25 novembro 2008

MORRE ZÉ BEDEU !

Passo aqui só para registrar a morte de uma das figuras mais polêmica e conhecida do Crato, o famoso Zé Bedeu, filho do Crato e de uma família tradicional e muito querida aqui de Crato. Sem dúvida já se tornou um personagem folclórico da nossa cidade.

Minhas condolências à toda Família.

João Ludgero

COMPRAS? FAÇA AS CONTAS


Dezembro se aproxima e com ele as festas do final do ano. Natal e Ano-Novo fazem deste mês um dos mais rentáveis para a indústria e comercio. Todos os anos, este é o período onde são oferecidos empregos temporários nos dois setores para dar conta das encomendas e atendimento. A economia se aquece e o pagamento do 13º e, possivelmente, da remuneração das férias trazem um “gás extra” ao bolso do trabalhador. Mas o que fazer pra não estourar o orçamento? Como calcular até onde podemos ir com os gastos de fim de ano? Quanto reservar para as despesas do início do ano?

No mês que montamos a árvore de natal e encomendamos o peru, parecemos inebriados com a euforia das festas e, muitas vezes, esquecemos de pensar no quanto precisamos reservar do orçamento para a virada do ano. Material escolar das crianças, matrícula do colégio, licenciamento e seguro do carro, gastos de viagem como passagens e hospedagens são algumas das despesas que representam um grande impacto no orçamento doméstico, de janeiro de cada ano. O problema é ainda maior quando, por razões diversas, o cidadão comum acumula dívidas e vê-se em situação difícil. Como diz o ditado popular: além da queda, coice! A solução parece ser uma só: planejamento!

No primeiro caso, o melhor é fazer as contas. Some tudo que tem que pagar (contas) e comprar (presentes), veja se dispõe do montante nas datas. Dê prioridade às contas. Assim o restante poderá ser usado de acordo com sua disponibilidade e ordem de prioridades. Se o seu caso é o segundo (você devedor), a sugestão é usar o 13º no abatimento total ou parcial da dívida. O que restar dela deve ser negociada e dividida em parcelas. Caso isso não seja possível, fuja dos juros altos dos cartões e parta para um empréstimo que usará no pagamento das dívidas, de preferência no banco que oferecer os juros mais baixos, sempre com parcelas dentro da sua capacidade de pagamento.

Este texto não se trata de uma apologia ao “anti-consumo”. Trata-se de um apanhado de sugestões de ações, simples, de grande impacto na saúde financeira da família. É fundamental que a cultura do planejamento financeiro faça, cada vez mais, parte da educação de todos. O Brasil crescerá ainda mais. Acompanhar e registrar as despesas, poupar, aplicar bem os vencimentos, e principalmente, não comprar (gastar) o que não se pode pagar, diminuirá a inadimplência e suas terríveis conseqüências: endividamento e desemprego.

Compras? Sim! Depois de fazer as contas.

Dimas de Castro e Silva Neto
Mestre em Gerenciamento da Construção pela University of Birmingham
Professor do Curso de Engenharia Civil da UFC Cariri


