01 fevereiro 2009

Aceite-me como Eu sou ! - Texto de Domingo enviado por: Mônica Araripe

.


Esta é a história de um soldado que, finalmente voltava para casa, depois de ter lutado no Vietnã. Ele ligou para os pais em São Francisco:

- Mamãe, Papai, estou voltando para casa, mas antes quero pedir um favor à vocês. Tenho um amigo que eu gostaria de levar junto comigo. - Claro, eles responderam. Nós adoraríamos
conhecê-lo também! Há algo que vocês precisam saber antes, continuou o filho. Ele foi terrivelmente ferido em combate. Pisou numa mina e perdeu um braço e uma perna. Pior ainda é que ele não tem nenhum outro lugar para morar.

- Nossa!!! Sinto muito em ouvir isso, filho! Talvez possamos ajudá-lo a encontrar algum lugar para morar!
- Não mamãe, eu quero que ele possa morar na nossa casa! - Filho, disse o pai, você não sabe o que está pedindo? Você não tem noção da gravidade do problema? A mãe concordando com o marido reforçou:

Alguém com tanta dificuldade seria um fardo para nós. Temos nossas próprias vidas e não queremos uma coisa como essa interfira em nosso modo de viver. Acho que você poderia voltar para casa e esquecer esse rapaz. Ele encontrará uma maneira de viver por si mesmo! Nesse momento o filho bateu o telefone e nunca mais os pais ouviram uma palavra dele. Alguns dias depois, os pais receberam um telefonema da polícia, informando que o filho deles havia morrido ao cair de um prédio. A polícia porém acreditava em suicídio. Os pais, angustiados voaram para a cidade onde o filho se encontrava e foram levados para o necrotério para identificar o corpo. Eles o reconheceram e, para o seu terror e espanto, descobriram algo que desconheciam: “O FILHO DELES TINHA APENAS UM BRAÇO E UMA PERNA!”

Os pais nessa história são como nós, achamos fácil amar aqueles que são perfeitos, bonitos, saudáveis, divertidos, mas não gostamos das pessoas que nos incomodam ou não nos fazem sentir confortáveis.

( Autor desconhecido )

Por: Mônica Araripe

14 comentários:

  1. Mônica,

    Tenho lido e gostado dos textos que tem escolhido para postar.

    Abraço,

    Claude

    ResponderExcluir
  2. Claude,

    A Mônica é uma pessoa de uma sensibilidade fora do comum. Quando ela não consegue postar, ela me envia para postagem, como fez desta vêz. Espero que ela possa ler nossos comentários, pois como aqui tudo desce rápido, muitas vezes eu é quem a alerto que tem novos comentários em tópicos que ela escreveu.

    Abraços,

    Di.

    ResponderExcluir
  3. Mônica,

    O texto postado por você, é muito importante porque podemos fazer uma reflexão sobre o amor. Quem ama, aceita o outro como ele.

    Abraços,

    Magali

    ResponderExcluir
  4. As mães são as pessoas que mais amam nesse mundo mesmo...

    Porque eu nunca vi uma mãe dizer que seu filho é um assassino. Por pior que seja o filho, a mãe defende, para a desgraça da sociedade.

    Mesmo as mães de delinquentes, de estupradores, de assassinos convictos são amparados pelas mães que dizem:

    "Soltem meu filho. O BICHIM não fez nada! é tudo invenção para prejudicar meu filho..."

    Chega-se à conclusão que as mães talvez sejam as únicas pessoas que aceitam os filhos como eles são. Um amor fiel e cego que encobre todas as faltas cometidas.

    Se as mães fossem menos protetoras, menos defensivas quanto aos seus filhos maus, talvez o mundo fosse um lugar melhor, e vá vê lá, que até a mãe do Hitler o achava bondoso e inocente...

    Abraços,

    DM

    ResponderExcluir
  5. Bem, a mãe de Hitler morreu quando ele era jovem ainda e não tinha nem divulgado suas idéias.
    Ele não viu o Hitler adulto e com poder.

