18 novembro 2008

O amor.......

O amor nos dá força. Por causa dele enfretamos ventos,
tempestades, perigos, lutas...... O amor nos dá
coragem para descer abismos e vigor para arrancarmos
árvores do chão. Por ele somos capazes de seguir por um
rio sobre uma simples canoa em direção ao horizonte.

Véronique Brõnte.

PROFESSOR x EDUCADOR = ENROLADOR x MANTENEDOR


Nesse regime que esta ai de pé, tudo é objeto de comércio, especulação e safadagem. O ensino a educação, os livros, nós professores, os instrumentos culturais, os locais, os jornais, os cinemas, os teatros, os esportes, nada escapa à ambição gulosa dos ganhadores de dinheiro, da mercantilização.De maneira que essa corja não pode falar em CULTURA, com letras graúdas. CULTURA!
Quase todos os anos os exploradores mudam os livros didáticos, as fardas, as taxas, as matrículas, os preços do papel, dos lápis, canetas, tudo, finalmente. E ainda inventam as "quotas" entre os alunos em compra de presentes para os diretores e mestres. Métodos de ensino, didática, rendimento escolar, freqüência, ano letivo... são outros problemas que só um regime sério poderá solucionar. De um lado temos os professores que de fato gostam do que faz e reclamam pelos baixos salários, de outro temos aqueles que por não fazerem nada deviam ter seus salários reduzidos ou expulsos do quadro de ensino. Organizar o ensino obrigatório e compulsório, fornecendo condições materiais, econômicas e práticas para enquadrar as massas nos roteiros da Ciência e da Cultura, da politização é dever do Estado, porém quem vai criar cobra para depois ser picado, este é o discurso da Elite dominante, que se vê com muita freqüência nas IES, ou realmente é verdade, ou os professores incompetentes usam-no como uma saidinha de sua incapacidade.
O Estado do Ceará é o estado que menos faz concursos públicos, e que mais se tem funcionários entrando em órgão públicos, estaduais e municipais com jeitinho, jeitinho não! Safadeza política.È inaceitável vivermos em pleno século XXI, e assistirmos de braços cruzados a volta dos cabides de emprego, onde só se penduram incompetentes, que além de roubarem o dinheiro nosso não prestam nenhum serviço de qualidade ao povo. Só querem se dar bem! È o individualismo reinando no Ceará!O homem individualista é produto da luta de classes do regime capitalista, da liberdade individual, privada; daí a guerra implacável, diária, contra o semelhante, para ver quem junta mais riqueza; mata; furta, rouba e explora, tudo faz para adquirir ou ganhar o vil metal.Tudo pode acontecer pois especialmente no Ceará há condições ou influências para isso. Há ambiente. Tudo ajuda. Hoje senta-se na mesma mesa quem, ganhou e quem perdeu. E os que balançavam suas bandeiras onde estão? Daí o atraso social e pobreza para muitos e boa vida para aqueles que são os mais práticos, seguros, ferozes, sabidos e frios, levando de roldão todos os princípios morais e teóricos de igualdade, fraternidade e liberdade. Daí as contradições, prega-se uma coisa e se faz outra; prega-se a paz e vem a guerra... È a tal dialética.
Saudações Geopolíticas!
João Ludgero - Geógrafo