Reitor da URCA sinaliza apoio para Bienal da UNE

O reitor da Universidade Regional do Cariri – URCA, Plácido CidadeNuvens em audiência com estudantes da instituição sinalizou aviabilidade dos docentes participarem da 6º. Bienal de Cultura daUnião Nacional dos Estudantes – UNE que será realizada no período de20 a 25 de janeiro de 2009, em Salvador - BA. De acordo com o reitorexiste a possibilidade da URCA disponibilizar o ônibus recém adquiridopela IES. Além da Bienal os estudantes participarão da trienal daOrganização Caribenha Latino – Americana dos Estudantes – OCLAE.A expectativa dos organizadores da Bienal é reunir 10 mil estudantesna capital baiana.Para a estudante do curso de Enfermagem Kamilla Gomes, a URCA avançaao possibilitar a participação dos acadêmicos num evento de umadimensão latino americana. Ela acredita que a ida a Bienal iráfavorecer a criação na instituição do Centro Universitário de Arte eCultura – CUCA. Os Cuca´s fazem parte de uma rede Nacional ligado aoInstituto Cuca da UNE.O músico e acadêmico de Pedagogia, Jean Alex acredita que a Bienal éuma espaço importante para difusão e troca de experiências e frisaque são poucos os espaços de fruição da produção artística ecientifica universitária da dimensão da Bienal da UNE.
Alegria, criatividade e arte
Esse foi o clima da oficina de produção cartazes para Bienal realizadanesta terça-feira, dia 25, no Pátio de Pedagogia da URCA. Estudantes eartistas de diversos cursos da Instituição pintaram, cantaram etocaram com o intuito de divulgar a Bienal durante o I Seminário deAssistência Estudantil que foi realizado pela PROAE, no Salão de Atosda Instituição. A agitação dos estudantes garantiu adesão de novaspessoas na mobilização para a Bienal.
O Cariri em Salvador
Se depender dos estudantes da região do Cariri a Bienal da UNE serátomada pelos universitários caririenses. Conforme Alison Almeida, umdos mobilizadores do evento na Região os estudantes da FJN, FaculdadeLeão Sampaio, UFC, FAP, CEFET, FMJ e URCA estão se articulando paraenviar trabalhos e garantir as passagens para Bahia. Almeida frisa queum dos interesses dos estudantes é divulgar a produção cientificarealizada nas universidades locais. A Bienal contempla as áreas deCinema, Artes Visuais, Literatura, Artes Cênicas, Dança, Musica,Ciência e Tecnologia
Serviço:
Inscrições de trabalhos até dia 04 de dezembrowww.une.org.br
Alison Almeida (88)363281
Kamilla Gomes (88) 92156379
Jean Alex (88)96188882

Charge de açucar



Por:João Paulo Fernandes

MATEMATICANDO.COM Dr VALDETÁRIO.

A COLEÇÃO DE LIVROS.

A minha amiga Lêde Túdor, como o próprio nome insinua, é vidrada em leitura. Já leu e releu todos os clássicos da literatura universal. A Lêde possui uma coleção, em dez volumes, com a obra completa, até agora, do nosso nobre escritor José Flávio Vieira. Cada volume tem cem folhas. A coleção está disposta em uma estante, como normalmente colocamos nossos livros, em ordem crescente, ou seja, do primeiro ao décimo volume. Ultimamente a Lêde não tem dado bola pros seus livros. Depois que ela descobriu o Blog do Crato só tem lido mesmo as postagens dos grandes escritores que alimentam o nosso Blog. Pois bem, outro dia a minha amiga foi bater a poeira dos seus livros e percebeu que uma traça furou a sua preciosa coleção JFlávio. E furou de forma linear, da primeira folha do primeiro volume à última folha do décimo volume. A pergunta é: quantas folhas foram furadas na referida coleção? Este também é um problema fácil e sem pegadinhas. Mandem suas respostas. Um abraço a todos. Valdetário.

AS ÁGUAS DOS OLHOS DO POVO DE SANTA CATARINA

O ciclo das águas é turbulento. Na sua fase gasosa oferece densidade à atmosfera, se tornando parte motora das tempestades, trombas d´água, tornados e furacões. Líquida, a água das enxurradas, arrastando encostas, árvores, inundando o arranjo humano no relevo do planeta. Da neve, nevascas e geleiras são conhecidas as enormes escalas do impacto. Na verdade o rosto da terra, igual nossos olhos enxergam e nomeiam é o desenho nas rochas, principalmente pela água, apesar dos ventos.

Os gregos foram sábios em sua época pelo seu politeísmo. A “mecânica” do mundo, diversificada e inesperada, foi compreendida por seus deuses e semideuses. Ao contrário desta chávena de um blended de chás, em que todos enxergam o politeísmo como o primitivismo dos elementos naturais, não foi isso entre os gregos. Com os gregos a divindade nem era a família, o pai ou mãe, na verdade eram conceitos sobre as coisas do mundo. Nunca é demais estudar as divindades gregas indo além da idéia folclorizada ofertada às crianças e à juventude.

Agora juntando gregos e as chuvas que inundam Santa Catarina. No centro de Santa Catarina como na polis grega se encontra o ser humano. Não como um solitário no centro da tormenta. Mas como uma pluralidade que entende desde muito a verdadeira natureza das águas. Então construir, reconstruir, salvar as pessoas não é uma questão isolada, é uma ação coletiva. É inaceitável que se faça este jogo liberal de deixar as pessoas ao azar da natureza e das perdas materiais. Não tem o menor sentido que cada um recomece do zero, até por que nestas circunstâncias o zero é incompatível com a própria vida.

