28 fevereiro 2009

Centenário do Poeta - Festa para Patativa do Assaré - Por: Antonio Vicelmo

Clique para Ampliar

Antônio Gonçalves da Silva, o Patativa do Assaré, tornou-se famoso com a poesia do sertão (Foto: JOSÉ LEOMAR)

Clique para Ampliar

Filhos e netos de Patativa em frente à casa restaurada onde nasceu o pai ilustre. O imóvel está com o desenho arquitetônico original preservado (Foto: ANTÔNIO VICELMO)

A partir de amanhã, e até o dia 5, o município do Assaré está em festa para marcar os 100 anos de seu filho maior

Assaré. “Seu doutor só me parece/que o senhor não me conhece/nunca soube quem sou eu/nunca viu minha paioça/minha muié minha roça/nem os fios que Deus me deu”. Ao se autodefinir como um pobre matuto roceiro, o poeta Antônio Gonçalves da Silva, o Patativa do Assaré, nunca imaginou que o seu nome fosse ficar gravado nos principais equipamentos de sua cidade natal. Estrada, emissora de rádio, memorial, universidade e escolas têm o nome do poeta que, se fosse vivo, estaria comemorando 100 anos de idade no próximo dia 5. Patativa nasceu a 5 de março de 1909 na Serra de Santana e morreu em 8 de julho de 2002.

Sete anos depois de sua morte, o nome daquele agricultor sofrido, que se tornou órfão de pai e arrimo da família na adolescência, é o maior referencial de Assaré que, se não fosse o poeta, era mais uma “cidadezinha” perdida nos limites do Cariri com a região dos Inhamuns, a mais seca do Estado. Nem mesmo o Barão de Aquiraz, que foi deputado, senador e também vice-presidente do Ceará e construiu sua casa, no Sítio Infincado, município de Assaré, conseguiu projetar o nome da cidade.

Além das fronteiras
O menino Antônio Gonçalves da Silva, que virou “Senhorzinho” para a família e transformou-se em Patativa para o mundo, ultrapassou as fronteiras do Brasil e está sendo estudado na cadeira de Literatura Popular Universal, sob a regência do professor Raymond Cantel, na Universidade de Sorbonne, França, uma das mais antigas do mundo. Patativa do Assaré, segundo Cantel, era unanimidade no papel de poeta mais popular do Brasil.

Para chegar onde chegou, tinha uma receita prosaica: dizia que para ser poeta não era preciso ser professor. “Basta vê no mês de maio/ um poema em cada gaio/ um verso em cada fulô”. O professor Plácido Cidade Nuvens, reitor da Universidade Regional do Cariri (Urca), que escreveu o livro “Patativa do Assaré e o Universo Fascinante do Sertão”, editado pela Fundação Edson Queiroz, vai incluir na segunda edição a tradução dos poemas de Patativa em francês e italiano. O terceiro capítulo tem o título de “A Triste Partida”, que trata do velório e morte do poeta.

A partir de hoje, a cidade de Assaré se “engalana” para refletir sobre a verdadeira dimensão deste homem e de sua obra, a verdadeira grandeza deste agricultor que construiu uma poesia capaz de colocá-lo, em pé de igualdade, ao lado dos maiores nomes da nossa literatura. Uma das homenagens é a restauração da casa onde Patativa nasceu, na Serra de Santana. Foi mantida a mesma estrutura do imóvel anterior. Até mesmo a janela que foi aberta no quarto escuro onde nasceu Patativa foi fechada por determinação dos arquitetos que acompanharam a restauração.

Museu temático
A idéia, segundo o secretário de Cultura de Assaré, Marcos Salmo, é transformar a casa em um museu temático, onde os visitantes possam encontrar, além de móveis antigos restaurados, objetos pessoais do poeta e fotografias da família. O museu irá destacar ainda Patativa como agricultor, abordando este aspecto da vida do poeta, que, mesmo se enveredando pela cultura popular, sempre esteve próximo às atividades do campo, ao cultivo da terra que lhe serviu de inspiração para criação dos versos.

Os móveis foram restaurados pelo poeta Cícero Batista, que foi companheiro de Patativa do Assaré nos desafios de viola. Um dos objetos restaurados foi um santuário com mais de 100 anos. O filho de Patativa, Afonso Gonçalves, que é carpinteiro, fabricou uma das janelas da casa.

Está semana, os filhos de Patativa, Geraldo, Afonso e Inês, que moram na Serra de Santana, acompanharam os últimos detalhes de reconstrução da casa. “Foi um serviço bem feito, eles reconstruíram até o ‘sótom’, onde eram guardados os legumes”, diz o filho mais velho, Geraldo Gonçalves.

A casa de taipa, chão batido, é o retrato fiel da realidade nua e crua vivida pela família Gonçalves. Ali, entre quatro paredes, na solidão da serra, o poeta construiu o seu mundo. Enquanto irrigava a terra árida com o suor de seu rosto, na luta desesperada pela sobrevivência, Patativa cantava as amarguras e alegrias da vida ao som de uma viola.

