xmlns:fb='http://www.facebook.com/2008/fbml' xmlns:og="http://opengraphprotocol.org/schema/"> 24/12/2008 | Blog do Crato
.

VÍDEO - CONVERSA FRANCA - O DESCASO NO CRATO - Dihelson Mendonça ( 30-11-2017 ).
Estamos de volta com as transmissões da TV Chapada do Araripe ( E agora, com alguns programas ao vivo ). Serão vários programas abordando temas diversos, como a realidade da nossa região, do Ceará e do mundo; Programas científicos, atualidade, entrevistas, e transmissão de eventos ao vivo. ( Veja o vídeo e compartilhe ). www.tvchapadadoararipe.com



Comunidade Cratense no Facebook - Mais de 25.000 seguidores. Clique em Curtir e adicione a sua Foto !

24 dezembro 2008

Melhores dias para o Crato

Pedro Esmeraldo

A maior glória é ser filho do Crato, berço da liberdade desta província, pátria dos primeiros soldados da Independência, que conquistaram a liberdade, às custas do seu sangue e sacrifício, não só para si, mas para as províncias do Piauí e do Maranhão. Do Crato, surgiu o primeiro brado pela liberdade: a Confederação do Equador. Por isso são chamados seus filhos Espartanos do Norte. Essas palavras foram pronunciadas pelo Pe. Alexandre Francisco Ceberlon Verdeixa, durante uma sessão da Assembléia Provincial, em Fortaleza, em 1848.
Hoje a maioria dos cratenses não segue esse exemplo do passado, permanece um pouco acomodada. Não reage diante das dificuldades dos insultos provocados constantemente pelos seus algozes. Vez por outra, aparecem de mansinho, pessoas interessadas em levar o patrimônio para outras localidades, sucateando sorrateiramente, sempre imitando o gato: dando tapa e escondendo a unha. São astuciosos, provocam vexames, o que é preciso tomar cuidado de suas posições, defensores de sua região. Isso não passa de artimanhas perigosas. Adquirem o que desejam e levam para si todo o progresso evolutivo adquirido pelo Crato através dos anos.
Lembramos aos cratenses que estejam de olhos abertos, não vacilem, lutem até o fim, pois afirmamos que para tudo que se consegue é preciso ser limitado, trazendo conforme a conveniência necessária. Temos que tomar cuidados, para não cairmos numa armadilha. Lembramos a vinda da Escola Ciências Agrárias; pois recordamos o dito popular: quem tem os olhos fundos começa a chorar cedo, para não acontecer o pior, uma vez que há dúvida da vinda dessa unidade para o nosso meio.
Se não nos falha a memória, recapitulamos os fatos ardilosos da vinda da Universidade Federal do Ceará que seria instalada em Crato, com equilíbrio igualitário para o Cariri. Infelizmente aconteceu o contrário, arrebataram-na para si, nas caladas da noite, sob artífice de alguns cratenses, alegaram que o Crato não tinha representação política para se defender.
Felizmente, houve revolta no seio da população, alguns não se conformaram, e reagiram com repúdio a essa medida arbitrária e o povo ficou atônito sem saber o que fazer. Até hoje as autoridades permanecem ainda arredias, sem nenhum movimento para esboçar uma reação digna, à altura do Crato. Por isso, estamos lembrando para não se deixar enganar pelas diabruras das pessoas vaidosas e sonegadoras do progresso. Todos merecem um lugar ao sol.
Novamente, relembrando os erros do Prefeito Municipal em escolher erroneamente seus assessores. É preciso tomar cuidado para saber selecionar as pessoas certas em lugar certo. Não devemos colocar em cargos de confiança, pessoas que não sejam qualificadas para exercer um trabalho consciente, eficaz, e não sem entender patavina do assunto.
Sabemos da capacidade de trabalho do gestor. Gosta do Crato e é dedicado ao bom andamento da sua gestão. Acreditamos que poderá fazer boas escolhas no seu quadro de auxiliares e que venha a favorecer com pessoas capacitadas e que tenham amor ao trabalho. Pessoas que contribuam para o município nos aspectos sociais, políticos, econômicos e culturais. Na escolha de uma boa assessoria está o segredo de efetuar uma administração de qualidade. Seja coerente, tenha calma, não caia nas lábias desses algozes que nada fazem a não ser atrapalhar o bom desempenho administrativo.