    ResponderExcluir
  6. É verdade, Darlan,

    A mãe de Hitler morreu antes dele adquirir o poder que foi conseguindo aos poucos, convencendo as massas da necessidade de soerguimento e unificação dos estados germânicos a formar o Terceiro Reich e a purificação do sangue, tradições, cultura e religião dos povos germânicos, promovendo uma limpeza étnica com a esterilização e posteriormente da eliminação dos doentes mentais, dos "imperfeitos", dos deformados, e acusando ( com base nos ideais de Chamberlain e outros ) os Judeus como a raça que ocupa o posto mais baixo na escala humana, pois como dizia já em "Die Ewige Jude" ( filme de propaganda nazista ), os judeus se proliferam e destroem as outras raças, como ratos.

    Possuo um fantástico documentário elabordo por um médico alemão da época em que ele alarmado dizia:

    "A raça alemã nos últimos anos havia crescido 50%, enquanto as pessoas nascidas com defeitos físicos e mentais haviam crescidos 450% na população. Em 50 anos, iremos ter 1 pessoa geneticamente doente ( portador de inúmeras doenças genéticas transmitidas por gerações ) em cada 5 pessoas saudáveis. E acusava essa prole de doenças aos Judeus, por carregarem por séculos os genes deficientes que iriam contaminando as outras raças com a miscigenação.

    As tropas da SS de elite, que representavam o mais puro sangue ariano, por exemplo, eram tão rigorosas que os pretendentes para entrarem para a SS tinham que ter comprovação de nenhuma doença mental ou genética retroativa até 1750 na família.

    Mas mesmo em casa, quando criança, Hitler era um tipo esquisito, e certamente recebia muita proteção da mãe. Hitler sempre foi incomum, certa vez, com raiva de uma mulher, chegou a dizer a ela que sua única função na vida vazia e sem intelecto, "era parir outras putas iguais a ela", quando ele ainda aspirava ser artista e entrar para a escola de Viena, o que como se viu, acabou não acontecendo, foi artista rejeitado, embora para o padrão de hoje, seus trabalhos nem são tão ruins, e logo eclodiu a primeira guerra mundial, da qual foi combatente valoroso, chegando a ganhar logo a cruz de ferro de primeira ordem, por sua bravura em resgatar seu comandante, o que lhe valeu o posto de cabo...

    Mas isso é outra história...
    É que quando se fala em III Reich, é um assunto que eu sou apaixonado, pesquiso bastante, e vem a empolgação. Estou escrevendo um ensaio sobre "A Influência e Herança da Eugenia negativa, dos Ideais Wagnerianos e do Nazismo para as tecnologias genéticas do Século XXI.

    Abraços,

    Dihelson Mendonça

    ResponderExcluir
  7. Fico muito feliz, vindo de você é muito bacana, até me incentiva a continuar.
    Obrigada mesmo.
    Beijos

    ResponderExcluir
  8. Magali, fico feliz, como falei para Claude, esses comentários me estimula muito para postar.
    Obrigada,
    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Darlan, Que bom, que ela não viu no mostro que ele se tornou.
    Abraços,
    Monica

    ResponderExcluir
  10. Dí com certeza as mães sofrem, mais não concordo que aconteça assim como vc falou.
    Bjus

    ResponderExcluir
  11. Dihelson, eu tenho um exemplar do Mein Kampf. Hitler além de tentar justificar a sua indisposição para os estudos é um escritor medíocre e preconceituoso. Nunca aceitava os diferentes ou até os que pensavam diferente.

    Um pequeno trecho de sua loucura:

    " Levado pelas lições da experiência de todos os dias, comecei a pesquisar as fontes da doutrina marxista. Em casos individuais, a sua atuação me parecia clara. Diariamente, eu observava os seus progressos e, com um pouco de imaginação, podia avaliar suas consequencias. A única questão a examinar era saber se seus fundadores tinham presente no espírito todos os resultados de sua invenção ou se eles mesmos eram vítimas de um erro.

