26 setembro 2008

Texto Interessante - Thomas Edison - Um exemplo de Otimismo.

Um exemplo de que não devemos desistir nunca de nossos Sonhos:


Um exemplo de Otimismo foi demonstrado por thomas Edison, o gênio inventor e um inveterado Otimista, pela forma como reagiu a um aparente grande infortúnio. Numa noite de 1914,seu laboratório, que valia mais de US$ 2 milhões na época e não estava no seguro, começou a se incendiar, com todos os preciosos registros de Edison em seu interior.

No auge do incêndio, enquanto os bombeiros tentavam apagar o fogo, charles, filho de Edison, freneticamente procurava o Pai, que tinha o hábito de trabalhar até tarde da noite. Aliviado, ele encontrou Edison fora do laboratório, fitando serenamente a cena. O Semblante de seu pai refletia o brilho das chamas e seus cabelos grisalhos esvoaçavam ao sabor da leve brisa. Charles sentiu um aperto no coração vendo o pai, com 67 anos, testemunhar o trabalho de toda uma vida ser consumido pelas cinzas.

Após horas de silêncio. Edison disse a seu filho:
“Existe um grande valor num desastre como este. Todos os nossos erros são queimados. Graças a Deus e podemos começar tudo de novo”.

E Edison, de fato, começou de novo. Até o incêndio ele tinha passado três anos tentando inventar o toca discos.

Três semanas após o desastre ele conseguiu

Dihelson Mendonça
.

PADRE CÍCERO E SEUS ROMEIROS



Renato Casimiro (*)

A história é bem conhecida: Na igreja do Joazeiro do Cariry, na madrugada do dia 06.03.1889, uma hóstia dada em comunhão à devota Maria Magdalena do Espírito Santo de Araújo, transformava-se em sangue. Para muitos que se debruçaram sobre este episódio, aí reside o ato fundante da extensa relação do Pe. Cícero Romão Baptista com os romeiros nordestinos. Entre o instante seguinte, o da instauração do Inquérito respectivo, instruído pelo diocesano do Ceará, onde até se ousou dizer, da cátedra do Seminário da Prainha, “N.S.J.C. não deixaria a Europa para operar milagre no miserável lugar do Joaseiro” e a presente data, os fatos foram revistos com muita pesquisa e reflexão, para superar os enfoques enviesados, partidos sobretudo de uma produção pretensamente intelectual, polarizada naquilo que já se convencionara sistematizar em “escola do contra” e a “escola pró”.
Diante desta segregação, de pólos impiedosos e benevolentes, a Academia descobriu as razões e os caminhos que tornaram Pe. Cícero e as romarias de Juazeiro objetos preciosos de projetos de pesquisas, com os quais, mergulhando nestes fatos marcantes da trajetória do patriarca e seu povo, foram escritas muitas monografias, dissertações e teses que enriquecem este acervo analítico, por óticas de historiadores, sociólogos, teólogos, filósofos, antropólogos e vasta pluralidade de olhares e saberes. É neste contexto atualizado que desembarcamos por estes dias no emblemático território do Seminário da Prainha, para repensar conceitos de Milagre, Martírio, Protagonismo da Tradição Religiosa Popular de Juazeiro, centrados nas figuras proeminentes deste trajeto histórico: Pe. Cícero, beata Maria de Araújo, Romeiros e Romarias. Juazeiro do Norte, em quase cem anos de existência, é um grande centro de romarias deste país.
Não há dúvida qualquer em aceitar o quanto este fenômeno encerra de repercussão local de grande alcance, religioso, social e econômico, com extensão para toda a nação romeira espalhada por território nordestino. Daí porque é necessário conhecê-lo, captar suas lições, pois esta conjuntura não se dissocia de outras realidades do povo sertanejo. Vivemos tempos de uma assimilação gradual que o conhecimento e a pesquisa permitiram, a ponto de ensejar um novo posicionamento da Igreja, a mesma que seguidamente transforma a condição da igreja-matriz a Santuário Diocesano, para, há pouco, elevá-la à dignidade de Basílica Menor, e que deverá, na ansiedade do seu povo, reconhecê-lo, pela grandeza de sua obra.
É bem verdade que muitos ainda insistem nas respostas mais simples a questões de grande complexidade: Pe. Cícero – Santo ou fanatizador? Líder popular ou coronel? Missionário ou embusteiro? O beato ou milionário explorador? Reduzir estas questões a respostas mais simples é ato temerário. Felizmente, continuam sendo abertos extensos documentários, então guardados a muitas chaves, especialmente as da prevenção e de tudo mais que importava sepultar esta realidade que a própria Igreja não pôde conter. Cometeu-se, pastoralmente, um grande equívoco, uma omissão que se procura corrigir pelos esclarecimentos e contribuições de estudos e pesquisas. Nada nos custa acreditar que o romeiro do Pe. Cícero vai, seguidas vezes ao Juazeiro para se encontrar e se confessar com o seu santo. Conversa de padrinho e afilhado. Isto é grandioso. Tudo mais é menor.

