16 outubro 2008

Grandes personagens da nossa história


(matéria publicada no jornal O POVO, de Fortaleza, edição de 29/12/1994)


1994 é o ano do bicentenário de José Martiniano de Alencar



Há dois séculos nascia uma personalidade que marcou por 50 anos a política local e nacional. Filho da revolucionária Bárbara de Alencar e pai do consagrado autor de “Iracema”, José Martiniano de Alencar era republicano e, já aos 23 anos, foi um dos responsáveis pelo movimento que proclamou no Crato um governo revolucionário.
Tão marcante quanto controvertida, a figura pública de José Martiniano de Alencar deixa dúvidas para a posteridade. É acusado de ter sido covarde – teria negado no seu julgamento a participação no movimento do Crato, imputando a seu irmão Tristão Gonçalves todo o erro. Já o seu sobrinho, o conselheiro Tristão Araripe, em artigo publicado no “Diário de Pernambuco”, afirma que Alencar contestou a utilidade do movimento “ponderando os perigos do desmembramento do Império e da aceitação do princípio democrático puro”, mas convencido pelo irmão tomou parte na revolução e jamais negou a autoria dos próprios atos. Segundo essa versão, o acusado foi absolvido por pessoas influentes na política da época que lhe reconheceram a moderação e os serviços prestados à causa pública como deputado constituinte.
Controvérsias à parte, José Martiniano de Alencar conseguiu de alguma forma voltar às boas com o poder político da época já em agosto de 1834 é o nomeado o sétimo presidente do Ceará e em 1841 assume cadeira no Senado. Nessa época, apresentou um projeto que foi motivo de grande polêmica. Queria dividir o Ceará e criar nova província, o “Cariri Novo”, mas segundo o historiador José Aurélio Saraiva Câmara o verdadeiro objetivo era diminuir a zona de ação dos seus adversários e implantar um império próprio no Sul da província. Nomeado novamente presidente do Ceará, esquece o projeto – não tinha interesse de dividir a província e diminuir seu poder. Quando destituído da presidência do Ceará, em 1837, José Martiniano de Alencar segue com a família para o Rio de Janeiro, onde morre 23 anos depois, aos 65 anos, vítima provavelmente de infecção tifóide.

Geraldo Junior e Os Temporais no Rio de Janeiro

Oi pessoal!
Estamos chegando ao fim do ciclo de apresentações do show de lançamento do nosso CD "Calendário (O Tempo e o Vento)" Esta será uma das ultimas apresentações desse formato de nosso trabalho! Muitas novidades vos esperam! Novas canções, instrumentações, interpretações...
Convidamos todos a se fazer presentes amanhã, dia 17, ao meio dia na Livraria Saraiva da Rua do Ouvidor no Centro. Pra quem não sabe o show é gratuito e estamos aqui no Rio com a banda bendizer completa!
Geraldo Junior, Ranier Oliveira, Flauberto Gomes, Beto Oliveira e Francisco Gomide!

Estaremos vendendo o CD por lá! E pra os que não sabem, lembrem-se que o CD está totalmente disponível pra ser baixado em nosso site: www.geraldojunior.com.br
Lá vocês podem acompanhar nossa agenda e saber das novidades de nosso trabalho!

Abraços,

Geraldo Junior e Os Temporais.

DATAS COMEMORATIVAS


DIA DE SANTA EDWIGES
DIA MUNDIAL DA ALIMENTAÇÃO
DIA DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA

Ó Santa Edwiges, vós que na terra fostes o
amparo dos pobres,a ajuda dos desvalidos e
o socorro dos endividados, e no Céu agora
desfrutais do eterno prêmio da caridade que
em vida praticastes , suplicante te peço que
sejais minha advogada, para que eu obtenha
de Deus o auxílio de que urgentemente ne-
cessito. Alcançai-me também
a suprema graça da salvação eterna.
Santa Edwiges, rogai por nós. Amém.