Por isso é que muitas questões que se julgam filosóficas como o sofrimento da existência, a sobrevivência que endurece a compreensão da vida não são de fato filosóficas, mas apenas a forma como a sociedade e a economia funciona. Agora imaginemos aqueles que perderam tudo que os abriga, que viu sua casa soterrada, o fim do seu domicílio. Não tem o menor sentido serem vítimas do acaso, pois esta é uma sociedade que acumula riquezas e funciona sobre as regras da necessidade humana.

Então é uma necessidade da sociedade inteira o restabelecimento dos recursos materiais das pessoas e famílias ao seu ponto original, acrescentando novos conhecimentos para que não se exponham às certezas que temos sobre as águas.

Alguns eventos de Dezembro/2008



04 (Quarta-feira)
No Parque de Exposição Pedro Felício Cavalcante, em Crato, abertura do 5º Berro Cariri, mostra de ovinocaprinocultura. A mostra se estenderá até o domingo (dia 7). Na programação cultural do evento consta apresentações de reisados, festival de violeiros e shows com Joãozinho do Exu, Flávio Leandro,Epitácio Pessoa e Herdeiros do Rei.

06 (sábado)
Na Catedral de Nossa Senhora da Penha, em Crato, exumação dos despojos dos três primeiros bispos de Crato – Dom Quintino, Dom Francisco e Dom Vicente – seguida de Missa e sepultamento na Capela da Esperança, localizada na Sé.

07 (domingo)
– Na Igreja-Matriz de Santo Antônio, em Barbalha, às 10h30min, Missa Gratulatória pelo centenário de nascimento do líder católico e empresário caririense, Antônio Corrêa Celestino. A missa será celebrada pelo filho do Sr. Celestino, Mons. Pedro Barreto Celestino, administrador da Prelazia de Santa Cruz e Opus Dei, no Rio de Janeiro.

– Às 20h00minh, no Memorial Padre Cícero, em Juazeiro do Norte, sessão comemorativa do Centenário, com o lançamento do livro “Antonio Corrêa Celestino”. Durante o lançamento, a obra será distribuída entre os convidados.

26 (Sexta-feira)
Visita das relíquias de Santa Margarida Maria Alacoque – ora percorrendo as dioceses brasileiras – à Catedral de Nossa Senhora da Penha em Crato. O objetivo dessa peregrinação é preparar a consagração do Brasil ao Coração de Jesus, a ser feita por todos os bispos brasileiros em data a ser marcada.

SUA ESTUPIDEZ.

Para todos esses jovens já quase no limite, que por uma razão qualquer cometeram também, um dia, alguma estupidez. Por fim, para aqueles que no vigor de sua juventude assistiram numa TV preto e branco o Roberto Carlos dedilhar o violão e fazer o nosso coração explodir de alegrias que hoje nos matam de saudades.
Meu bem
Meu bem
Você tem que acreditar em mim
Ninguém pode destruir assim
Um grande amor
Não dê ouvida a maldade alheia
E creia
Sua estupidez não lhe deixa ver que eu te amo

Meu bem
Meu bem
Use a inteligência uma vez só
Quantos idiotas vivem só
Sem ter amor
E você vai ficar também sozinha
Eu sei por que
Sua estupidez não lhe deixa ver que eu te amo

Quantas vezes eu tentei falar
Que no mundo não há mais lugar
Pra quem toma decisões na vida sem pensar
Conte ao menos até tres
Se precisar conte outra vez
Mas pense outra vez
Meu bem
Meu bem
Meu bem
Eu te amo.

Meu bem
Meu bem
Sua incompreensão já é demais
Nunca vi alguém tão incapaz
De compreender
Que o meu amor é bem maior que tudo
Que existe
Mas sua estupidez não lhe deixa ver
Que eu te amo.

Roberto e Erasmo Carlos.