OBS.: Postagem a pedido de seu autor, com a permissão dos responsáveis pelo "blog".

Círculo

Clique na foto e leia a poesia.

Grato!

PAPAI NOEL NÃO É PAPAI NOEL ???

"O Papai Noel como conhecemos, de roupa vermelha, sacola nas costas e barba branca, é, na verdade, uma modificação moderna da figura do 'bom velhinho' original. Inspirador do Papai Noel, São Nicolas era um homem simples, dedicado à religião, que nasceu em 280, na cidade de Patara, na Ásia menor (hoje Turquia). Mitos e verdades se misturam na história desse bispo que se tornou santo. Quando seus pais morreram, ele distribuiu a herança entre os pobres, o que o tornou conhecido na região.
Também ficou famoso por ter ajudado a família de um nobre que entrou em falência. Seus credores queriam, além de todos seus bens, a mão das três filhas em casamento. Sabendo que elas sofreriam agressões e escravidão, o nobre entrou em desespero, pois não tinha dinheiro para o dote que faria suas filhas se casarem mais cedo. Conhecendo o dilema do nobre, Nicolas jogou um saco de ouro em seu quintal. E fez isso com as duas outras filhas. Descoberto, o bispo fez o nobre jurar que não revelaria seu nome até sua morte. Daí partiu a tradição de distribuir presentes anônimos.
As histórias da vida de Nicolas se espalharam pela Grécia e pelo Império Romano. Muitas lendas surgiram, mas foi a distribuição de presentes que ficou conhecida no mês sua morte, dezembro. Em 988, Vladimir, o Grande, príncipe da Rússia, se converteu ao cristianismo e viajou a Constantinopla para ser batizado. Lá ele ouviu a história de São Nicolas e ficou tão impressionado que o nomeou padroeiro de toda a Rússia. As tradições e lendas começaram a se relacionar com histórias bíblicas.
Após a colonização da América, os europeus que lá foram morar levaram suas crenças com eles. Na Pensilvânia, havia muitas referências a São Nicolas. Em 1809, um livro infantil trouxe as referências do bispo turco para os Estados Unidos. Em "Knickerbocker's History of New York", o escritor Washington Irving se baseou em São Nicolas para criar um personagem que entrava nas casas pela chaminé.
Na década de 1860, o ilustrador Thomas Nast criou imagens de São Nicolas (que nessa época já tinha o apelido de Santa Claus) para a edição de Natal da revista Harper's. No século XX, a Coca Cola fez uma série de comerciais com a figura do Papai Noel. A partir daí, a imagem do bom velhinho se popularizou e virou sinônimo da data festiva católica."
Transcrito do Portal G1

Natal de 1914 - O Dia em que a Guerra Parou !

Ano de 1914, 24 Dezembro, a Europa estava em guerra, na frente ocidental de um lado a França e Inglaterra do outro a Alemanha. No meio do conflito milhares de homens que simplesmente queriam estar em casa a comemorar o Natal com a sua família.

Os soldados alemães decidiram começar a decorar as ávores perto das trincheiras com velas, e cantar musicas de natal, mais precisamente Silent Nacht (Noite de Paz), do outro lado da terra de ninguem os soldados ingleses responderam cantando musicas de Natal em inglês.
(imagem ao lado: local da trégua de 1914). Ambos os lados acabaram por começar a gritar desejos de feliz Natal, pouco tempo depois ouve gritos nas linhas para pedirem para atravessar a "terra de ninguém" e conhecer quem estava do outro lado, foram trocadas pequenos presentes - Whisky, Geleias, Cigarros, o pouco que tinham disponível.

A artilharia parou durante essa noite.