Hoje rendemos homenagens a três eventos de fundamental importância. Primeiro a nossa querida SANTA EDWIGES, sabemos que essa devota nasceu em 1174 na Alemanha, filha de nobres, criada e educada em ambiente de luxo e riqueza, o que não fora óbice a que vivesse com humildade. Encontrou na vida o seu maior amor: Deus e servir ao próximo. Dessa forma, Santa Edwiges, dedicou-se única e exclusivamente aos mais necessitados, daí ser considerada a Padroeira dos pobres e endividados e protetora das famílias.

Temos nessa data também o “DIA MUNDIAL DA ALIMENTAÇÃO”, data essa que infelizmente comemoramos com algumas restrições, pois é sabido que a fome e a miséria assola boa parte do mundo, em nosso Brasil não é muito diferente.

Segundo o diretor da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), Jacques Diouf, o número de pessoas com fome no mundo subiu de 850 milhões para 925 milhões no ano passado. Entende o diretor que a culpa dessa fome , é da alta dos preços dos alimentos (notícia divulgada no site www.portaldomeioambiente.org.br). Fato é que a cada dia que passa uma quantidade inimaginável – que não entra nas estatísticas dos órgãos oficiais – morrem, desnutridas, carecendo de uma alimentação de qualidade, ou até, de uma simples refeição. Quando falamos da fome tendemos a pensar que um simples prato de “arroz e feijão” seria o ideal para manter o ser humano nutrido, entretanto, sabemos que a alimentação inadequada, sem nenhuma qualidade, além de não atender aos princípios nutricionais, muitas vezes matam, é parece uma contradição, porém não é, afinal a quantidade de pessoas que morrem todo ano em função de problemas decorrentes de uma alimentação ineficaz é imensa, complicações como problemas cardíacos, por exemplo, tudo em função do que se ingere durante boa parte da vida.

Por ultimo comemora-se o “DIA DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA”, oficio esse que pode nos ajudar a resolver a questão acima, basta empenho e decisão política, afinal temos aqui excelentes cientistas, bem como farto campo para desenvolver, necessário só a vontade humana.

Quem nos dera Santa Edwiges aqui conosco, provavelmente estivesse decepcionada com a escalada da fome e miséria, entretanto, sem sombra de dúvida estaria buscando formas de amenizar a situação, vamos então orar para que interceda por nos junto ao nosso Pai, e quem sabe, iluminar os nossos governantes a dar pão a quem tem fome, água a quem tem sede e lucidez a quem não tem.

A crise e o Brasil


(Matéria da "Folha de S.Paulo")
15/10/2008 - 21h06
Empresas brasileiras perdem US$ 89,5 bilhões em um dia, diz consultoria
da Folha Online
Levantamento realizado pela consultoria Economática aponta que as empresas brasileiras perderam US$ 89,5 bilhões em valor de mercado em um dia, de ontem para hoje (15). O estudo considera 294 empresas.