Desafio Jovem consegue novo sítio para atuação


Recuperação de Jovens

Clique para Ampliar

Franscisco David na mini-fazenda do Desafio Jovem, é um dos principais “troféus” (Foto: ANTÔNIO VICELMO)

Clique para Ampliar

Fac-Símile com reportagem do Diário do Nordeste mostrou a situação de dificuldade da instituição

Reportagem do Diário do Nordeste favorece apoio ao Desafio Jovem, que ameaçava encerrar trabalho no Cariri

Crato. O Desafio Jovem do Cariri, uma Organização Não Governamental (ONG) que estava na iminência de fechar, retomou suas atividades de recuperar dependentes de drogas na região com uma nova estrutura de atendimento. A direção da entidade trocou a pequena chácara, no Sítio Teotônio, ao lado da Vila São Bento, a 4km do Centro do Crato, por uma pequena fazenda, no Sítio Lagoinha, onde estão sendo desenvolvidas, além das oficinas de arte, atividades agropecuárias. O escritório de atendimento funciona agora no Centro da cidade, numa das salas oferecidas pelo Hotel Tabajara.

Neste novo espaço, com quatro casas que servem de dormitório, cozinha e salas de aula e um verdadeiro pomar de frutas, os internos criam vacas de leite, galinhas, capote, patos, bodes e cavalos. A produção da mini-fazenda é destinada à manutenção da entidade.

A área, com todas as benfeitorias e animais, foi arrendada por R$ 200 por mês. De acordo com o contrato, todos os animais que nascerem na fazenda, a partir de agora, são da contratante, isto é, do Desafio Jovem. “É um negócio de pai para filho, de quem se sensibilizou com o nosso trabalho”, diz o diretor do Desafio Jovem, Danísio Feitosa, acrescentando que, depois da reportagem publicada pelo Diário do Nordeste (Caderno Regional de 1º de agosto passado), desencadeou um movimento de ajuda e solidariedade à organização.

Hoje, o Centro de Recuperação conta com dez internos. O número de sócios aumentou. “Por enquanto, dá para manter. Mas a procura é maior do que a oferta”. Ao apresentar os números, Danísio diz que, todo dia, chega gente de várias cidades do Cariri a procura de internamentos. “Infelizmente, não temos condições de atender a todos”, lamenta. “Foi um grande desafio para uma organização que, há seis meses, estava na iminência de fechar”, comemora o diretor.

Conforme reportagem publicada pelo jornal, o contrato de aluguel da casa estava vencido. Dos 20 jovens internos que eram atendidos, restam somente dois. Um deles é o lavador de carros, Francisco Rodrigues David, que se apresentou, voluntariamente, para se livrar da dependência química.

Doação de filhos
David, ou Cabeça, como era conhecido anteriormente, tem uma história comovente. Ele chegou em Crato, com 7 anos de idade, procedente do Maranhão, com a mãe e mais sete irmãos. A absoluta falta de condições para criar a família levou a mãe a doar todos os filhos a pessoas diferentes. Cabeça foi entregue a uma família pobre do bairro da Grota.

Terminou seguindo o caminho da maioria dos meninos pobres. Foi lavar carros no meio da rua. Na convivência com outros meninos de rua, enveredou no mundo das drogas. Foi preso e abandonado pela família. “Ninguém me aceitava, nem para eu dormir à noite na calçada”, conta ele.

Terminou indo dormir no cemitério. Durante mais de dois anos, dormiu ao lado de defuntos. “Os mortos foram os únicos entes que não reclamaram de minha presença”, lembra Cabeça, acrescentando que, entre os vivos, só encontra uma pessoa que lhe estendeu a mão: Francisca Silva, titular do Cartório do 4º Ofício.

Francisca se ofereceu para levá-lo para o Desafio Jovem. Depois de passar sete meses interno naquele Centro de Recuperação, Cabeça está sendo liberado, esta semana, com outro nome e outra cabeça. É Francisco Rodrigues David, ou simplesmente, David que, segundo a Bíblia, apesar de ser o mais novo de seus sete irmãos, ele foi o “escolhido por Deus para ser ungido Rei de Israel”.

O “reinado” de David começa no próprio Desafio Jovem. Ele permanecerá no Sítio Lagoinha, agora como monitor, repassando a sua experiência de vida para os companheiros que estão chegando.

Danísio apresenta David como um dos maiores troféus do Desafio Jovem.