CANTILENA ABORRECIDA

Postado por A. Morais
Caetano Afonso, cidadão Cedrense de grande respeitabilidade era casado com uma parenta minha, que se chamava Beleza. A família morava numa rua central da cidade do Cedro por onde passavam todos os dias vendedores de frutas, padeiros, verdureiros, etc.
Um deles, o verdureiro, utilizava para transportar seus produtos uma carroça, que era puxada pela burrinha apelidada de “beleza” e todas as manhas a cantilena era a mesma oferecendo suas hortaliças: Tomate, coentro, pimentão, cebolinha, alface, tudo fresquinho! Vai beleza! “Vambora” beleza!!!
Caetano fica aborrecido ao ouvir o nome de sua esposa em um animal e tão desrespeitosamente pronunciado, até que certo dia resolveu botar um fim na melopéia.
Amigo, quanto você quer pela burrinha?
Não é para vender, Seu Caetano!
Foram a cima e foram a baixo, ate que o animal foi comprado e logo providenciada a sua transferência para o sitio, já rebatizada de “morena”.
Alguns dias de sossego, até que novamente o silencio matinal foi quebrado pela voz apregoeira já tão conhecida de todos:
Tomate, coentro, cebolinha, pimentão: Vai “beleza” Vai égua ruim!!!
Desta vez, João Verdureiro como era conhecido, tinha comprado uma égua e colocado também o nome de beleza, pensando ele ser do agrado de seu Caetano, porque se assim não fosse, ele não teria comprado a burrinha anterior por um preço tão elevado.
Coisa de matuto!
Aqui, Ali, Alem.
Cel. Jose Ronald Brito.

A ALMA E O CORPO


A alma sente
O corpo suporta
A alma guarda
O corpo libera
A alma viaja
O corpo estaciona
A alma cura
O corpo aguarda com ansiedade
A alma vê saída
O corpo ainda procura o ingresso
A alma supera
O corpo condiciona
A alma vive
O corpo sobrevive



Andavam lado a lado em uma rua deserta a alma e o corpo, a escuridão era a única testemunha daquele encontro, o silêncio selava o pacto jamais imaginado, nem mesmo a lua, que outrora brilhava naquelas bandas, deu o ar de sua graça, talvez com receio do que poderia presenciar. Até mesmo as estrelas, provavelmente seguindo o exemplo do satélite natural da terra, a lua, achou por bem esconder-se em suas frestas. Em dado momento daquela caminhada emudecida, o corpo pergunta se a alma não esta sentido frio, essa direcionando seu olhar ao corpo responde: que frio? Não se conformando com a resposta o corpo diz: esse que me causa arrepios? Não, não sinto, rebate a alma. Um pouco mais à frente, novamente o corpo pergunta: “você esta ouvindo um ”ruído estranho“, diz então a alma:” apenas ouço o bater acelerado do seu coração “. Sem entender a reação diante àqueles estímulos naturais, o corpo inconformado, bem como com intenção de provocar a alma, avisa que esta assustado, pois vê “vultos” em todos os cantos, e aquilo o preocupa.A alma, demonstrando a sabedoria de um mestre, esclarece: “ não vejo vultos, não ouço ruídos, não sinto frio, percebo sim as emoções, sinto sua energia, carrego sua esperança, abraço a oportunidade, procuro a felicidade, desejo o amor, trabalho ao lado da compaixão, busco incessantemente a vida ”. O corpo então se aquietou, juntou-se a alma, aprendeu com ela, e até hoje freqüenta as noites solitárias com a esperança de encontrá-la novamente , e dizer-lhe o quanto é grato.

Texto: Luiz Claudio Brito de Lima

O Diário de um Espírito estréia no Cariri


BEZERRA DE MENEZES

Clique para Ampliar

Movimentação na bilheteria do cinema do Shopping Cariri, em Juazeiro do Norte, para a compra do ingresso do filme sobre o cearense Bezerra de Menezes (Foto: ANTÔNIO VICELMO)

Em cartaz até o fim do mês, no cinema do Shopping Cariri, o filme sobre Bezerra de Menezes emocionou os caririenses

Juazeiro do Norte. Um filme marcado pela emoção. A história de um médico que doou o próprio anel de formatura para salvar uma criança doente, uma mensagem de vida fundamentada na caridade. Estas foram as opiniões dos caririenses que assistiram a estréia, na última sexta, do longa-metragem “Bezerra de Menezes: o Diário de um Espírito”, no cinema do Shopping Cariri, em Juazeiro. O filme permanecerá em carta até o fim do mês. Dirigido pelos cineastas cearenses Glauber Filho e Joe Pimentel, tem em seu elenco nomes como Carlos Vereza, que interpreta o papel principal, Lúcio Mauro e Ana Rosa.

