11 julho 2008

EX-PÔ / CRATO



Amanhã se inicia a mais importante festividade cratense e , certamente, a mais charmosa, tradicional e concorrida festa do Cariri : a EXPÔ/CRATO. O evento de há muito deixou de contemplar apenas a esfera Agro-Pecuária, tornou-se um acontecimento social da maior importância, ponto de encontro de muitas tribos. A face de entretenimento aos poucos passou a avantajar-se e , hoje, a EXPÔ é muito mais espetáculo social do que um mero balcão de negócios. Ela já não tem a simples e primal missão de apresentar as melhores matrizes , os melhores grãos, as últimas novidades no campo da agricultura e da pecuária, busca ser um amplo mostruário da cultura caririense.

Encabeçada pelo Governo do Estado, este ,há já alguns anos, resolveu simploriamente terceirizar o evento na quase sua totalidade, sob a justificativa de custos. Hoje o parque é totalmente loteado e as empresas que vencem a licitação tem o claro e previsível intuito do lucro. Assim um acontecimento do vulto da EXPÔ/CRATO passa a ser um mero evento contábil.

Esta deformidade parece mais visível na área dos Shows, hoje, com certeza, a mais vistosa faceta da Exposição. Terceirizado o espaço dos shows, as empresas que ganham a licitação contratam as bandas que podem lhes trazer mais lucros. E, claro, elas não têm nenhuma responsabilidade de fazer política cultural. Assim, por incrível que possa parecer, os artistas caririenses há mais de dez anos são simplesmente alijados da maior festa regional, isto tudo acontece num município que ainda enche o peito para se ufanar de : “Cidade da Cultura”.

Ano após ano, os shows vão se tornando cada vez mais pobres, agora somos assolados mais uma vez pelas péssimas e gasguitas Bandas de Forró. Não há nenhuma preocupação com a diversidade cultural própria do Brasil e nenhum cuidado a Exposição tem de expor , aquilo que devia ser sua missão : A riquíssima Cultura Caririense. Quem não quiser transformar os ouvidos em bacia sanitária , vai ter que ficar ali por cima, respirando poeira e bebendo cerveja quente.

Pela primeira vez, os artistas do Cariri se mobilizaram, foram à Câmara de Vereadores, planfetaram e amanhã vão sair em cortejo pelas ruas do Crato protestando contra a injustíssima exclusão. Estão exercendo o único direito que lhes sobrou: o de espernear.

Meditemos um pouco sobre este momento. Aproveitemos o sábado que antecede nossa festividade para pensar um pouco sobre os novos tempos, antes que o poder da tradição da EXPÔ acabe por nos enebriar.

O primeiro ponto a ser comentado. Alguns intelectuais do Crato são da opinião que os artistas locais não precisam ter espaço na EXPÔ, já que esta é um evento meramente Agro-Pecuário e que se devia promover outros momentos para tanto, como festivais, por exemplo. Ora, já comentamos, a EXPÔ hoje é muito mais social que rural. E ela é o único evento de importância que temos. Já que pensam ser tão fácil organizar outros acontecimentos de importância, porque não se abre espaço agora até que estes fabulosos festivais apareçam ?

O monopólio das bandas de forró, por outro lado, não é só do interesse das empresas que compraram o espaço. O Governo cearense entende como Cultura Cearense, isto que está aí. Música para turista ver e se divertir. A criação da indústria da OXENTE MUSIC surgiu como uma necessidade de confrontar a AXÈ Music e criar um espaço de entretenimento para a política turística cearense desencadeada justamente pelos detentores atuais do poder político no estado.

Os artistas caririenses, por outro lado, devem compreender que de nada adianta lutar por espaço no palco principal da Exposição, se esta continuar terceirizada. Os empresários poderão até dar uma esmolinha a eles, mas os boicotarão de todas as maneiras: o som será péssimo, não haverá iluminação, o horário terrível e , também, tocarão para um público totalmente alheio à sua arte.