    As duas hipóteses me pareciam possíveis.

    No primeiro caso, era dever de todo ser pensante colocar-se à frente da reação contra esse desgraçado movimento, para evitar que chegasse às suas extremas consequencias; na segunda hipótese, os criadores dessa epidemia coletiva deveriam ter sido espíritos verdadeiramente diabólicos, pois só o cérebro de um monstro - e não o de um homem - poderia aceitar o plano de uma organização de tal porte, cujo objetivo final conduzirá à destruição da cultura humana e à ruína do mundo."

    AUTOR: HITLER, Adolf. Mein Kampf. São Paulo: Ed. Moraes, 1983, p. 51.

    ResponderExcluir
  12. Mônica, liga pra mim, estou esperando. Preciso falar contigo.

    Abraços,

    DM

    ResponderExcluir
  13. Prezado Darlan,

    eheheheheheheeeheheh

    Estou rindo aqui com o que o Fuhrer escreveu sobre as doutrinas Marxistas. Bem, não vou entrar no mérito da questão de Marx para Hitler. As coisas estão muito longe, só daria para avaliar depois de passarmos por cima de toda a doutrina seguida por Hitler.

    Procure um livro chamado:
    "Ensaio sobre as desigualdades da raça humana" de Gobineau

    e

    "Os fundamentos do século XIX" de Houstin Stewart Chamberlain.

    Com esses dois pilares e mais o livro de Galton sobre Eugenia fica bem fácil compreender o que aconteceu na Alemanha após a guerra de 1914. Hitler era um leitor fervoroso da doutrina de Chamberlain enquanto estêve na prisão, e se inspirou nele e noutras coisas para escrever seu "Mein Kampf".

    Toda essa preocupação com a preservação e o aprimoramento da raça humana ( também apoiado por um profundo misticismo que rondava o final do século XIX na europa, que reivindicava o abandono do deus cristão e a volta aos deuses germânicos, aliados à teosofia de Mme. Blavatsky, ( autora de "A Doutrina Secreta", "Ísis Desvelada" ), que sustentava a idéia de que a quarta raça-raiz ( que seria a Ariana, descendente dos Atlantis que teriam sucumbido a um cataclisma ) era uma raça superior, então os arianos nórdicos seriam descendentes dessa quarta-raça raiz, e junto a isso, a crise pós-revolução industrial que fez milhões de pobres na europa, com desemprego e uma nova elite de industriais que competia com a nobreza pelo poder...

    Esse verdadeiro caldeirão não poderia dar em outra coisa senão a loucura que vimos. A idéia da criação do superhomem, já preconizada por Nietzche, só que dessa vez pelo processo eugênico, em laboratório, e os grandes ideais de Richard Wagner com suas colossais produções das óperas germânicas como Rienzi, O Anel dos Nibelungos e Parsifal...

    Aliás, sabia que Hitler tinha tanta adoração por Richard Wagner, que disse certa vez que: "não se consegue compreender o que é o Nacional Socialismo sem ter lido e aprendido a obra de Wagner", demonstrando o grande poder que a obra do "colosso de Bayreuth" exerceu sobre Hitler.

    Mas eu concordo com você, isso foi uma loucura que assolou todo um povo que estava no caos e viu em um homem profundamente nacionalista e de idéias deturpadas, a saída para todos os problemas de uma nação. Como eles diziam: "Tu és o salvador da Alemanha, tão esperado por nosso povo"

    Aonde vc conseguiu sua cópia do MEIN KAMPF ? eu a tenho em PDF.

    Veja o filme A QUEDA, se já não viu. Tenho vários documentários que posteriormente, posso lhe fazer uma cópia em DVD.

    Abraços,

    Dihelson Mendonça

    ResponderExcluir
  14. Dihelson, eu ganhei de presente esse livro.
    Eu assisti ao filme sim. Acho interessante o tema, apesar de não ser especialista. Ainda faço pesquisas sobre a escravidão na cidade do Crato no século XIX.
    Abraços.

    ResponderExcluir

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.