Família pobre
Os filhos e netos do poeta, que acompanharam de longe a restauração da casa, têm consciência do que o imóvel representa para a família. “Nele estão guardadas todas as emoções de uma família pobre”, diz Inês Alencar, filha mais velha de Patativa, destacando que a casa “é um sacrário de sonhos e ilusões”. É com este sentimento de saudade e gratidão, mas também de uma timidez própria do povo sertanejo, que os familiares de Patativa participam da festa que marca o centenário do pai famoso. Este que nunca deixou de ser o “Senhorzinho”, ou o repentista tocador de viola que varava as madrugadas das noites sertanejas, com versos incomparáveis.

ANIVERSÁRIO
1909 foi o ano de nascimento do poeta popular Patativa do Assaré, que aniversaria os 100 anos no próximo dia 5 de março e vai ganhar ampla programação em municípios do Cariri e em Fortaleza

ANTÔNIO VICELMO
Repórter

Mais informações:
Prefeitura Municipal de Assaré
Rua Pe. Agamenon Matos Coelho, 148, Centro, Cariri
(88) 3535.1163
(88) 3535.1613


HOMENAGEM AO POETA

Programação terá shows e palestras

Assaré. A programação comemorativa ao Centenário de Patativa do Assaré será aberta amanhã, com um recital de poesias na “Rádio Patativa do Assaré”, seguida de uma concentração no Parque de Vaquejada e cortejo de grupos populares. Para noite estão programadas feiras de artesanato, exposições e apresentações de grupos populares. O ponto alto será a entrega dos certificados de Mestres da Cultura, na praça que tem o nome de Patativa. A programação do primeiro dia será encerrada com show das bandas “Forró Menina Morena”, “Solteirões do Forró”, “Banda Real” e “Santana, o Cantador”.

Para a segunda-feira, estão programadas cantorias na feira-livre, oficinas, apresentação de teatro e cinema no distrito de Aratama, exibição de filmes no Parque de Vaquejadas, inauguração de uma brinquedoteca e, à noite, apresentação da Orquestra Eleazar de Carvalho e shows com “Os Nonatos”, “Forró Primeiro Beijo” e “Mastruz com Leite”.

No dia 3, as apresentações de teatro e cinema serão transferidas para o distrito de Amaro. Os filmes serão exibidos no bairro Moeda. No Memorial Patativa do Assaré será realizada uma audiência sobre economia e cultura, promovida pelo Sebrae. A programação prossegue à noite, com apresentação de projetos sociais do município, encontro de sanfoneiros populares e shows com Gildário do Assaré e Adelson Viana, Cícero do Assaré e Orquestra Kariri, bandas “Cheiro de Menina” e “Cacau com Mel”.

No dia 4, as apresentações teatrais serão feitas no distrito de Genezaré, enquanto os filmes serão exibidos no bairro de José Dodó. No Memorial, serão realizadas palestras com Plácido Cidade Nuvens, professor B.C Neto, cineasta Rosemberg Cariri, professor e poeta José Jesus Leite e o agricultor e poeta Geraldo Gonçalves. O mediador é o professor Luizão. À noite, será realizado o Festival de Cantadores e Repentistas, seguido de lançamento de livros e shows com Ítalo e Reno, Dorgival Dantas, Kaninana do Forró e Açaí com Rapadura.

FIQUE POR DENTRO

Comemoração inclui agenda variada
No dia 5, data de aniversário de Patativa do Assaré, a programação será aberta às 6 horas, com alvorada festiva pelas ruas centrais da cidade, queima de fogos e Banda de Música Manoel de Benta. Em seguida, café literário de artistas, professores e a família do poeta. A partir das 9 horas, a programação será na Serra de Santana, com a inauguração da casa restaurada onde ele nasceu, com a presença d o prefeito municipal, Evanderto Almeida, do vice-governador, Francisco Pinheiro, demais autoridades, artistas e comunidade. No fim da tarde, missa de ação de graças na Matriz de Assaré. À noite, inaugurações e shows com Raimundo Fagner, Waldonys, Dominguinhos e Forró Sacode.

RECONHECIMENTO

Senador quer instituir 2009 como o ano do poeta de Assaré
Assaré. Antes da festa pelos 165 anos de nascimento do Padre Cícero Romão Batista, na segunda quinzena de março, Juazeiro do Norte renderá homenagens ao poeta popular Patativa do Assaré. Uma programação conjunta foi elaborada pelas secretarias de Turismo, Cultura e Educação. “Patativa do Assaré Sorbone” é o tema da programação.

Tramita no Senado Federal, em Brasília, projeto de lei de autoria do senador Inácio Arruda, propondo a instituição de 2009 como Ano Nacional Patativa do Assaré. Entre as obras musicais mais conhecidas do poeta, Inácio Arruda registra “A triste partida”, gravada em 1964 por Luiz Gonzaga, que constitui “um verdadeiro tratado sociológico, econômico e psicológico da saga do migrante, com uma conclusão profética e ousada para a época: é triste o nortista/ tão forte e tão bravo/ viver como escravo/ no Norte e no Sul”.

Fonte: Jornal Diário do Nordeste

2 comentários:

  1. Esse é digno de todas as honrarias, imagináveis e inimagináveis. Uma sumidade !!! Um orgulho de todos nós, cearenses cabeças-chatas !!!

    ResponderExcluir
  2. Amanhã, dia 2 de março, será lançado no Nortshopping, em Fortaleza, o filme de Rosembreg Cariri "PATATIVA DO ASSARÉ _ AVE POESIA". às 20:0 hs.

    ResponderExcluir

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.