O ideal seria o estado administrar o evento, através de um Projeto amplo, com variadas parcerias, inclusive a do Ministério da Cultura que até o presente momento não gastou sequer 20% do orçamento da pasta para 2008. Abrir a possibilidade de diversos palcos, como em Garanhus. Já temos o da Cultura Popular, faríamos outros como de Música Instrumental, Forró/Brega, Techno, Rock/Reggae e MPB, com ampla e preponderante participação dos artistas caririenses, sem qualquer nível de preconceito e exclusão. Aí cada tribo , a seu gosto, busca sua oca . E mais: todos os Shows abertos, mas perfeitamente pré-pagos com os nossos impostos e as parcerias.

Em permanecendo a terrível mania e preguiça administrativa de lotear o Parque de Exposição, que se crie, então, uma concha acústica no espaço próximo ao atual parque de shows, onde os artistas locais possam se apresentar , até mesmo nos horários que antecedam aos shows pagos, inclusive havendo espaço para a visibilidade das mais diversas formas de arte : plástica, cinema, teatro, etc. Este palco inclusive poderia ser programado para o uso durante todo o ano e não apenas no período da EXPÔ/CRATO. É um absurdo um espaço precioso como aquele ficar totalmente sem função durante todo o ano, para funcionar da maneira que está funcionando por apenas 07 dias.

Os artistas cratenses não estão lutando apenas por sua arte e por seu pão. Os artistas têm o poder de ver mais longe, eles estão lutando pela liberdade de todo povo brasileiro. É que para discernir o bom e o ruim, o bonito e o feio, o criminoso e o ético é imprescindível ter uma visão holística da vida. Talvez seja por isso mesmo que se tire o acesso da população a esta diversidade. É que , de repente, ela vai ter a capacidade de perceber quem é o charlatão e quem é o político de verdade.

J. Flávio Vieira



A Úmida “Lei Seca” de Matozinho


A notícia chegou cedinho na vila e causou indignação. Sidrim Jucá trouxe a nova, na carroceria do seu caminhão, lá das bandas da capital. Mal se apeou do velho Ford , na pracinha da matriz, lascou a sentença em cima do povo.

-- Pode se preparar, cambada, que a coisa ta é preta, o governo acabou de lançar uma tal de “Lei Seca” e neguim vai ter que andar mais abaixadinho que diferencial de cururu.

Os pracianos ainda tentaram saber , trocado em miúdos, que diabos finalmente significava aquela Lei, mas Sidrim simplesmente não conseguiu debulhar todo o rosário. Desconversou. Imediatamente surgiram as interpretações possíveis através do esdrúxulo Código Civil de Matozinho. O velho Janjão Cataplasma emitiu a opinião de que aquilo só podia ser o governo proibindo as irrigações na beira do Rio Paranaporã. E lá se precisava obrigar os matozenses àquele rigor! Eles que já viviam numa terra mais seca do que língua de papagaio ? Mané Tareco, avesso à modernidade, mostrava-se do parecer que aquilo só podia ser o governo querendo secar de vez o bolso do contribuinte com uma Lei mais seca e tenebrosa do que todas as outras, endereçada para a única área da especialidade governamental : aumento de impostos. Já D. Maria Colibri, uma das cafetinas mais importantes da cidade, mostrou-se preocupada, pronunciou para todos os seus temores:

--- O governo tá querendo, meu povo, é acabar com a única alegriazinha de pobre. Vai proibir o furumfufado, deixar os homens de Matozinho mais secos do que o Paraporã em outubro. Vai quebrara minha Boïte “Riso da Noite” ! Vai esvaziar a Rua do Caneco Amassado, meus amigos. Preparem os cindo dedos!

O certo é que a novidade trazida por Sidrim tomou de assalto a vila e só uns dois meses depois é que o mistério foi elucidado. O velho Sinfrônio Arnaud, chegando da capital, com sua inconfundível voz de barítono, pôs fim à questão. A “Lei Seca” havia sido sancionada pelo governo federal para proibir que os pingunços dirigissem veículos e saíssem por aí cometendo barbaridades. Os motoristas seriam testados por um aparelhinho e ,se acusasse qualquer teor de álcool no organismo, seriam multados, teriam o carro apreendido e poderiam até ser presos. Elucidada a questão, os temores de alguns arrefeceram um pouco, já outros começaram desde aquele dia a suar em bica.