(*) Renato Casimiro é professor aposentado da UFC, pesquisador e memorialista.
Publicado no jornal "O POVO", edição de 27-09-2008

AS BODAS DE CANÁ - Carlos Eduardo Esmeraldo

Por que as pessoas casam? Eu e Magali fazemos esta pergunta sempre que encontramos um casal de noivos se preparando para o casamento. E todos respondem mais ou menos a mesma coisa: “vamos casar para sermos felizes.” A única resposta destoante foi a de um jovem mecânico do Crato, no final da década de 1980, que disse que já tinha um emprego, uma casinha e precisava ter uma mulher para preparar seu almoço, lavar e passar sua roupa... Mas esse não desejava uma esposa. Seria mais prático conseguir uma empregada. Afinal, por que as pessoas casam? Acredito que não existe uma instituição mais censurada que o casamento. São críticas e sátiras nas novelas e no cinema, piadas de todos os gêneros, até em pára-choque de caminhão. Apesar de tudo isso, todo mundo ou já casou pelo menos uma vez ou pensa em um dia fazê-lo. Se por acaso alguém fica viúvo, volta a casar novamente, às vezes até com a irmã da falecida esposa, como ocorreu há mais de um século com um dos meus bisavôs e recentemente com um grande amigo meu. Se há uma separação, arranja-se imediatamente um novo casamento, talvez pela terceira ou quarta vez. Então por que é que duas pessoas se casam? Para viverem juntas o plano de felicidade que Deus preparou para cada ser humano. Deus nos criou exclusivamente para sermos felizes. O casamento é, portanto, uma instituição do direito natural, que existe desde que o mundo é mundo. Diz o livro do Gênesis que Deus ao ver que o homem não era feliz sozinho, deu-lhe uma auxiliar que lhe fosse semelhante. “Por isso o homem deixará pai e mãe para e se unir à sua mulher; e os dois serão uma só carne.” (Gn. 2, 24). Esta mensagem bíblica quer nos dizer que a união entre um homem e uma mulher se baseia na existência de um amor tão forte, capaz de se sobrepor aos laços de ternura e aconchego com os pais, deixando o casal com inteira liberdade para se entregar um ao outro e, juntos construírem uma nova família. O casamento é, pois, uma aliança de companheirismo e de crescimento no amor de um homem e uma mulher. Para nós, cristãos, é uma instituição natural, transformada num sacramento, para que as graças de Deus sejam derramadas em abundância sobre a família.
A pessoa humana, apesar de se considerar completa, é insuficiente em si mesma. Todos nós temos necessidade de expandir nossa personalidade, de nos relacionarmos com nossos semelhantes, não podendo, por natureza vivermos isolados, como tão bem disse o imortal Tom Jobim em uma de suas belíssimas canções: “É impossível ser feliz sozinho”. Por isso, no casamento, duas pessoas de sexos opostos se casam para que um procure constantemente fazer o outro feliz e deste modo obter a própria felicidade por acréscimo...