Entenda como a crise dos EUA afeta o Brasil
Segundo a consultoria, no dia 14 as companhias somavam valor de mercado de US$ 691,261 bilhões. Nesta quarta elas fecharam em US$ 601,663 bilhões
Nos Estados Unidos, ainda segundo o levantamento da Economática, o valor de mercado de 1.237 empresas norte americanas estudadas caíram US$ 990 bilhões em um dia. A soma caiu de US$ 10,959 trilhões para US$ 9,968 trilhões.
As três maiores quedas entre empresas americanas e brasileiras são do setor de petróleo e gás. A Exxon Móbil tem a maior queda individual de valor de mercado já que hoje perdeu US$ 52,5 bilhões, a segunda maior queda é o da Petrobras com US$ 21,4 bilhões e a terceira é a Chevron com perda de valor de US$ 17,5 bilhões.
A Vale do Rio Doce aparece em sexto no ranking entre americanas e brasileiras com queda de US$ 15,4 bilhões em seu valor de mercado.
Bovespa
A Bovespa (Bolsa de Valores de São Paulo) estendeu seu pregão por meia hora e amargou perdas de 11,39%, a maior queda desde 10 de setembro de 1998. O câmbio disparou, e após uma pesada ação do Banco Central, fechou a R$ 2,16.
Os investidores tiveram um alívio apenas momentâneo com as medidas trilionárias para resgatar o sistema financeiro. Hoje, o foco se concentrou sobre a "economia real": a perspectiva de que as economias centrais entrem em recessão, com repercussões sobre o restante do planeta.
A Bolsa brasileira acionou novamente o "circuit breaker", às 14h24, interrompendo o pregão por meia hora. O intervalo não foi suficiente para os investidores se acalmarem: o índice Ibovespa continua a sinalizar quedas cada vez maiores e no pior momento do dia, apontou uma retração de 14,72%.
Na Bolsa brasileira, as ações líderes, Vale e Petrobras, tiveram baixas na casa dos dois dígitos, de 15,16% e 12,08%, respectivamente.


Seminário destaca valor científico do Geopark

Clique para Ampliar

Experiências observadas em Geoparks sediados em outros países foram apresentadas ontem durante seminário com autoridades e pesquisadores (Foto: Elizângela Santos)

Mais um passo para valorização do Geopark Araripe foi dado ontem durante seminário realizado em Juazeiro

Juazeiro do Norte. Um trabalho de sensibilização junto às autoridades e sociedade começa a ser feito para o real reconhecimento do valor científico e do potencial turístico do projeto Geopark Araripe. Ontem, mais um passo foi dado no sentido de socializar as primeiras idéias relacionadas à estruturação do Geopark, por meio do seminário “Diálogos sobre o Geopark Araripe: o que podemos aprender com experiências internacionais”. Durante o evento, o secretário das Cidades do Estado, Joaquim Cartaxo, anunciou a realização, no próximo mês de novembro, nos dias 13 e 14, do Seminário Internacional de Geoparks, em Fortaleza e, em 2009, da I Conferência Panamericana de Geopark, no Cariri.

Ele destacou a importância de ser o Geopark Araripe um impulsionador de novos projetos dessa natureza nas Américas, iniciando a partir do Ceará uma rede panamericana de Geoparks. O seminário teve como objetivo apresentar os resultados da missão do Governo do Estado na 3ª Conferência Internacional dos Geoparks, realizada na Alemanha, e das visitas técnicas feitas aos Geoparks Naturtejo (em Portugal), Terra Vita e Bergstrasse-Odenwald (na Alemanha).

Um dos pontos salientados pela consultora do Banco Mundial (Bird), Mônica Amorim, foi a semelhança do Geopark Naturtejo com alguns locais do Araripe, destacando a sua importância em termos de aproveitamento do potencial turístico e a paisagem que, segundo ela, não deixa a desejar ao português. Vários pontos foram expostos, por meio de fotografias, de como são aproveitadas as potencialidades dessas localidades, principalmente na parte logística, com envolvimento da cultura e do meio ambiente, gastronomia local, comércio de souvenirs e a própria identidade das localidades.

Um dos motivos da Unesco em atuar com os Geoparks é promover principalmente a educação e conservação desses ambientes, segundo a consultora do Banco Mundial. Para isso, ela destaca o envolvimento das comunidades e a assimilação da idéia de representatividade do projeto. Alguns trabalhos realizados por moradores de Portugal, voltados para o artesanato, foram apresentados. A própria concepção de cada peça promove a identificação com o Geopark, além de hotéis e restaurantes que se agregam.

A sede do projeto do Geopark Araripe será construída no Crato, à Rua Carolino Sucupira, no Pimenta. Para isso, serão investidos em torno de R$ 700 mil, por meio de uma parceria do Governo do Estado e Governo Federal/ Ministério da Integração Nacional. A subsecretária da Ciência e Tecnologia do Estado (Secitece), Tereza Mota, ressaltou a importância do envolvimento da Universidade Regional do Cariri (Urca), por ter sido a principal responsável pela criação do projeto.

