03 janeiro 2009

A Imbecilidade, madrasta de todas as guerras - por: Emerson Monteiro



Vá lá que não se pretenda explodir os próprios sonhos, dadas razões autodestrutivas da patologia clássica. Contudo querer incluir os sonhos dos demais no processo de punição das culpas acumuladas pela perdição das horas de vida, que jogada fora a cada inútil atitude, isso merece reavaliação desde o princípio das ações, nos campos de batalha.
Daí a notação de ser imbecilidade pura desmanchar os artefatos letais em volta de si, na máquina da guerra, e espezinhar multidões de outros seres, inclusive o espaço do Planeta, fustigado nas unhas de horríveis monstros animais humanos. Chegar à madrugada do novo ano falando essas coisas de alemães filosofias deixa transparecer, sem repressão, os sentimentos de indignidade que invadem as salas em face dos entreveros televisados, no returno do calendário. Sem mais nem menos, acendraram ânimos e tomem bombas israelenses em represália a foguetes explosivos dos palestinos, na Faixa de Gaza. Fruto disso, juntem-se as mortes da população civil, produzida nos conflitos anteriores das mesmas gentes. Acima de conceitos morais, há os ditames da ética para demonstrar a inutilidade da razão perante as providências dos guerreiros. “Não importam os motivos da guerra, a paz é mais importante do que eles”, disse com absoluta propriedade Roberto Carlos. Mas a quem dizer isso? (há a quem?), conquanto existam tantos interesses por trás das agressões, os antivalores econômicos, religiosos, políticos, culturais, territoriais, desconhecidos, etc. Perguntar a quem, ao vento, Dylan? Quantos canhões ainda explodirão até que o homem compreenda o condão da verdadeira fraternidade?

Uma mistura de desencanto com impossibilidade, somados alentos de compaixão pela dor alheia, nos pagos adversários que se embebem de sangue no chão comum a todos os conflito.
Prece e sonho flutuam nas mentes pelos ares, neste começo de tempo... Amar, enfim.

Por: Emerson Monteiro
.

3 comentários:

  1. Estamos sempre preparados para a guerra - o mesmo não acontece quando se trata de gentilezas, por menores que sejam. Temos medo do bem, por quê?

    Aceitamos o sofrimento com resignação, mas temos uma facilidade impressionante para aceitarmos os 'castigos'.

    O que nos motiva a digladiar é o mesmo vazio que nos motiva a amar. A diferença está no foco e na dose. Entretanto, doses pequenas de ódio podem matar - no amor, elas apenas prolongam a vida.

    Todos que estamos de fora nos sentimos impotentes. Que tal fazermos a nossa parte, aceitando o outro e as diferenças e nos desarmando como pessoas... Agride-se demais e se perde a beleza das coisas simples.

    Verdade que o amor é mais importante. Se o Rei disse isso, saiba que existem pessoas que pensam diferente e professam: 'Não há paz, mas intervalos entre guerras'.

    Abraço!

    ResponderExcluir
  2. Parabenizo o grande Emerson Monteiro por nos trazer texto tão essencial no mundo de hoje!

    Um grande abraço,

    Dihelson Mendonça

    ResponderExcluir
  3. Parabéns pelo texto, conteúdo muito próprio para a dita Era de Paz em que vivemos.
    Só uma correção: "Não importam os motivos da guerra, a paz ainda é mais importante do que eles" foi John Lennon quem disse e não Roberto Calos, como está no texto.

    ResponderExcluir

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.