Entre as principais finalidades do casamento podemos destacar: o amor afetivo, a relação sexual, a procriação e formação dos filhos. Através de todos os componentes do amor conjugal, entre eles: a atração sexual e a afeição mútua, nós satisfazemos o nosso instinto sexual e possibilitamos que a vida se perpetue na terra. Gerando nossos filhos nos tornamos colaboradores de Deus em sua infinita obra criadora. Sim, porque a vida é um dom de Deus, quer ela tenha surgido espontaneamente, ou em tubos de ensaios dos laboratórios, como ocorre nos dias atuais...
Sempre que a Bílbia se refere a uma festa de casamento, implicitamente ela está mencionando uma aliança que Deus faz e renova constantemente com o seu povo. No Evangelho de João, (2,1-11) há uma festa de casamento em Caná da Galiléia, para a qual Jesus, Maria e os discípulos de Jesus foram convidados. Notando que o vinho estava acabando, Maria pediu a Jesus que ele fizesse alguma coisa. Naturalmente era uma vergonha muito grande para um noivo faltar vinho na festa de seu casamento. Jesus simplesmente respondeu à sua mãe: “A minha hora ainda não chegou.” Maria ignorou o que lhe dissera o filho e ordenou aos serviçais daquela festa: “Vocês façam tudo que ele vos mandar.” E então Jesus mandou que os serventes enchessem com água seis talhas de pedra que estavam ali para a purificação dos judeus e depois as entregassem ao mestre de cerimônia. Quando as talhas com água, já transformadas em vinho, foram apresentadas ao cerimonialista, este parabenizou o noivo: “Você é um noivo diferente. Guardou o melhor vinho para ser servido no final da festa.”
É claro que esta parábola tem um sentido teológico muito profundo, mas também é ao mesmo tempo um forte recado para os casais noivos e também para nós, que estamos casados. Em primeiro lugar convidamos para a festa do nosso casamento todos os nossos amigos e familiares e muitas vezes esquecemos-nos de fazer como aquele noivo de Caná da Galiléia, que convidou Jesus para a festa do seu casamento. O recado de Maria aos serventes da Galiléia continua a nos ser dado a cada um de nós, ainda hoje: “Façam tudo que ele vos mandar.” E Jesus nos mandou amar! As seis talhas de pedra representam não somente o coração do povo judeu, preocupado somente com normas de higiene e asseio, mas também o nosso coração endurecido e resistente à acolhida da Palavra de Deus. Coração fechado e contrário à construção do Reino que Cristo veio instalar. O vinho servido no final da festa cai fortemente sobre todos os casais com mais de trinta, quarenta, cinqüenta ou mais anos de casados: Continuar servindo o melhor vinho no final da festa é ter o propósito de viver cada dia da nossa vida matrimonial sempre renovado, como se ele fosse o primeiro dia. E o vinho na Bíblia simboliza o amor e a vida. E a nossa vida sem Jesus é como uma festa de casamento sem vinho!

