31 julho 2008

O ASNO DE BURIDAN ENCENANDO NA BATATEIRA


Isso ocorreu na batateira. O esforço cultural da prefeitura, naquele ano, resolveu-se após intensos debates e até altas horas das noites sem mais nada para fazer. Afinal a solução: vamos levar o projeto de encenar a Fábula do Asno de Buridan com os alunos da Escola Amélia Pinheiro. Projeto pronto, secretário passou o jamegão nos documentos, o prefeito engavetou por semanas, afinal tinha muitas viagens a Brasília em busca de verbas e finalmente a aprovação. o dinheiro para as fantasias. E o burro? A pergunta mais grave feita ao déficit orçamentário da obra. a fantasia do burro era muito mais cara que toda a verba. Criatividade. Dizia, em alto e bom tom, o prefeito com o olhar turvo e fixo feito um sinal de trânsito vermelho.

Criatividade: pois então. Correram uma rifa de um Ipod descascado, fanho e gago, presenteado por um vereador decepcionado com o amor perdido. Material de terceira categoria e a pobreza da batateira deu seus trocados para financiar o projeto da prefeitura. O apurado quase não cobria a despesa, afinal rifa de pobre quase não paga o objeto rifado. Mesmo assim o financiamento estava completo, restava selecionar o elenco na escola, organizar o palco e platéia e, claro, ensaiar a peça. Aliás roteiro transcrito por dezesseis mãos em rodadas infindáveis de senhas e contra-senhas sobre a fábula. Afinal a peça.

E vinha o asno, manco pois a fantasia fora costurada com encurtamento de um dos lados, queixando-se de fome e sede, reclamando o sofrimento da vida. Quem assistia ao evento até imaginava que o asno teria sido aquele sorteado com o Ipod da geração de fundos. O pobre asno, desolado, sem solução nas possibilidades daquele palco suburbano. Nenhuma alma solidária para ao menos uma mão de milho aplacar-lhe a fome corrosiva. Nem uma caneca de água dormida para descer-lhe de esôfago a baixo, fria e plena de fartura, no vazio que a vida lhe armara. O asno era plenamente o Asno de Buridan. E vem o drama da escolha.

Amarram o asno entre um monte de capim e uma gamela de água turva,. Enquanto representação da fome o artista que o asno tinha em si era plena convicção. Uma representação inigualável no teatro regional e brasileiro. O asno mancava com os passos da falta de líquidos e sólidos. Sonhava com sonhos de valsas, com pães quentes amanteigados, com bifes suculentos sobre um morro de arroz e feijão. Sonhava o asno, que um artista da batateira tinha em suas entranhas, com taças cheias de caldo de cana gelado, com cerveja borbulhando na borda de canecões, canadas de sucos doces e apaziguadores. Por isso mesmo cena mais convincente jamais o teatro tivera notícia igual.

Mas o clímax da peça, aquela cena em que a fábula se realiza na sua totalidade foi um fracasso inigualável. O burro não se angustiava entre o capim e a gamela de água. Nenhuma indecisão de espírito que representasse o livre arbítrio em aplacar, primeiramente, a fome ou a sede. Não havia entusiasmo do artista, vestido de asno, para qualquer das duas opções. Ele se dirigia para o lado do capim, mas não desistia pelo motivo que o confundia em razão da sede na fábula. Na verdade, o artista fugia de alimentar-se de capim. Não desejava a água turva da gamela. Ao invés de uma indecisão pelo que primeiro se resolveria (fome ou sede), se viu a fuga das opções que lhe ofereceram na realidade do palco.

Após o espetáculo, na bodega de João do Tetéu, quiseram entender o fiasco do ator e este se explicou, curto e grosso:

- E capim é comida de gente?...

Anoitece em nossa cidade...