A trégua foi aproveitada para dar enterros condignos a companheiros que se encontravam caídos na "terra de ninguem", de ambos os lados os soldados prestaram homenagem aos colegas mortos e rezaram em conjunto. A trégua espalhou-se por vários locais da frente ocidental e existem histórias que falam da existência de um jogo de futebol entre os soldados Alemães e Ingleses, que a Alemanha venceu por 3:2 . A trégua durou a véspera de natal e do dia 25, em alguns locais durou até ao dia de ano novo. Esta história mostra-nos soldados que preferiam estar em casa do que a matar o seu semelhante só porque ele tinha uma roupa diferente e falava uma língua diferente. Os lideres que estavam a centenas de quilómetros da frente e que comandavam a guerra não viam pessoas, só números.

Durante a Páscoa de 1916, uma trégua semelhante teve lugar na frente Leste.

Fonte: BBC - London
.

Algumas considerações sobre o Geopark Araripe (1ª parte)

Dedicado ao Prof. André Herzog,
implantador do Geopark Araripe


GEOPARK:
encontro da ciência com os ritos, mitos e lendas do Homem-Cariri

por Armando Lopes Rafael (*)


Poucas regiões do Brasil têm, como o Cariri, uma natureza tão pródiga, uma história tão rica e uma cultura popular tão diversificada. Festas, folguedos, ritos, mitos, lendas, narrativas orais, artesanatos, mestres brincantes e de ofício, santuários e sítios sagrados, marcos históricos e conjuntos arquitetônicos, sítios naturais e redutos ecológicos, tradições culinárias, passeios e belas paisagens, feiras e mercados, enfim, um número infinito de possibilidades e atrações a serem exploradas. Junte-se a isto uma vida intelectual e acadêmica em pleno crescimento, com sólidas instituições públicas, universidades, artistas, escritores e um plantel de profissionais técnicos e liberais da melhor qualidade”. (Oswald Barroso)


Resgatar o passado, reinventar o presente
Incentivar as mudanças tecnológicas e, simultaneamente, investigar e preservar as tradições populares, eis o desafio da Universidade Regional do Cariri. O Geopark Nacional do Araripe, que a URCA planejou, insere-se neste desafio. A sua concepção não contempla apenas o desenvolvimento auto-sustentável da Chapada do Araripe. Vai mais além. Inclui a manutenção do potencial ecológico, geológico, histórico e das tradições de uma região considerada das mais ricas do Brasil, no que diz respeito à cultura popular.
Apesar do processo de modernização por que vem passando a sociedade do Cariri, insuflado pelos ventos da globalização que atinge todos os setores da vida, as tradições populares do Sul do Ceará, e seu entorno, não desapareceram no modo de ser e de viver dos seus habitantes. O povo, de forma inconsciente, vem atendendo ao apelo da UNESCO, no sentido da preservação do patrimônio imaterial, este, infelizmente, muitas vezes, relegado em relação à evolução tecnológica. Nossas tradições continuam presentes no cotidiano dessas populações, num processo em transformação, é verdade, mas ainda latentes. Exemplos dessas presenças são as xilogravuras e as poesias narrativas, populares, impressas, mais conhecidas como Literatura de Cordel. Ambas constituem-se em forte componente das tradições populares do Cariri.
Um dos grandes divulgadores da xilogravura e da Literatura de Cordel, no passado, foi Tipografia e Editora Lira Nordestina, localizada em Juazeiro do Norte, que exerceu influente papel de comunicação, tanto no meio citadino como no rural, de vasta área nordestina. Lamentavelmente, ao longo dos últimos anos, a Lira Nordestina foi perdendo sua importância para outros modernos meios de comunicação. A Universidade Regional do Cariri tomou a si a tarefa de revitalizar essa tipografia, resgatando-a como o maior pólo difusor de literatura popular de folhetos de cordel e xilogravura do Brasil. A Lira Nordestina, fundada em 1926, estava praticamente abandonada, quando foi incorporada à URCA. Após o retorno do acervo, dos equipamentos e dos artesãos da Lira e dentro da sua política de valorizar a cultura popular, a Universidade Regional do Cariri reinstalou a Tipografia-Gráfica no Campus do Pirajá, em Juazeiro do Norte. Em seguida, procurou ajuda financeira da Caixa Econômica para reativá-la. Depois de conseguir este apoio financeiro, através de concorrência pública, nacional, a Lira Nordestina foi selecionada, recentemente, pelo Ministério da Cultura, como um dos “Pontos de Cultura do Brasil”.