Giba e Godô, proprietários dos bares mais charmosos da cidade, passaram a temer a queda da clientela. Estava certo que a lei falava só de carros e estes não eram tantos em Matozinho, mas o Departamento Matozense de Trânsito – o DEMASITO—iria interpretar assim ? A interpretação de todos os artigos e incisos daquela Lei feita pelo presidente do departamento, Mundim Contra-Mão, analfa de carteirinha, devia trazer lá seus desvios.

Os temores de Giba e Godô não demoraram a se tornar perfeitamente justificáveis. A Lei Seca em Matozinho foi implantada com um rigor jamais visto em outra paragens deste imenso país. Ninguém mais podia ver cachaça nem na prateleira. Em Matozinho a Lei nova são se ateve apenas aos proprietários dos poucos carros da cidade. Os carroceiros, os vendedores de água, os condutores de ancoretas , os donos de jegues, os possuidores de bicicleta, patinetes e velocípedes, pela Lei implementada por Mundim, não podiam dar suas talagadas e sair por aí “ataiando galinha”. Era prisão certa. Mundim proibiu, inclusive, a utilização de carros a álcool em Matozinho, pois desconfiava que os acidentes que aconteciam por ali deviam ter alguma relação com o embebedamento dos motores com o álcool que se punha nos seus tanques. O diabo é que não existindo ainda bafômetros na cidade, toda a investigação dependia do olhão e do nariz dos policiais do DEMASITO. A avaliação da pingucidade da população feita por instrumentos tão pouco calibrados terminou por trazer sérios aborrecimentos. D. Filó Mascarenhas, uma das beatas mais famosas de Matozinho, foi presa, tida por embriagada, só porque, ao descer do seu cavalo “Navio”, na porta da igreja, pendeu e quase cai. Só depois, atrás das grades, é que conseguiu explicar que vinha há dias com uma crise de labirintite, não podia mexer a cabeça que ficava tonta.

Os maiores paus-d´água da cidade, por sua vez, mostravam-se totalmente imunes à nova lei. Zé de Candóia, Pedro de Sá Dona, Quinco Pitu, Antonio Mendraca, Janjão Caixa de Fósforos andavam por toda a vila, puxando um fogo inapagável, mas sempre a pé e, como bem explicitara o maior deles, Jojó Fubuia:

--- De preferência de quatro pés, meu povo, para evitar acidentes !

Semana passada, Tiziu vinha descendo do Quincoreré , puxando um burro, carregado com uma ancoreta cheinha de cana de cada lado. Ao longe avistou o velho Genésio Imbiriba que vinha em direção contrária à sua, montado numa bicicleta velha. Rápido percebeu que o homem vinha mais melado que balcão de correio. A bicicleta ia de um lado para outro da estrada, até parecia que Genésio vinha era montado numa ema. Rápido resolveu pregar-lhe uma peça. Parou em uma das margens da estrada e quando Genésio se aproximou, deu com a mão e falou com ar grave e autoritário:

--- Pare ! Soldado do DEMASITO em fiscalização !

Genésio, mal parou e saiu catando ficha, até lascar-se no chão. Rápido, no entanto, levantou-se trôpego. Tiziu, então, insinuou que iria multá-lo por total estado de embriaguez ao guidão. Com voz engrolada, Genésio ainda tentou defender-se:

--- Bêbado que nada, seu soldado, eu num bebo não, sou crente !

Tiziu, então, tirou a tampa de uma das ancoretas, meteu uma mangueira plástica pelo buraco e ordenou:

--- Ta bêbado não, pois bem seu crente, vamos fazer o teste aqui no bafômetro, sopre aqui nesta mangueira, seu Genésio !

Genésio adaptou a mangueira na boca, mas diante do cheiro agradável que rescindia pela boca da ancoreta, ao invés de soprar começou foi a sugar a aguardente, como uma criança no peito da mãe. A chupada foi tão federal que Tiziu, depois de alguns minutos, precisou interferir :

---- Seu Genésio, pare aí, rapaz, vamos agora testar no bafômetro da outra ancoreta, senão a carga vira !