Por: Carlos Eduardo Esmeraldo
Ilustração:
http://www.mscperu.org/grafic/biblia/pint/Jesus/picJesus/LasBodasDeCana.jpg
.

Carta do Leitor: Ronilda

Bom dia, companheiro!

Sou varzealegrense, mas moro em fortaleza há muitos anos. Adorei o blog com notícias do Crato e de Várzea alegre. Sou prima de kaika que é um dos colaboradores.

um abraço,

Ronilda

Resposta:

Obrigado, Ronilda. Temos aqui dois grandes representantes de Várzea Alegre, que são o Antonio Morais e o Dr. Zé Flávio. Estão sempre escrevendo deliciosas crônicas sobre Várzea Alegre, a cidade dos contrastes. Várzea Alegre também tem um Blog, que sempre é divulgado na nossa aba lateral direita e aonde eu gosto muito de visitar e ver o que acontece por lá.
Seja bem vinda!

Dihelson Mendonça

O.B.S - quem desejar escrever para nós, o e-mail é :
blogdocrato@hotmal.com SEM BR.

.

ELITE OU ELISÃO

Em comentário a um post do Carlos Eduardo Esmeraldo o professor Armando Rafael faz uma crítica ao conceito de elite como embate político. Nele o professor desce ao conceito em sua natureza original e levanta a questão da luta reformista ou revolucionária que tem como foco a própria elite política, econômica, social e cultural de um povo. Ao levantar a questão o professor Armando se encontra na atualidade de um tema que embora não seja novo, é muito presente na vida brasileira e na América Latina de modo geral. Como é da natureza do embate político a questão da elite se tornou uma peça de propaganda com a qual se pode criticar desde a condição de uma criança vendedora de pirulito até o banqueiro Daniel Dantas (aliás, descendente do Barão de Jeremoabo – Cícero Dantas Martins – cujo poder político desceu feroz contra os seguidores do Conselheiro).

Uma frase desprovida de sentido histórica há muito repetida pela esquerda Brasileira é: esta mesma elite que manda no país há quinhentos anos. Primeiro, sem que se queira é provida de um enorme preconceito, já embute um conceito que o país está fadado ao fracasso. É tão fora de tempo e espaço que na verdade perde todo o sentido de territorialidade ao passar a idéia que o problema se encontra nos trópicos, neste espaço geográfico. Na verdade o reino de Portugal sofreu uma evolução histórica, a costa do Atlântico ao longo de 500 anos passou por enormes mudanças de atividade econômica, as províncias da Colônia do mesmo modo e o país só foi inventado quando o reino de Portugal se abrigou aqui. Quando dizemos que há uma exploração social e econômica, não se busque a raiz histórica muito remotamente, pois esta discussão é agora e existem causas mediatas que estruturaram a sociedade e economia e causas mais remotas que criaram o imaginário nacional.

Outro fato associado ao comentário do Armando é que a elite é necessária para a condução dos povos. Convenhamos que o Armando neste sentido não se descola do Marxismo ao trazer o mesmo conceito condutor como igual fez o filósofo alemão ao explicitar, naquele ambiente revolucionário do século XIX, a elite revolucionária na classe operária. A vanguarda que conduziria ao comunismo. A questão em torno disso é saber-se se nesta altura da evolução da civilização a "condução" de qualquer natureza ainda se sustenta. Ou seja, a histórica ainda permanece em saltos, conflitos e precisa de "condottiere" para as conquistas necessárias. Tudo leva a crer que assim seja, mas convenhamos que a condução partirá de todos os lados da luta.

Tem uma questão na crítica à elite, especialmente no Brasil, que é de sua origem. Quando setores da esquerda a repete só poderia ter sentido se fosse necessário o roteiro dialético da revolução burguesa para em seguida vir a socialista. A tese da esquerda na verdade se sustenta sobre o pensamento essencialmente paulista, industrial e efetivamente revolucionário em relação ao Brasil rural. Então ouso dizer que os verdadeiros fundamentos da crítica à elite brasileira, surgiram não nos comunistas ou marxistas, mas na própria burguesia paulista industrial, que fartamente financiou a USP. E a tese deste pensamento é que se necessitava expropriar capitais do campo e liberar os camponeses para que o projeto industrial e urbano, como ocorreu na Inglaterra (na revolução do século XVIII), nos EUA e na França, pudesse vingar nos países relativamente atrasados.

O que se tem é que a literatura que analisou o país durante o século XX sempre teve por matriz a idéia que estávamos atrasados em termos de relações capitalista e que a culpa disso recaia sobre as elites rurais que manipulava a política nacional. A mais criticada e ainda é, sempre foi a nordestina. A fórmula mais corriqueira, inclusive, aparentemente até contraditória, é que a plutocracia paulista se aliou aos coronéis do nordeste para fazer a transição capitalista sem conflitos. Os coronéis a serviços do controle dos trabalhadores no Congresso e a elite industrial em busca do seu projeto de acúmulo de poder de capitais até que o "agrobusiness", afinal, desse cabo dos aliados de ocasião.

A evidência de que historicamente seja isso o que ocorra é muito forte. Foi com este discurso que, não a esquerda, mas um capitão de indústria, conquistou o poder político no Ceará. Se observarmos é o mesmo discurso do Governo do PSDB e agora, com mais concessões ao trabalho, é o governo Lula. O grande projeto que se consolida é o de uma burguesia nacional, com fortes vínculos internacionais e conteúdo ideológico cujo núcleo duro é o mercado. Afinal o Brasil tem um projeto de classe, mas ainda não um projeto de nação que seja inclusivo socialmente.