No Vale do Cariri, a tradição popular mantém-se também através da dança e da música. As bandas cabaçais, herança da musicalidade dos índios Cariris, perduram até os dias atuais. A referência mais antiga às bandas cabaçais pode ser encontrada no livro do naturalista escocês George Gardner (“Viagem ao Interior do Brasil”. São Paulo: Cia. Ed. Nacional, 1942. 468 páginas). Ele esteve no Sul do Ceará, em 1838. Na sua passagem pela Vila Real do Crato (localidade nascida de um aldeamento dos índios Cariris), Gardner registrou: “toda a população da vila chega a dois mil habitantes, na maior parte índios ou mestiços dele descendentes”. Ainda em Crato, Gardner teve oportunidade de assistir aos festejos de Nossa Senhora da Penha, Padroeira da cidade, citada por ele erroneamente como Nossa Senhora da Conceição. As manifestações da cultura popular, presentes nos festejos religiosos, não agradaram ao escocês. Foi o caso da banda cabaçal, assim descrita pelo naturalista: “(...) uma banda de música, com dois pífanos e dois tambores, mas a música era desgraçada...”
Antigamente, a banda cabaçal era composta por dois pífanos e dois tambores (zabumbas). Hoje, geralmente, ela é formada por dois pífanos, uma zabumba, tarol e pratos. A mais famosa banda cabaçal do Cariri é a dos Irmãos Anicetos. Seus componentes, residentes num subúrbio de Crato, mantêm a tradição transmitida pelo pai, que a aprendeu com descendentes dos índios Cariris. A terceira geração dos Anicetos já começa a incursionar nesse ofício.

(continua)
(*)Armando Lopes Rafael é historiador. Sócio do Instituto Cultural do Cariri e Membro-Correspondente da Academia de Letras e Artes "Mater Salvatoris" de Salvador (BA).

Feliz Natal e Próspero Ano Novo - Samuel e Mônica Araripe

.

"Natal é um tempo de reflexão.
Um tempo para pararmos um pouco e pensar nos nossos semelhantes.
Tempo de ver que o Natal é bem mais que a ambição de comerciantes. Natal é sobretudo, tempo de luz e de Paz.
Tempo de comemorar o nascimento de uma criança que mudou
toda a história da humanidade para sempre, e que as bençãos de três reis magos ainda recaem sobre nós. Natal é tempo de amor. De ver que a vida é um eterno renascimento. De perceber que nossas maiores virtudes ainda precisam e podem ser renovadas.Tempo de dar as mãos e juntos, buscar um futuro melhor para todo o nosso povo. Tempo de amar sem precisar se importar se somos amados ou não.
De dar, sem esperar receber nada em troca.
De recomeçar sonhos desfeitos.
De retomar esperanças naufragadas.
De velar pelo sonho dos nossos jovens, para que eles brilhem diante do mundo e sejam a continuação de nossos melhores anseios.
Natal é tempo de ser feliz! De mudar aquilo que somos, buscando sempre o melhor. De aperfeiçoar nossos mais sublimes desejos.
De pedir, conceder, atender, consentir, buscar, tolerar e sobretudo, saber perdoar !
Natal é uma época em que em todo o mundo, juntos numa só oração, aprendemos a pronunciar em uma só língua uma palavra extraordinária a todos os povos, e que mais simboliza todos os anseios da humanidade:
E esta palavra chama-se: PAZ !

Que a Paz e as bençãos desse natal se traduzam no mais pleno sorriso, e que o ano novo que se inicia, seja o mais belo de todas as nossas vidas, pleno de realizações e de Felicidade."