Foto: Pachelly Jamacaru
"Direitos reservados"

Futebol - Por: Amilton Silva

Teve início ontem dia 30, a fase final do campeonato Cearense 2008, na sua segunda divisão com tres jogos.O Tiradentes surpreendeu o Trairiense vencendo-o por 3 X 0, Em Sobral A equipe do Guarany perdeu jogando no junco por 3 X 1 para o Maranguape.O representante caririense o time do Crato jogando em Maracanã, conseguiu um bom resultado ao empatar com o Maracanã em 0 X 0.Com esses resultados a classificação ficou assim:

1º Tiradentes 3 PG
2º Maranguape 3 PG
3º Guarany 3 PG
4º Crato 2 PG
5º Trairiense 2 PG
6º Maracanã 1 PG

O Guarany começou o hexagonal com 3 pontos de bonificação por ter sido a equipe de melhor campanha na fase inicial, o Trairiense com 2Pg ,e o Crato com 1 pg.O próximo jogo do Crato será no domingo dia 3 contra o maracanã, no estádio Mirandão às 16:00h.Espera-se o maior público na competição, ja que, o Crato representa o Cariri.

Por: Amilton Silva - Editor de esportes do Blog do Crato.

Com saída de Gil, Lula "perde seu trovador", diz jornal

Com a saída de Gilberto Gil do Ministério da Cultura, o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva "perde seu trovador", afirma uma reportagem do jornal espanhol "El Mundo".

O artigo da versão online do diário --que também registra brevemente o fato na versão impressa desta quinta-feira-- diz que Gil deixa o Ministério com um balanço positivo, ainda que isso o tenha impossibilitado de fazer tantos shows quanto gostaria.

"Gil, de 65 anos e um dos mais emblemáticos representantes da música popular brasileira, disse que pretende deixar que as coisas ocorram com normalidade", disse o jornal, em artigo intitulado "Lula perde seu trovador".

Segundo o "El Mundo", Gil adotou um "claro tom de despedida" ao falar em um evento no Rio de Janeiro, antes mesmo de apresentar sua demissão a Lula.

"Espero que tenha sido importante para o Brasil que um artista tenha desempenhado com relativa facilidade o papel de ministro", disse o cantor, de acordo com o jornal.

A reportagem ressalta que, durante sua gestão, Gil "incluiu no patrimônio nacional expressões culturais como a capoeira, o frevo, o samba de roda e a pintura corporal dos índios".
Ao deixar o Executivo federal, o artista apenas realiza um desejo --o de voltar aos palcos-- que já vinha alimentando desde o ano passado.

"[O ministro] já havia deixado claro que renunciaria em 2008 devido a que os discursos estavam prejudicando [sua voz]", escreveu o "El Mundo".

Fonte: Folha On Line - 31.07.2008

Fortaleza de Nossa Senhora da Assunção é tombada pelo Iphan

Desde o início de sua construção a Fortaleza
de Nossa Senhora da Assunção passou por
várias obras destinadas à sua conservação e reparação.

O Conselho Consultivo do Patrimônio Cultural do Iphan aprovou no dia 15 de julho o tombamento da Fortaleza de Nossa Senhora da Assunção, do século XVII, que deu origem e nome à cidade de Fortaleza, no Ceará. O evento aconteceu no dia 15 de julho em Salvador (BA) durante a reunião do Conselho, que é constituído por 22 representantes de entidades e da sociedade civil, e delibera a respeito dos registros e tombamentos do patrimônio nacional.

O parecer técnico do Iphan incluiu a fortaleza nos três Livros do Tombo: Arqueológico, Etnográfico e Paisagístico; Histórico e das Belas Artes. A proposta foi uma iniciativa do professor José Liberal de Castro, da Universidade Federal do Ceará (UFC), a pedido do Comando da 10ª Região Militar. Ele é também integrante do Conselho e o responsável pelos estudos históricos e arquitetônicos que acompanharam o processo de tombamento.