Agora retornando ao conceito em si que o Armando levantou. Primeiro ao aspecto "em todos os setores da vida é inevitável que existam elites". Esse é um alargamento do conceito de tal ordem que termina por negá-lo, embora guarde relação com a palavra francesa do qual se originou no século XIV. Voltemos à matriz etimológica do mesmo. Na verdade o élite do francês queria dizer "o que há de melhor" mas tem uma conexão com a palavra eligere do latim clássico que quer dizer "escolher". Portanto elite só tem sentido real de conceito quando conecta a "escolha" com o "melhor". Ou seja, a escolha do melhor e isso é muito mais do domínio de quem escolhe do que do detentor da escolha. Um professor não pode "escolher" o "melhor" entre os alunos, pois isso perde a natureza participativa da escolha e se torna apenas uma imposição. Um reparo: nos ambientes extremamente competitivos como vestibulares e concursos, todos admiram aqueles que têm melhores desempenho de notas, mas já reconhecendo que eles ganharão na escolha. E o não escolhido fica de fora do jogo. Aí já não é mais elite, é outro conceito.

Na verdade, retornando à matriz do conceito da necessidade de uma condução. Se olharmos para a literatura mosaica fica claro que este exemplo é bíblico e traduz todo o sentido da religiosidade judaica e cristã. O sentido da igreja, dos padres e dos irmãos. Mas no cristianismo, assim como no islamismo o velho judaísmo foi acrescido de refinamentos filosóficos. Ambos foram herdeiros da filosofia grega, especialmente a cristã com o pensamento Paulino e Agostiniano e então veio a república platônica conduzida pelos sábios. Ao reconhecer este aspecto temos de inventariar o presente para encontrarmos o leito exato com o qual o mundo dos homens se encontra evoluindo e, assim, colocarmos no devido lugar o conceito de elite.

Futebol - Atualização - por: Amilton Silva

Pela 28ª rodada da séie B do brasileirão 2008, o Fortaleza que vem de 2 vitórias consecutivas, enfrentará o Vila Nova em Goiânia hoje à partir das 8:30h. Já a equipe do Vila Nova tentara vencer o Fortaleza, para se manter na segunda posição na classificação geral.Outros tres jogos completarão a rodada:

CRB X SANTO ANDRE
PARANA X CRICIUMA

PONTE PRETA X BRASILIENSE


A equipe brasileira do Internacional RS, conseguiu empatar em 1 X 1 contra o Universidad Católica do Chile jogando fora de casa.O jogo da volta será realizado no dia 01/10/2008, no Beira rio. A partida foi válida pela copa Sul-Americana 2008.

Por: Amilton Silva - Editor de esportes do Blog do Crato.

Reivindicação - A Vilalta PRECISA de mais Asfalto !!

Na semana passada, o asfalto chegou até o bairro Vilalta.
Só que temos um problema aqui. Muitas ruas paralelas asfaltadas e quase nenhuma transversal.
Quero aproveitar o espaço para pedir à administração da cidade, que por gentileza, asfaltem as transversais também, pelo menos a Rua Macário Vieira de Brito, a Antonina do Norte e a Rua Raimundo Norões Milfont.

Muita gente reclama, e com razão!
Apelamos para a sensibilidade do Sr. Prefeito, para que se ainda asfalto tiver, que venha para a Vilalta. Bem sei que foi pedido asfalto para 200 ruas e foi conseguido somente para 110, mas fica aqui meu apelo, e quando conseguirem mais asfalto para as outras 90, vocês poderão asfaltar outros lugares igualmente essenciais. Esperamos que o asfaltamento continue após as eleições.

Dihelson Mendonça

Vândalos pretendem prejudicar a população na distribuição de água do Crato.

Nesta última semana, técnicos da Sociedade Anônima de Água e Esgoto do Crato (SAAEC) foram surpreendidos ao constatarem atos de vandalismo nas adutoras e na rede de distribuição de água nos bairros Alto da Penha, Pinto Madeira e Conjunto Vitória Nossa. De acordo com técnicos da empresa, esses atos danificam o sistema de abastecimento e prejudicam a população. A direção da empresa pede à população que colabore no combate a esse tipo de vandalismo, entrando em contato com a empresa pelo telefone (88) 3523.2044.