São os sinceros votos de Samuel e Mônica Araripe
.

Natal no Cariri - Vendas superam a expectativa de lojistas

É Natal...

Clique para Ampliar

A movimentação na semana do Natal surpreendeu os lojistas, que acreditam superar as vendas (Foto: ELIZÂNGELA SANTOS)

Clique para Ampliar

Casa de Albergado do município de Sobral, onde estão os presos que podem conseguir o indulto (Foto: WILSON GOMES)

Para os lojistas, a meta estipulada de 10% no aumento das vendas será superada com certeza

Juazeiro do Norte. O comércio tem superado às expectativas dos lojistas nos dias que antecedem o Natal. O que antes era motivo de desânimo para os comerciantes, durante os cinco dias antes da melhor data para as vendas do ano os consumidores lotaram as ruas e lojas do Centro de Juazeiro. Segundo a presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL), Antônia Anier Salustriano, a meta estipulada de 10% no aumento das vendas com certeza será superada.

Após vários anos seguidos de campanhas da entidade, não foi feito uma campanha institucional de estímulo às vendas, com distribuição de kits para os comerciantes nem sorteio de prêmios. A presidente da entidade preferiu ir aos meios de comunicação e fazer um chamado aos consumidores da região e solicitar aos comerciantes que procurassem envolver seus próprios estabelecimentos com o clima natalino.

A campanha, segundo Anier, foi mesmo corpo a corpo. Ela justifica não ter havido a campanha em virtude dos poucos meses em que teve de assumir a entidade. “Não tinha tanta experiência com a realização do planejamento dessas campanhas e preferi não arriscar. Estamos estudando, a partir de agora, alternativas para investir numa boa promoção de vendas de fim de ano”, diz ela.

Desde que assumiu a entidade, uma das estratégias foi aumentar o número de filiados, e a campanha em torno do fortalecimento da entidade funcionou. Segundo Antônia Anier, a adesão para as novas filiações nos últimos meses é considerada um sucesso na CDL. São mais de 50% de aumento no número de associados. Antes, se contava com 500 e hoje mais 300 complementam esse quadro. A meta é chegar a mais de mil associados.

Anier considera o trabalho deste ano gratificante e diz que a meta é investir em 2009 na formação e qualificação dos profissionais do comércio e empresários. “O mercado requer qualificação e temos que dar esse retorno”, diz ela.

A empresária destaca o crescimento também no comércio da cidade. O município desponta com grande potencial e exemplo disso, conforme ela, é a boa colocação das lojas de grande porte que têm se instalado em Juazeiro. As Americanas, uma das três da região, é considerada a terceira maior em vendas do País. Está sendo construída na Avenida Padre Cícero uma lojas do grupo Carrefour. A meta é que em 120 dias esteja sendo inaugurada.

Ela assegura que a crise não deve ser um empecilho de crescimento para o comércio e diz que o importante mesmo “são os comerciantes levantarem a cabeça e investirem na criatividade”. Quanto ao próximo ano, ela afirma que uma grande campanha será feita em prol das vendas, para promover a auto-estima dos comerciantes e consumidores, destacando com isso a importância da CDL como uma entidade de força junto aos empresários.

A questão da inadimplência tem pesado um pouco, mas Anier salienta que, neste fim de ano, os consumidores decidiram pagar algumas dívidas para fazerem as compras. As consultas para comprar, segundo os dados fornecidos pela própria entidade, têm aumentado de forma significativa.

INTEGRANTES
800 associados fazem parte da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) da cidade de Juazeiro do Norte. A meta da entidade é chegar a mais de mil associados

FUTURO

"O mercado requer qualificação dos profissionais do comércio e temos que dar esse retorno".
Antônia Anier Salustriano
Presidente da CDL de Juazeiro

Mais informações:
Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL)
Rua Padre Cícero, 576, Centro
Juazeiro do Norte (CE)
(88) 5512.2266

Edições Anteriores:

Novembro ( 2017 ):

01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30