ANTÔNIO VICELMO
Repórter

ASSISTIDOS
10 jovens são assistidos pelo Desafio Jovem, em sua nova sede, no Sítio Teotônio, na zona rural do Crato

Mais informações:
Desafio Jovem Cariri
Sítio Lagoinha, estrada Crato, Ponta da Serra
(88) 3521.0273
(88) 9209.7859

METODOLOGIA

Auto-estima dos jovens é fortalecida no trabalho

Crato. Outro sobrevivente das drogas com passagem pelo Desafio Jovens do Crato é Diogo Cardoso, conhecido, no mundo das drogas, por “Dragão”. Ele conta que, para conseguir Crack, precisava roubar. Praticou muitos assaltos nas ruas do Crato. Diogo conta que com R$ 10,00 comprava uma pedra de crack, que era “fumada” no meio da rua, numa lata de refrigerante ou cerveja. O ex-viciado adverte que em todos os bairros do Crato, a droga é vendida abertamente. Sua salvação, segundo afirma, foi o Desafio Jovem, que abriu as portas para uma pessoa totalmente desacreditada pela sociedade.

“O objetivo maior é o de oferecer ao dependente e aos familiares elementos básicos de uma reformulação de vida, calcados nos ensinamentos da palavra de Deus, sem interferir no conceito de religiosidade de cada um. Aqui todos entram e saem com o mesmo credo”, diz Danísio Feitosa, diretor da instituição no Crato.

O trabalho, segundo afirma, é fundamentado na auto-estima e terapia ocupacional. Para isso, são realizadas palestras e oferecidas oficinas de artesanato, música, cinema, leituras bíblicas e pintura. Um dos casos mais curiosos de cura foi de um jovem pernambucano que, depois de recuperado, trouxe o pai para se livrar da dependência das drogas.

A mais envolvente forma de terapia são os depoimentos. “O crack está contaminando a juventude do Cariri. Hoje, o consumo de crack é muito maior do que o de maconha. A droga, que é um sub-produto da cocaína, é encontrada em toda esquina”, afirma Danísio, uma das vítimas das drogas. Hoje, sua missão é “salvar aqueles que estão dominados pelo vício”, tendo como suporte o Desafio Jovem, uma comunidade terapêutica que promove a recuperação de dependentes químicos com o trabalho física, mental e espiritual, por meio da Palavra de Deus.

Fonte: Jornal Diário do Nordeste

Todos os sonhos

Foto por Claude Bloc

Decidi levantar-me mais cedo. A noite fora longa e de sono inquieto. Não me adiantavam os exercícios insensatos da imaginação. De nada me serviriam. Tentei em vão domar um sentimento de ansiedade e entender, em meio ao vendaval que me desassossegava, essa minha relação com o tempo, para aceitá-lo como elo invisível de/na minha história...

Um torpor intenso ainda me afetava e me deixava presa à exterioridade do instante e ao devir das coisas inexatas. O sono ainda me obscurecia o raciocínio. Sentia-me lassa. Sustentava-me, nessa hora, de começos e tropeços imanentes sem a consciência precisa do que se passava comigo. O tempo refluía e vinha-me a quase absoluta certeza de que, naquela hora, o sentimento latente tinha apenas o poder de inaugurar os sonhos sem jamais poder consumá-los.

A ausência passava a se fazer presente ostensivamente e esse traço deixado pela saudade batia em retirada. Perguntas emergiam do meu íntimo: silêncios que nunca consegui entender. Desfilavam ali todos os sonhos expondo suas fraturas, diluindo suas fronteiras...

Todos os sonhos! – essa fonte de anseios que permanecia pulsando até a consumação de minha alma e que paradoxalmente, num pequeno lapso, se enfraquecia , desaparecia salientando as rupturas. Os sonhos representando o desejo pleno de fotografar o instante, a fantasia, a tessitura das emoções, a vontade impalpável, mas efetiva e ao mesmo tempo indomável de poder realizá-los, a possibilidade mesma do alento nesses caminhos deixados em aberto...

Sonhar nesse momento seria querer deter o tempo nas frações dos minutos e vencer o desânimo, o sono, o cansaço e seus sucessivos deslocamentos. Vencer as querelas da noite mal dormida. Extenuar-me de tanto sentimento, nessa emergência difusa de um desejo. Deixar o olhar se perder nas sendas da vida. Ter consciência de que o sonho é mais visível no alvorecer do sentimento. Sonhar e poder despertar sem sofrer.
.......................................
Texto de Claude Bloc