J. Flávio P. Vieira

FotoPoemas - Ensaio Fotográfico Wilson Bernardo (Fotos Malditas)

Mundo Ibérico


A Camuflagem de Homens Santos


O Preconceito é Urbano



Penitencia Afegã



A Desmistificação de que os Sinos Dobram



Fotos: Wilson Bernardo
Direitos Reservados

Futebol - Atualização - Amilton Silva

Após o término da Taça Libertadores, o Brasileirão Série "A" voltou a ter rodadas no meio da semana. Nesta quarta (09) e quinta (10), foi realizada a 10ª rodada com os seguintes jogos:

Quarta-feira dia 09

Internacional 1 X 0 Goiás
Coritiba 4 X 0 Portuguesa
Fluminense 3 X 0 Atlético PR
Vitória 5 X 2 Botafogo
Santos 1 X 1 Grêmio
Náutico 2 X 1 São Paulo
Atlético MG 1 X 1 Flamengo

Quinta-feira dia 10

Palmeiras 1 X 1 Figueirense
Vasco 4 X 0 Sport
Ipatinga 2 X 2 Cruzeiro

O Fluminense conseguiu sua primeira vitoria, mesmo assim, continua na lanterna do campeonato. O Botafogo após sofrer a goleada de 5 X 2 para o Vitória , perdeu o treinador Geninho e o Flamengo continua na liderança do campeonato com 23 pontos ganhos.


Informou:

Amilton Silva - Comentarista Esportivo do Blog do Crato
Patrocínio Amilton Som - A melhor loja de CDs e DVDs do Cariri.

.

CRATO - Foto do Dia: Antigo Cine Cassino

Olá, gente, essa foi uma das minhas primeiras fotos, feita inclusive com uma filmadora que nem é câmera fotográfica. Foi necessário levar um tripé para o local, a fim de captar a maior luz possível. Isto antes que eu adquirisse minha câmera fotográfica. Mas vem para provar que quando a gente quer mesmo uma coisa, todos os esforços são empregados no sentido de torná-lo realidade. Abaixo, foto do Antigo Cine Cassino em Crato.


Foto: Dihelson Mendonça
Câmera: Filmadora GS500 panasonic.

Vote no Blog do Crato como um dos melhores Blogs do Brasil

Clique no Link abaixo. Só o seu click já conta como um ponto.
Em breve divulgarei os resultados.

Ranking de Blogs


Blog do Crato - O Maior Site Multimídia da Região do Cariri.
O Crato na Internet.
.

Política - Mais impugnações - Aiuaba - Jornal "O Povo".

O PMDB pediu a impugnação da candidatura do ex-prefeito de Aiuaba, Pedro Roberson Feitosa (PSDB), por denúncia de improbidade administrativa. O pedido se embasa em ação apresentada pelo Ministério Público Federal (MPF), que indica supostas irregularidades em convênio firmado durante a administração do tucano (1997-2004). O juiz eleitoral tem até o dia 16 de agosto para julgar a solicitação do partido.

O pedido vai ao encontro do entendimento de tribunais regionais eleitorais (TREs) de vários estados, que vêm apresentando a posição de que políticos que respondem a processos judiciais podem ter seus registros de candidatura negados, ainda que não tenham sido condenados em última instância. O Tribunal Superior Eleitoral (TSE), porém, considera que candidatos que ainda não tenham condenação definitiva podem, sim, concorrer a cargos eletivos.

De acordo com a denúncia do MPF, os recursos provenientes dos convênios da Prefeitura de Aiuaba com a Fundação Nacional de Saúde (Funasa) durante a gestão de Feitosa teriam sido repassados, mas as obras de saneamento previstas não teriam sido concluídas. A ação do Ministério Público pede ainda o ressarcimento das verbas por parte do ex-prefeito.

Feitosa é candidato a prefeito de Aiuaba. Entre os adversários está o candidato do PMDB, Tarcísio Brito. (Gabriel Bomfim, especial para O POVO, com colaboração de Amaury Alencar).

O POVO tentou entrar em contato com Roberson Feitosa. Foram feitas ligações ao seu telefone residencial na noite de ontem, mas até o fechamento da matéria, ninguém atendeu.