Base da 10ª Região Militar, a fortaleza está localizada ao lado do Passeio Público, monumento já tombado pelo Iphan. A edificação foi erguida numa área onde vários fortes foram construídos desde as primeiras tentativas de colonização e o local deu origem ao primeiro povoado da região, atualmente a capital do Estado.

Atualmente sua estrutura é constituída por pedra, cal e tijolo, e a edificação se encontra em boas condições gerais de construção. As maiores alterações produzidas em seu conjunto foram realizadas após a segunda guerra mundial, quando as instalações passaram por novas adaptações e reformas.

Breve histórico

A partir de 1649 foram construídos vários fortes, que passaram por sucessivos desmoronamentos, no local. Até então conhecido como Forte Schoonemboch (em homenagem ao governador holandês), em 1654 o forte foi tomado pelos portugueses e nomeado Fortaleza de Nossa Senhora da Assunção.

Em 1812 começou a ser construída a atual fortaleza, que foi praticamente concluída em 1817. De 1857 a 1860 outras obras foram realizadas, e a edificação passou então à categoria das fortificações de segunda classe.

A velha fortaleza foi desarmada pelo governo da República em 1910 e passou a ser considerada apenas como dependência do quartel ali instalado. No início da primeira guerra mundial seus canhões de bronze e importantes relíquias foram comercializadas e fundidas.

Mais informações:Assessoria de Comunicação – Iphan
Fones: 61 3326 8014 / 3326 6864 e 9972 0050
helenabrandi@iphan.gov.br
carine.almeida@iphan.gov.br
ascom@iphan.gov.br
Fonte: Ascom - http://portal.iphan.gov.br

ANISTIA TARDIA

Com 98 anos de atraso, o governo declarou na quinta-feira 24 que está anistiado o marinheiro João Cândido Felisberto, o famoso “Almirante Negro”, que liderou em 1910 a Revolta da Chibata, no Rio de Janeiro – dois mil marujos insurretos ameaçaram bombardear a cidade exigindo o fim dos castigos corporais nos navios. Na época, o presidente Hermes da Fonseca negociou o fim da revolta com a anistia que nunca foi dada. João Cândido morreu em 1969, aos 89 anos.

Por Tatiana de Mello
Fonte: Revista ISTOÉ N° 2021
http://www.terra.com.br/istoe/

Blog do Crato em Barcelona - España - AQUELE ABRAÇO !

.
Saudações, España !!!

Acima: Foto da Igreja da Sagrada Família - Barcelona.

Acima: Foto do Arco do Triunfo - Barcelona - España.

Para Judy e toda a turma do Crato e amigos que moram em Barcelona - España, o meu mais caloroso abraço. Fui contactado pelo amigo Araújo, da Araújo Sat sobre a sua irmã Judy e um grupo de amigos que moram em Barcelona e que diariamente lêem e escutam o Blog do Crato.

Para todos vocês, um grande abraço aqui do Brasil.

Dihelson Mendonça

Fotos do dia: Símbolos do Crato. Praça Francisco Sá e Igreja da Sé.

.

Acima: Foto do Cristo Redentor, na praça Francisco Sá ( praça cristo-rei ) em Crato.


Acima: Foto da Igreja da Sé em Crato - CE.
Fotos: Dihelson Mendonça
.

Estado Criará a Região Metropolitana do Cariri.

Eu entrevistei esta semana o Secretário das Cidades do Ceará, Joaquim Cartaxo (foto). De forma exclusiva a este blogueiro, ele falou sobre vários assuntos como o projeto Cidades do Ceará, e em especial à sua execução na Região do Cariri. Segundo Cartaxo, o “CRAJUBAR” será a segunda Região Metropolitana do Ceará. O Secretário das Cidades diz ainda na entrevista que o Governador Cid Gomes, a partir de parcerias, irá entregar o Centro de Apoio ao Romeiro em Juazeiro e o Centro de Convenções em Crato.