Conforme a subsecretária, é de fundamental importância que o trabalho seja internalizado e potencializado por aqueles que fazem a instituição, inclusive por meio de áreas como Biologia, História, Geografia e Direito. Ela destaca o papel de pesquisadores da própria região, que hoje tem reconhecimento internacional.

Melhoria de infra-estrutura

O prefeito do Crato, Samuel Araripe, destaca a importância do turismo, mas lembra da necessidade de possibilitar melhor infra-estrutura para a região, a exemplo de melhorias no Aeroporto Regional. Ele ressalta o Programa Cidades do Ceará, para que esse trabalho se desenvolva em torno do Geopark. “Com esse projeto, o Cariri passará a ser uma região conhecida internacionalmente”, aposta o gestor.

O reitor da Urca, Plácido Cidade Nuvens, teve como tema de abordagem “Geopark Araripe e os Desafios para o Futuro”. “Mas esse não é um desafio para o futuro, e sim do presente”, disse ao iniciar sua fala. Ele destacou os 20 anos de luta em torno do assunto. De acordo com Plácido Cidade, o projeto só tem sentido se tiver algum benefício para a população.

“O Geopark é um discurso que tem um traço de articulação institucional, que irá colocar a região numa dinâmica nova, ensejando melhores condições de vida para as pessoas”, enfatiza o reitor.

O que eles pensam
Projeto vai mudar perfil da região

O projeto apresentado pela Secretaria das Cidades tem um impacto imenso na região. São os desdobramentos para impulsionar a economia local. As áreas de educação e conservação são os principais elementos que inspiram a Unesco dentro dos programas de Geoparks. A educação é muito valorizada, por isso é importante instruir as pessoas do local. Sensibilizar os moradores para mostrar que a região tem um valor, considerando o geoturismo, a cultura local, a paisagem.

Mônica Amorim
Consultora do Bando Mundial

Esse projeto é de interesse de todos e vai mudar a nossa condição cultural e social, além da área do meio ambiente. Os trabalhos têm demorado na sua elaboração, mas entendo que não vai faltar empenho do governo. É importante também a melhoria da qualidade de vida da população. Que esse momento do seminário seja bastante proveitoso, no sentido de lançar novas idéias. De nossa parte apoiaremos o projeto até o mês de janeiro e passaremos para outras atividades.

Raimundo Macedo
Prefeito de Juazeiro


Mais informações:
Secretaria das Cidades, Centro Administrativo Governador Virgílio Távora, Edifício Seplan, Cambeba, Fortaleza (CE)
(85) 3101.4448

ELIZÂNGELA SANTOS
Repórter
Fonte: Jornal Diário do Nordeste

Preservação de patrimônio - Ambientalistas temem fim do Sítio Fundão

Clique para Ampliar

Estudantes participam de manifestação em prol da preservação do Sítio Fundão, ameaçado de ser destruído pela degradação (Foto: Antônio Vicelmo)

Crato. Ambientalistas do Crato assinaram um documento que será entregue ao Governo do Estado, advertindo que, se não for montada uma estrutura de fiscalização, o Parque Ecológico do Fundão, recentemente comprado pelo Governo, será destruído. Com a desocupação da única casa construída na área de 100 hectares, o sítio ficou venerável às invasões. O ofício adverte que o escritório local da Superintendência do Meio Ambiente (Semace), não dispõe de infra-estrutura para uma fiscalização eficiente.

O chefe do escritório da Semace no Crato, João Joça Melo, garantiu, no entanto, que a situação está sob controle. Os carros da Semace vão diariamente ao sítio com a finalidade de fiscalizar, mas admite que o problema só deve ser solucionado quando a área for cercada. “Vamos começar do zero. O governo está licitando a cerca do terreno”, disse.

