11 outubro 2008

Mostra Coletiva COMUNICATIVISMO 2008



Artistas, poetas, músicos, designer, gráficos, dançarinos, órgãos e grupos simpatizantes à temática.

O propósito desta Mostra é unificar em um único espaço físico (a ser determinado) a criação artística dos participantes em que a difusão e manifestação da obra apresentada tenham em comum a representação correspondente à seguinte temática “COMUNICAÇÃO + ACÃO”.

ComunicAtivismo
O titulo da coletiva ComunicAtivismo: é a soma da transmissão de mensagem com relação à ação. Embora
a exposição de uma obra expresse simbolicamente a mensagem a ser apresentada. O ato corresponde ao
seu resultado final.
Nas artes plásticas a comunicação habitualmente é representada através de símbolos, nos livros e na
poesia pelas palavras escritas, na musica através do ritmo e das vibrações sonoras, na dança
através do movimento e do tato. Mas o que corresponde à criação de uma obra é a integração ativa do
indivíduo ou grupo no espaço circundante.
O propósito é que os inscritos tenham uma participação expositiva nas atividades, que haja tendência
a cientificar com energia. Transmitir com dinamismo a informação, expandindo afabilidade, franqueza
no recado. Interligando os simpatizantes a ativação de um quociente, seja este intelectivo ou emotivo.
Existem inúmeros modos, meios e métodos para se comunicar.
E para atuar: - O ato!!


Para as Artes Plásticas é preferível apresentar a própria arte com analogia ao titulo, imagem, texto ou conceituação ao o tema estabelecido “COMUNICAÇÃO + AÇÃO”.

Para as ARTES PLÁSTICAS Só serão aceitas inscrições de obras inéditas, produzidas a partir de 2007.
Repasse este convite para os seus amigo(a)(s) artistas, poetas, músicos, gráficos, dançarinos, orgãos e grupos simpatizantes à temática.
Para tirar dúvidas envie e-mail ao grupo.dada@hotmail.com
Informações (085) 3273 4154 – 9918 2822 Marcos Pacoli

A rotina



.:.
– Ei, acorde! Já são cinco horas da manhã.

– Agora não. Espere um pouco. Ainda está cedo. Está escuro, não vê?

– Que droga! Vou chegar atrasado novamente. Todo dia a mesma coisa, a mesma chateação. Você não sabe que tenho aula às sete horas!? Como podemos estar tão próximos e termos atitudes tão diferentes agora? Até quando essas disparidades perdurarão? Até que ponto essas divergências serão suportadas? Tenho pressa em demasia e preciso aproveitar as maravilhas da vida. Tenho aspirações, sonhos; será que você nunca perceberá isso?

– Chegue atrasado hoje! Estou com sono.

– ...

– ...

– Ei, acorde! Já são cinco e vinte.

– Ah, meu Deus! Que homem chato!

– Você só aprenderá a se levantar no horário quando eu for sozinho, no dia que deixar você aqui para ir de ônibus depois!

– Tá bom. Vou acordar a Laryssa.

– ...

– Não! Não! Não!

– Acorde, menina! Tá na hora de ir ao colégio, vamos!

– Não! Não! Não!

– Ela vai estudar, vai brincar, vai pintar. Como é o nome da tua tia?

– Não é tia. É professora.

– Olha, papai! Ela vai tomar o mingauzinho dela.

– Não! Não! Não!

– Tome o mingau, Laryssa! Todo dia é a mesma coisa! Tome se não você vai apanhar!

– Não quero. Olha aí, papai, ela. Olha aí!

– Tome o mingau Laryssa!

– Cadê o meu...

– Vai fazer a menina engolir a força, vai? Se ela não quer tomar, não dê.

– Vai tomar, sim.

.....................................................................................


– Como ela tá bonita com a roupinha do Colégio! Ela vai ao colégio, papai.

– Vou aprender o bê-á-bá!

– Estou descendo.

– Não vai levar o celular, não?

– Pegue pra mim.

– Pegue você!... Não sou sua empregada, não! Quando você deixará de me ver apenas como mera porta-esquecimento? Só me aborda para cobrar, mostrar meus defeitos.

– Não te falei que o trânsito neste horário é horrível. Se demorar dez minutos além do horário já se pega um engarrafamento tremendo. Até as 6h20min é rápido... Depois disso... Você sempre está perdida no tempo. Parece que não vê as mudanças ocorrerem. Será que nunca caminharemos num mesmo ritmo, buscando as mesmas realizações?

– Por que não me chamou cedo, ora mais? Só sabe reclamar.

– Eu te chamei às cinco horas.

– Chamou, mas ficou deitado. Eu fiquei esperando você levantar. Não venha botar a culpa em mim, não.

– ...

– ...

– Tchau. A bênção do papai, Laryssinha.

– A bênção.

– É com a outra mão. Que Deus te abençoe.

Ao anoitecer.

– Chegou atrasado?

– Não.

– Não falei. Não sei o porquê de tanta pressa.

E mais uma noite se passa. No dia seguinte:

– Ei, Acorde! Já são cinco horas da manhã.

Nijair Araújo Pinto – Maj QOBM

Do meu livro ‘Crônicas e mais um conto.’

Meu pensamento do dia:
Não saber inspira dúvidas. Quem duvida teme... E o medo é um dos impulsionadores do fracasso. (Nijair)