O radialista João Carlos Barbosa, que fez a divulgação do filme, saiu da sala de projeção emocionado. Ele ressalta que o filme não é contra nenhuma religião. Ao contrário, é uma lição de vida contra o preconceito, um discriminação que começa em casa, quando a família não aceita a sua opção religiosa, pela Faculdade Imperial de Medicina do Rio de Janeiro, onde os colegas demonstram certa intolerância contra os nordestinos e a própria Igreja Católica ao afirmar que não existe salvação fora dela.

“Ao apresentar a caridade como uma doação afetiva, desinteressada, espontânea, o filme nos leva a uma reflexão sobre o relacionamento humano”, diz a estudante Magally Moreno, acrescentando, por outro lado, que o filme possibilita uma discussão sobre o conceito de religião.

Na mesma linha de pensamento, o estudante Isaac Macedo entende que o preconceito é um entrave do desenvolvimento e do relacionamento da humanidade. “É uma arma que dói, perfura, maltrata. O filme nos leva a fazer uma reflexão sobre a vida de um cearense que venceu todos os preconceitos e se tornou um dos maiores médicos do Brasil”.

Ele destaca também os assuntos regionais abordados no filme. O longa-metragem realiza uma fiel reconstituição da época em que viveu o médico, desde o seu nascimento, em 1831, na localidade de Riacho do Sangue, hoje, município de Jaguaretama, interior do Ceará, até sua morte.

Na primeira fase do filme, o universo sertanejo permeia a trama, mostrando um cenário bem cearense. Aos 18 anos, o protagonista inicia no Rio de Janeiro os estudos de Medicina. Lá, elegeu-se vereador e deputado em várias legislaturas e defendeu idéias abolicionistas. Mas o que lhe trouxe maior reconhecimento foi o trabalho anônimo realizado em prol dos desfavorecidos. Por isso, ficou conhecido como “Médico dos Pobres”. Seja como político devotado às causas humanitárias ou como médico que jamais negou socorro a quem o procurou Bezerra de Menezes se tornou exemplo de homem e sua história foi marcada de amor.

ENQUETE
Qual a sua opinião sobre o filme?

Isaac Macedo
Estudante
O longa-metragem realiza uma fiel reconstituição da época em que viveu o médico, um herói cearense.

Magally Moreno
Estudante
O filme nos leva a uma reflexão sobre o relacionamento humano, possibilita uma discussão sobre religião.

João Carlos Barbosa
Radialista
O filme não é contra nenhuma religião. Ao contrário, é, sim, uma lição de vida contra o preconceito.

Mais informações:
Cine Cariri: Av. Pe. Cícero, 2555, Shopping Cariri: (88) 3572.9333
Horário: 15h15, 16h55, 18h20 e 20h15
Ingresso: R$ 8,00 e R$ 6,00

Reportagem: Antonio Vicelmo
Fonte: Jornal Diário do Nordeste
.

Atenção Todos os Autores e Artistas do Cariri

Tive uma idéia que acho muito boa, baseada numa foto que a Socorro Moreira gentilmente me passou: Que tal se a gente fizesse uma foto histórica com a maioria das pessoas ligadas à Arte e Cultura do nosso tempo ? Marcaríamos a data com antecedência, tipo daqui a 2 ou 3 meses. Se tiver muita gente, faremos em grupos, 3 fotos por exemplo.
Já estão no convite os poetas, escritores e músicos: Dihelson Mendonça, Socorro Moreira, Luiz C. Salatiel, Pachelly Jamacaru, Abidoral, Zé Flávio, Lupeu, Calazans, Marcos Leonel, Carlos Rafael, Armando Rafael, Domingos Sávio, Domingos Barroso, e quem mais artistas do nosso tempo aparecerem...

Vamos fazer uma foto histórica, tipo essa aqui: ( Clique na foto para ampliar )


E então, marcamos para qual data ????
Aguardo sugestões...

Abraços,

Dihelson Mendonça