Para o professor de História Eldinho Pereira, “apesar de toda a mobilização sócio-ambiental e popular verificada no transcorrer de 2007, e também, do Decreto Estadual nº 29.179 de 8 de fevereiro deste ano, o Parque Estadual Sítio Fundão continua sob ameaça de devastação”. Ele lembra que, nos últimos oito meses, as atenções voltaram-se para a compra do exuberante Sítio Fundão pelo governo estadual e para a formação de uma equipe gestora que ainda não é conhecida.

Em uma época de incêndios, nem sempre ocasionais, aumentam os riscos de fogo no local. A Semace, segundo Edinho, não dispõe de estrutura suficiente e o Corpo de Bombeiros encontra-se sucateado. “Pelo que ouvimos, o Plano Diretor da cidade não prioriza o sítio e, por último, as pessoas entram na área para retirar madeira de forma ilegal. Se algo não for feito logo, todo o trabalho realizado por estudantes, professores, ambientalistas e lideranças locais irá abaixo”.

O Sítio Fundão será transformado em área de proteção ambiental pela Procuradoria do Patrimônio e do Meio Ambiente do Estado. O Decreto nº 29.179 de 8 de fevereiro deste ano prevê a criação do Parque Estadual do Sítio Fundão, a ser definida como Unidade de Proteção Integral. Publicado no Diário Oficial do Estado, em 11 de fevereiro, o decreto resultou da exposição de motivo da assessoria técnica do Conselho de Políticas e Gestão do Meio Ambiente, que destacou a importância de preservar-se a área a qual apresenta rica biodiversidade e mata nativa, inclusive espécies remanescentes da Mata Atlântica. O Fundão está localizado no sopé da Serra do Araripe, a 3km do Crato, e foi, até este ano, uma propriedade privada. Palco de um inestimável valor cultural, a região preserva o único engenho secular movido à tração animal, resquício da ocupação canavieira, e do sobrado de taipa.

FIQUE POR DENTRO

Degradação ecológica pode ser evitada

A criação do Parque Ecológico do Fundão tem a possibilidade de evitar os problemas constantes de depredação ecológica, resultado da falta de recursos de seus herdeiros para cuidarem sozinhos de uma área de mais de 100 hectares. Agora, sob o domínio público, a situação tende a melhorar consideravelmente, preservando a fauna e a flora, além dos recursos hídricos do lugar. O Sítio Fundão foi preservado graças à consciência ecológica de seu antigo proprietário, Jéferson de Franca Alencar. Enquanto vivo, Jéferson não permitiu, em momento algum, a sua degradação. Hoje, com o crescimento da violência, os herdeiros perderam o controle da reserva, que vem sendo utilizada como ponto de encontro de viciados em drogas. A área já foi atingida por incêndios, que tiveram parte do local comprometido.

ANTÔNIO VICELMO
Repórter


Mais informações:
Semace - Crato
(88) 3102.1288
APA do Araripe
Praça do Colégio Estadual
(88) 3521.5138

Reportagem:
Antonio Vicelmo
Fonte: Jornal Diário do Nordeste
.

Olhar - Casa das Artes - Programação da Semana



Esses são os dois eventos que estão acontecendo nesta semana aqui no OLhar- Casa das Artes. O de voz violão e percussão, que acontece hoje, são de dois garotos novos, um com 12 e outro com 13 anos que estão começando a pouco tempo na vida artística! Eles trabalham tbém com teatro, no momento estão com o espetáculo Pimpão, o Palhaço Trapalhão, com Direção Franciólli Luciano, assisti a peça e é bem interessante.

A Noite do Vinil é com o Discotecário Sérgio, ele esteve aqui fazendo um teste e foi bem aceito pelo público!

Enviado por: Rogério Silva
.

SESC Crato Divulga - Sonora Brasil (Quarteto de Sopros da Amazônia)