A entrevista está no BOLETIM REDE DE BLOGS DO CARIRI que traz ainda outras matérias retiradas de websites do sistema. Para ouvir é só acionar o player ( lembrando de que primeiro, deve-se parar o player da Rádio Chapada do Araripe, para não ouvir duas coisas ao mesmo tempo ) :

Por: Beto Fernandes. Locução e Produção.

Cearenses constróem a maior rede de dormir do mundo - Têm do que fazer ?

"Essa gente não tem mais o que inventar ?
Aqui no Ceará, terra das redes de dormir, o Jornal Diário do Nordeste publica na edição de hoje uma coisa no mínimo curiosa: A construção da maior rede de dormir do mundo. Os cearenses então, podem até não ter o maior arranha-céu do mundo, mas certamente nessa rede aí só o Godzilla poderia dormir...veja a seguir a matéria do DN:"

Em busca do recorde mundial

Clique para Ampliar

Rede gigante: artefato produzido em Maracanaú possui 30 metros de comprimento e pode ser considerada a maior rede de dormir do mundo. Será apresentada na Alemanha

Fortaleza. Se uma rede de dormir, no tamanho padrão, já é motivo de um bom descanso, o que esperar de uma capaz de comportar até 300 pessoas? A proeza foi fabricada em Maracanaú e será apresentada na Spoga, uma Feira de Móveis, Jardins e Artigos de Lazer, em Colônia, na Alemanha, prevista para os dias 30 de agosto a 3 de setembro. Mas o objetivo principal da façanha é entrar para o Guinness Book como a maior rede de dormir do mundo. As medidas impressionam qualquer um, principalmente aqueles que não dispensam o utensílio durante o sono.

A rede possui 30 metros de comprimento, 12,5 metros de largura e 10 metros de altura. O artefato é 30 vezes maior que uma rede comum e pesa uma média de 700 quilos.

A rede de dormir foi apresentada na manhã de ontem, pela empresa Jobek do Brasil Indústria Têxtil, e já foi desmontada para ser enviada à Alemanha. De acordo com a gerente administrativa da Jobek Luciêda Kopf, foi preciso ter a participação de 45 funcionários para a produção da rede de dormir gigante. “Todos os anos a gente leva uma novidade para a Alemanha e a idéia surgiu ainda no ano passado, quando estávamos na feira”, conta.

Além disso, desde o momento em que se teve a idéia da rede de dormir até a sua produção, foram necessários seis meses de intenso trabalho. “Aumentamos em dez vezes o tamanho original da rede”, diz Luciêda. Se uma rede de dormir simples, nas medidas padrões, custa até R$ 200, quanto se pode esperar de uma rede gigante? “Não posso informar o valor de produção da rede”, informa Luciêda, mesmo sabendo que a produção terá apenas finalidade de exposição para a feira na Alemanha. A produção da fábrica é exportada para vários países, como Estados Unidos e Austrália, além da União Européia, Ásia e Caribe. Apesar de todo esforço e dedicação para produzir a rede gigante, a parte mais difícil estaria em conseguir tirar aquele famoso “cochilo”. Para dormir na rede, uma ajudinha não vale. Só será possível após enfrentar uma boa escalada de 10 metros, imprópria para quem tem muito medo de altura.

Comparação

Mesmo que não seja incluída no Guinness Book, a maior rede de dormir fabricada em Maracanaú já pode usufrir deste título no Ceará. Pelo menos é o que se pode esperar quando comparada com outras redes fabricadas no Estado. Uma iniciativa semelhante aconteceu em 2006, no município de Irauçuba. Lá, os artesãos acreditaram que teriam produzido a maior rede medindo apenas 15 metros de comprimento e 4,80m de largura. Diferente do objetivo proposto pela empresa alemã Jobek, que prioriza o reconhecimento no Guinness Book, a rede de dormir produzida em Irauçuba foi motivada pelo sonho de se livrar do estigma da seca, ao mostrar que a realidade pode ser modificada onde existe vontade, trabalho e criatividade. Sendo que isto não falta no Estado do Ceará.