Fonte: Jornal O Povo

Aeroporto de juazeiro em vias de perder R$ 30 milhões para modernização...


Pista espera homologação

Clique para Ampliar

Durante as reformas realizadas entre 2001 e 2003 foram investidos cerca de R$ 8 milhões. Mesmo assim, a pista do aeroporto ainda encontra-se defasada, prejudicando pousos e decolagens de grandes aeronaves (Foto: Thiago Gaspar)

Caso pista não seja homologada, há previsão de se perder R$ 30 milhões em modernização para o aeroporto

Juazeiro do Norte. A pista do aeroporto de Juazeiro do Norte, com apenas 1.950 metros desde 2003, espera por sua homologação, que poderá sair nos próximos dias. Pelo menos é a esperança dos promotores de justiça e Superintendência da Infraero. Caso contrário, há a preocupação de se perder um montante de R$ 30 milhões, previstos para a modernização e reforço da pista. Outro passo está prestes a ser concluído, que é o repasse do terreno do aeroporto do Estado para a Infraero.

Essa foi a quinta reunião para tratar do problema com representantes de órgãos do Estado, técnicos e o Ministério Público na esfera federal e estadual, além da Infraero. A sexta deverá ocorrer na última semana deste mês, em Fortaleza, e terá um caráter mais técnico, onde deverá ser firmada avaliação técnica para reconhecimento da pista atual, que obteve melhorias há cinco anos, em 2003, por meio de convênio firmado entre o governo do Estado e a Infraero.

Segundo o promotor de justiça, Sérgio Maia Louchard, o Ministério Público Estadual e Federal agem em forma de parceria para solucionar o problema do aeroporto de Juazeiro, que se encontra em defasagem para o atendimento do fluxo de passageiros, que precisam fazer um deslocamento, especialmente para a Capital.

“Neste encontro podemos constatar avanços, já que foram enviadas correspondências para órgãos que poderão elaborar documentações técnicas que o aeroporto está necessitando nesse momento”, explica. Acrescenta ainda que esse é um dos pontos indispensáveis para a pista ser homologada, já que encontra-se muito defasada em relação às obras que já foram feitas pelo governo do estado em virtude do convênio. Durante as reformas realizadas entre 2001 e 2003 foram investidos cerca de R$ 8 milhões.

Conforme o promotor, o segundo passo será uma reunião mais técnica junto à Procuradoria Geral de Justiça do Estado, com a participação dos promotores, e com isso cobrar do governo uma resposta sobre quando ele pretende executar as medidas combinadas na reunião em Juazeiro do Norte.

Sérgio Louchard afirma que o governo está mais sensibilizado em relação ao problema do aeroporto de Juazeiro, já que fez a transferência do terreno e outras providências estão sendo tomadas para que esse problema seja resolvido.

Estudos

Com esse termo, a Infraero poderá assumir o aeroporto e até o final do mês a promotoria deverá ter um posicionamento de quando os estudos poderão ser completados e encaminhados à Aeronáutica, responsável pela homologação, e poderá fazer ampliações na pista e no terminal de passageiros. Já o superintendente regional da Infraero, Edson Fernandes, diz que o Estado tem algumas ações que precisa solucionar para que a Infraero possa receber o aeroporto, ajustar o convênio e fazer as melhorias que a sociedade reivindica. “Aguardamos essas posições do Estado e com a importância que vem sendo tratado o assunto possa ser resolvido com a maior celeridade possível”. Para o superintendente, a empresa Gol está bem consolidada, com vôos lotados, efetivo grande, no entanto tem uma política de troca de aeronaves, equipamentos, e dos quatro disponíveis que ainda podem operar em Juazeiro, a empresa pretende se desfazer até o fim de 2009. “Até lá a gente precisa realmente avançar com algumas melhorias de pista, em especial, para permitir o recebimento de novas aeronaves, e assegurar a manutenção dos vôos e a vinda de outros”, completa o superintendente. A procuradora de Patrimônio e Meio Ambiente do Estado, Maria Lúcia de Castro Teixeira, afirma que existem problemas que dependem de decisões governamentais. Ela reconhece avanços. “De junho para cá muita coisa já foi feita. A questão da propriedade, que foi o repasse pelo Estado do terreno do aeroporto para a Infraero é um deles”.