Fonte: Tarso Araújo

Nota do Blog do Crato:

Conversando aqui com meus botões:
Será que esses atos de vandalismo têm alguma conotação política por briga de adversários políticos às vésperas da eleição ? Vandalismo é crime, é caso de polícia! Prendam esses marginais, inimigos da Sociedade !!
.

O Pensamento do Dia - Paixão e Amor - Haroldo Ribeiro

Acima: Dr. Haroldo Ribeiro: Músico, filósofo, médico.

PAIXÃO E AMOR

Ao procurar emoções, encontram-se razões, que são os correlatos da paixão e do amor. A paixão precisa chegar, nem que seja tardiamente, de uma forma inesperada, sem querer. Aí sim, ela chega com tanta força que é quase impossível resistir. O ideal seria que surgisse no transcurso do amor, que é o bem querer, a afinidade, a cumplicidade, a dedicação, o carinho, o compromisso e a transparência.

A paixão só nos leva a atitudes que soam como devaneios de um lunático, ela é passional, o amor não; é racional e compreensível. A paixão é radical, só cria expectativas utópicas ótimas ou péssimas em sua total plenitude. O leque que envolve o amor é só compreensão e dedicação.
Na paixão nasce o desejo de não morrer nunca, ou de morrer logo, em consonância direta com o estado de espírito em que se vive. Mas de que vale a vida sem sentir ou despertar paixão?
É importante saber que o amor é eterno, e que a paixão efêmera, por isso, ela deve ser entendida como “momentos”, vividos de uma forma intensa, senão ninguém resistiria tanta impulsividade sem o interlúdio da ternura e a compreensão do amor. Toda paixão sem o aval do amor é “mal resolvida” e foge das belas expectativas numa vergonha perpétua, em se falando de amor surge uma pergunta que intriga; “quem deveria ser o mais importante : Amor? O primeiro? O mais intenso? Ou o último?”

Portanto, viva “um grande amor” entrelaçado por impulsos de “uma grande paixão”.

HAROLDO RIBEIRO

Fortaleza, 24 de setembro de 2008
.

ELEIÇÕES - Tropa viaja com a missão de garantir a paz no Pleito

Hoje no DN:

Clique para Ampliar

Militares vão reforçar segurança nos locais de votação (Foto: Thiago Gaspar)

A ´Operação Eleições´ já está em pleno andamento. O início aconteceu na manhã de ontem, quando 919 policiais militares, lotados na Capital, seguiram viagem para o Interior do Estado a fim de reforçar a segurança em diversos municípios durante o período eleitoral.

Ao todo, serão 4.407 PMs no Interior durante as eleições, considerando que, além dos enviados da Capital, mais 383 foram realocados em outras cidades e outros 3.193 já prestam serviços em localidades interioranas, sendo lotados em companhias, pelotões e batalhões.

Todos os convocados para a operação receberam uma cartilha com instruções sobre o cumprimento das leis, normas e determinações da Justiça Eleitoral, urna eletrônica, prioridade e preferência de votação, crimes eleitorais, fiscalização da votação, propaganda política e lei seca. Reunidos no Colégio da Polícia Militar, na Avenida Mister Hull, antes da partida para o Interior, os PMs receberam orientações do comandante da operação, coronel Hélio Severiano.

Fonte: Jornal Diário do Nordeste
.

TV Verdes Mares - Caravana chega ao Cariri

Clique para Ampliar

TV Verdes Mares está com equipe de telejornalismo na região do Cariri desde a segunda-feira. Ontem foi no Crato e hoje é em Juazeiro do Norte (Foto: Elizângela Santos)

Cerca de 30 profissionais estão envolvidos nos trabalhos de transmissão dos telejornais

Juazeiro do Norte. A Caravana Verdes Mares chega a sua 15ª cidade, mostrando o Ceará mais de perto. Desta vez se encontra na região do Cariri. Hoje, último dia de apresentações ao vivo, depois de ter passado por quatro municípios desde a última segunda-feira, os três telejornais da emissora serão ancorados direto de Juazeiro do Norte. Cerca de 30 profissionais dos departamentos de Telejornalismo e Engenharia da emissora estarão envolvidos nos trabalhos.