MAURÍCIO VIEIRA
Repórter

Fontes: Jornal Diário do Nordeste
.

Educadores se reúnem em congresso no Cariri - Por: Elizângela Santos

Clique para Ampliar

Entre os palestrantes mais esperados está o médico e professor Içami Tiba (Foto: Elizângela Santos)

Segundo os organizadores, educadores de 120 cidades nordestinas estão inscritas no congresso

Juazeiro do Norte. Com a participação de cerca de 1.500 pessoas de sete estados, está sendo realizado, no Ginásio Poliesportivo, neste município, até amanhã, o Congresso de Educação do Cariri. Além de profissionais da área de educação, estão psicólogos e psicanalistas de várias cidades nordestinas. Segundo os organizadores do congresso, educadores de 120 cidades nordestinas estão inscritos. Deste total, 64,7% são do Ceará; 13,3% do Piauí; 12,5% de Pernambuco; 9,8% da Paraíba; e os outros 1,4% são da Bahia, Rio Grande do Norte e Alagoas.

O Congresso de Educação do Cariri tem como objetivo principal compartilhar experiências na área de ensino, contribuindo para a formação continuada de professores da região e trazendo reflexão. Especialistas de todo o País estarão presentes no evento.

Entre os palestrantes, está o médico e professor Içami Tiba, que já realizou mais de 80 mil atendimentos psicoterápicos a adolescentes e suas famílias, escreveu diversos livros sobre educação e ministrou milhares de palestras em escolas e programas de TV.

Destaque também para Cipriano Luckesi, graduado em Filosofia, mestre em Ciências Sociais e doutor em Filosofia da Educação. O educador traz para o congresso uma palestra que enfoca a importância do afetivo e do cognitivo na educação, questionando criticamente o foco no cognitivo pela prática educativa tradicional e propondo a necessidade de voltar a atenção das pessoas para a afetividade.

Atividades

Durante os três dias de congresso, serão desenvolvidas várias atividades, dentres as quais, palestras, mini-cursos e oficinas – abordando temas ligados à educação, especialmente questões ligadas a valores e emoções no contexto da prática pedagógica.

O coordenador do evento, Francisco Evangelista, afirma que a escolha do município de Juazeiro do Norte para ser sede do congresso foi por conta da grande demanda de educadores em eventos realizados em outras cidades da região Nordeste. Outro motivo é por ser uma cidade pólo, referência e com capacidade de trair grande público.

“As pessoas têm curiosidade de conhecer o monumento do Padre Cícero. A questão turística é mais um atrativo que agrega valores”, diz Evangelista.

Caravanas

As caravanas começaram a chegar na tarde de ontem de outros estados. São gestores educacionais, professores e coordenadores, de escolas públicas e privadas e há, também, a grande participação dos pais, já que, conforme Evangelista, os temas são também relevantes para os pais.

Temas relacionados a limite, afetividade são assuntos atrativos para essa categoria do público. A palestra “Quem Ama, Educa. Formando Cidadãos Éticos”, abriu o Congresso no fim da tarde de ontem, pelo médico Içami Tiba.

Interesse

O coordenador afirma ser o médico um dos palestrantes que desperta o maior interesse do público, por ser de grande renome em nível nacional, principalmente, pelo trabalho que desempenha na questão voltada para limites e sua especialidade é trabalhar com adolescentes.

Francisco Evangelista destaca a importância da formação da prática continuada, indispensável no sentido de contribuir com a melhoria no desempenho dos professores.

Grandes palestras, de interesse geral e também abertas ao público, serão realizadas até hoje. Já no Hotel Verde Vale, serão realizadas atividades específicas para a prática didático-pedagógica, destinadas mais especificamente aos professores das escolas.

Mais informações:
Ginásio Poliesportivo
Rua Catulo da Paixão Cearense, s/n, Bairro Triângulo
Anderson Lima
(81) 3269.0005/ (81) 9974.5055

Por: Elizângela Santos. - Para o Diário do Nordeste.
.