Conforme a procuradora, se tomou conhecimento que não estava resolvido em 2 de junho e o problema se arrastava desde 2003. O próximo passo será a assinatura do governador do Estado, Cid Gomes, para a publicação da lei de doação no Diário Oficial.

MEIO AMBIENTE

Audiência discute situação do lixão

Juazeiro do Norte. O lixão deste município foi outro problema debatido entre os promotores e representantes de órgãos ambientais, na mesma audiência sobre o aeroporto. Há mais de um ano foi assinado um termo de conduta entre a administração, Ministério Público e órgãos ambientais. Quase nada do que ficou estabelecido foi resolvido e o mais grave salientado pelos representantes do Ministério Público está relacionado ao lixo hospitalar e à proximidade do aeroporto regional, que segundo a legislação tem de estar, em pelo menos, 20 quilômetros do local.

A promotora de Justiça de Juazeiro do Norte, Delma Longo, afirma que diante da gravidade da situação desumana em que vivem os catadores, é preciso a tomada urgente de um posicionamento em relação ao local. Para isso requisitou a presença dos representantes de órgãos ambientais.

Uma das soluções até o momento apresentadas foi a construção de um aterro sanitário consorciado, no valor de R$ 5 milhões, por parte do governo do Estado, mas diante da urgência de resolução do problema, conforme os promotores, tornam-se necessárias medidas mais imediatas com o objetivo de minimizar a situação.

O promotor de Justiça, Sérgio Maia Louchard, antes de iniciar a audiência, disse ter tomado conhecimento do local, por meio de fotografias, que está recebendo lixo hospitalar. “Fiquei chocado quando vi pessoas humildes segurando seringas e sacos de gordura humana, como se estivessem manipulando uma coisa qualquer”, lamenta. O risco tende a ser maior, já que podem até depositar lixo nuclear, sem que haja uma fiscalização adequada para o que entra no lixão.

Segundo o documento assinado por todos os órgãos, questões como a vigilância 24 horas para a não entrada de crianças e adolescentes, a presença de um guarda municipal, cadastramento dos catadores e de sua respectivas famílias e apoio para formação de uma cooperativa, além de fornecer Equipamento de Proteção Individual (EPI), condições assumidas pela administração local, não foram cumpridas. Ficou apenas no papel. Mesmo com o planejamento para construção de um aterro sanitário, previsto para ser iniciado este ano, conforme foi anunciado em abril do ano passado, nada foi feito. Algumas áreas já foram estudadas e três delas escolhidas, mas não se sabe sequer onde será realmente sediado.

ELIZÂNGELA SANTOS
Repórter

Mais informações:
Ministério Público
Avenida Padre Cícero, 1751
Bairro Salesiano
Juazeiro do Norte - CE
Telefone (88) 3512.5252

Fonte: Jornal Diário do Nordeste

Estão abertas as inscrições para o vestibular da CEFET até o dia 18.

Até o próximo dia 18, estão abertas as inscrições para o vestibular 2008.2 do Centro Federal de Educação Tecnológica do Ceará (Cefet-CE). São oferecidas vagas para os cursos tecnológicos nas áreas de Turismo e Hospitalidade e Licenciatura nas áreas de Ciências e Tecnologia nos municípios de Aracati, Barbalha, Campos Sales, Caucaia, Itapipoca, Jaguaribe, Limoeiro do Norte, Meruoca, Orós, Quixeramobim, São Gonçalo do Amarante, Tauá e Ubajara.

Os interessados devem procurar os pólos do Cefet-CE nas cidades onde os cursos serão realizados. O horário de atendimento é das 9 às 17 horas nos dias úteis. São exigidos fotocópia da Carteira de Identidade (Civil ou Militar), ficha de inscrição preenchida, uma foto 3x4 recente, comprovante de que é professor da ativa do município-pólo e que é vinculado à rede pública de ensino, para os candidatos ao Curso de Licenciatura e que desejem concorrer, entre si, a 50% das vagas ofertadas. Além disso, comprovante de pagamento da taxa de inscrição.

Fonte: Jornal O Povo