEF,podendo saber se estão recolhendo os seus depósitos, e segundo a sua ficha completa pra efeito de aposentadoria.
    Essa revolução administrada pelo Ex deputado José Pimentel, mostra a que ponto está chegando, a ousadia desse presidente analfabeto, que está contrariando interesses.
    Fico imaginando a transformação de Juazeiro com tantos cursos sendo implantados, e uma nova mentalidade revendo o conceito, de que uma mão estendida a pedir esmolas traz riqueza e dignidade a pessoa humana.
    A erradicação da produção marginal, poderá em breve mudar no Cariri, essa imagem tão difundida da Baixada Caririense, com a quantidade crescente de crimes praticados em Juazeiro.

    ResponderExcluir
  6. Prezado Carlos,

    O problema é que os "eternamente do contra" insistem em que todos os problemas do Brasil (desde a época do Pedro Álvares Cabral), são de responsabilidade e devem ser creditados ao "analfabeto".
    Veja você a questão da "educação", que passa por uma autêntica revolução, depois de décadas de paralisia, mas que "eles" se recusam a enxergar.
    De qualquer forma, agradecemos seu comentário e o incitamos a continuar na defesa do coitado do
    "analfabeto".
    Aquele abraço.

    ResponderExcluir
  7. Prezado Elmano,

    Que boa notícia você nos traz (é claro que prá determinadas figuras, que enricaram sonegando, é péssima).
    A verdade é que o "analfabeto" surpreendeu a muita gente com o seu carisma, discernimento e competência administrativa. Não é sem razão que ele foi escolhido prá ser internacionalmente conhecido como o "Cara".
    Para desespero de uns poucos, que parecem usar "viseira" (e, portanto, tem dificuldade de enxergar o que se passa ao seu redor ou a um palmo à frente do nariz).
    Nessa marcha, muita gente vai morrer, de raiva ou do bofe.
    O que é uma pena, porquanto não terão oportunidade de testemunhar o BRASIL POTÊNCIA.

    ResponderExcluir
  8. provavelmente o juazeirense eh tucano. isso eh normal entre eles,tirar os meritos do (cara). viva dilma 2010 sera?.

    ResponderExcluir

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.