Crônica - A amnésia das três estrelas - Por: Nijair Araújo Pinto

.

– Olá, meu grande amigo Jurandir! Como o senhor tem passado?
– É Amaury, capitão.
– Oh! Desculpe-me. Eu tenho esse triste hábito de confundir o nome das pessoas. É possível o senhor desconsiderar minha gafe, professor Jurandir?
– É Amaury, capitão.

Esse rápido bate-papo, descontraído e cheio de desencontros, passou-se nos corredores duma universidade. Os interlocutores, dois professores bacharéis. O professor Amaury é um cidadão brasileiro de excelente lábia – prolixo, pra ser sincero. É boa gente, de boa estirpe. O capitão é o inconfundível Capitão Aurélio, oficial ímpar das fileiras de uma briosa instituição militar. Homem culto, carismático é um excelente professor de Comunicação Social.

Resolveu plenificar seus estudos em Matemática, acreditando ser menos traumático e vergonhoso passar por situações do tipo: ‘professor: resolva esta questão aqui, por favor...’ E, depois de muita suadeira em busca de uma solução intangível aos saberes do mestre, dizer que não sabe responder.

– O senhor já pensou um aluno olhar pra mim e comentar com outro colega que eu não respondi corretamente ou mesmo que não sabia uma questão de Português!? Como é que pode um professor de Português não saber Português!? Matemática não... É difícil mesmo! Ninguém nem nota... (e tome n) – dizia o bom capitão Aurélio, justificando sua opção de plenificar em Matemática.

O que, porém, mais chamava a atenção no capitão Aurélio era a sua enorme capacidade de esquecer nomes e fisionomias. Havia outros relances de amnésia em sua história de vida. Já esquecera diversas vezes assuntos e tarefas bem claras e explicadas a ele anteriormente, mas trabalhar com nomes e fisionomias para ele era o fim. Certo dia, quando se dirigia à universidade, esqueceu para onde ia. Vendo-se ‘perdido’, utilizou-se da tática militar do ESAON: estacionar, sentar-se, alimentar-se, orientar-se e navegar. Parou e ficou matutando: Para onde eu vou, afinal de contas!? Pensava. Pensou. Pensou. E nada. Até que, olhando para o banco da moto em que estava, viu a apostila da professora Carol de Psicologia. – Ah, rapaz! Estou indo à Universidade! Essa minha cabeça! – E seguiu. Até aqui, tudo bem. Agora escutem essa:

Quando ainda cadete, o hoje capitão, durante uma folga, tomou uma condução para a sua residência. Ao tomar o segundo coletivo, sentou-se ao lado de um rapaz que começou a observá-lo atentamente, em silêncio. Cadete vibrador de Academia Militar começou a suspeitar do jovem, passando, a partir de então, a olhar de soslaio de quando em vez para o rival em potencial.

Num determinado trecho do itinerário, levantou-se. O garoto fez o mesmo. Dirigiu-se para perto do motorista. O jovem o acompanhou, sempre atrás dele. Na segunda parada, dá sinal para descer. A mesma atitude é executada pelo companheiro de viagem. A essa altura, o então Cadete Aurélio já estava com uma pulga atrás da orelha: Isso não vai acabar bem – pensava. Desceu do coletivo. O garoto o acompanhava. Sempre atrás. O Cadete Aurélio apressa o passo. Dobra numa esquina, à direita, como se estivesse num filme de faroeste americano e fica à espreita do jovem que teimava em segui-lo. Tão logo este aparece, segura firmemente o estranho à altura do antebraço e pergunta, exasperadamente:

– Por que você está me seguindo, hein!? Não tem medo de levar um tiro não, rapaz!? O que você quer atrás de mim, fala!?

– Eu tô indo pra casa. Esqueceu que sou teu irmão?

Por: Nijair Araújo Pinto
.