A primeira cidade da região a receber a Caravana Verdes Mares esta semana, no dia 22, foi o município de Mauriti. Na terça-feira foi a vez de Brejo Santo; quarta-feira, Barbalha, e, ontem; o Crato, com a transmissão direto da Praça da Sé. O jornal Bom Dia Ceará, Jornal do Meio-Dia e o Jornal do 10 serão transmitidos ao vivo e ancorados direto de Juazeiro, durante o dia de hoje. A transmissão ocorrerá de um ponto estratégico da cidade, o prédio do Panorama Hotel, onde estarão quatro câmeras espalhadas nos andares do local e uma direcionada para a Rua São Pedro, ponto principal do comércio do município caririense, pólo da região para consumidores.

Segundo o diretor de Jornalismo da TV Verdes Mares, Marcos Gomide, um dos critérios usados para escolha das cidades é por serem as maiores da região, incluindo o índice populacional de cada uma delas. A Caravana já esteve nas regiões Norte, Maciço de Baturité, Vale do Jaguaribe e Sertão Central. A próxima região é a Serra da Ibiapaba, onde haverá a programação ao vivo na última semana de outubro.

O projeto é permanente. Uma das finalidades, conforme o diretor de Jornalismo, é mostrar as riquezas do Interior do Estado e dar mais visibilidade às notícias nos municípios. Uma forma que a população local tem para se ver na televisão, para ser notícia. “É uma forma de levar as pessoas a terem uma maior proximidade com a Capital e o Interior”, diz Gomide, ao acrescentar que o projeto tem sido muito importante, no sentido de mostrar o dia-a-dia das cidades.

O diretor ainda destaca a importância do trabalho dos profissionais e da própria emissora na meta de oportunizar ao telespectador a proximidade com as outras cidades do Ceará. Antes das apresentações dos telejornais, o diretor faz uma visita a cada localidade. “Tem sido surpresa chegar a cada cidade e perceber o desenvolvimento dessas localidades e ver que não estão distante das capitais”, afirma.

Por ser uma das maiores cidades do Interior do Estado, Juazeiro terá toda a programação de telejornalismo ao vivo. Os repórteres da Sucursal do Cariri, Franzé Sousa e Paulo Ernesto, e outros profissionais da TV Verdes Mares, que vieram de Fortaleza, apresentaram nas transmissões durante a semana, reportagens com o perfil do Cariri, abordando a cultura, esporte, economia, meio ambiente e assuntos de política.

Início

A Caravana da TV Verdes Mares começou no último mês de março, direto de Russas, enfocando o cotidiano do Vale do Jaguaribe. Em seguida, destacou os principais pontos de Quixadá, na região do Sertão Central; depois Iguatu, no Centro-Sul; Crateús, na Região dos Inhamuns; e Guaramiranga, localizada no Maciço de Baturité.

A Caravana da TV Verdes Mares sempre é transmitida na última semana do mês. Em outubro, novembro e dezembro, as transmissões serão direto de Tianguá, Itapipoca e Aracati, destacando, respectivamente, a Região da Ibiapaba, o Litoral Oeste e o Litoral Leste. Nesses mesmos locais, serão destacados assuntos relacionados à cultura, economia, curiosidades, atrativos turísticos, esporte, problemas e soluções das demais regiões a serem visitadas pela equipe. A Caravana é fruto de uma idéia do diretor de Jornalismo da TV Verdes Mares, Marcos Gomide. Nas reportagens que serão apresentadas, há uma preocupação da equipe no sentido de, além de mostrar os problemas que afetam a população, apresentar as soluções. Além de destacar o Interior para a Capital, moradores dessas regiões têm a oportunidade de ver, de perto, como os profissionais do Jornalismo trabalham.

Mais informações:
TV Verdes Mares e Jornal Diário do Nordeste
Sucursal Juazeiro do Norte
Rua Padre Cícero, 941
(88) 3572.4200

Reportagem: Elizângela Santos.
Fonte: Jornal Diário do Nordeste
.