25 abril 2008

Quando Nasci, Havia a América ! - Por: Dihelson Mendonça

.


I Still Have a Dream !


Quando eu nasci, havia a América!


Morava sem saber, nos Estados Unidos do Brazil, um local onde de tanto assistir TV e filmes americanos, eu raciocinava que os Estados Unidos faziam parte do Brasil, ou vice-versa, e sentia o peito erguido de patriotismo quando via aqueles bravos soldados americanos lutando contra as forças do mal.

Na verdade, aprendemos a amar a America, Roy Roggers, John Wayne, Capitão América, Superhomem, Sinatra, Simon & Garfunkel, Jimmy Hendrix... os Waltons são parte da minha família ( Boa noite, James, boa noite Elisabeth, boa noite John ). O velho oeste era aqui no Brasil, junto com lampião na caatinga nordestina. Lampião ouvia Jazz e tocava Banjo. Na Broadway tocava Carmem Miranda e as canções de Cole Porter e Gershwin. Cresci acreditando no sonho americano: I HAVE A DREAM !

Woodstock era nosso sonho de liberdade em calças bocas-de-sino. Graças américa! Ponte do Brooklyn, ponte de San Francisco, Golden Gate, queria jogar mesmo no Desert inn de Las Vegas. Queria percorrer meu país pela ROUTE 66, até chegar no Rio de Janeiro. Queria ver Lennon e McCartney, meus ídolos da juventude descerem do avião, I have a Dream !

Com a mão erguida e a outra no coração, entoar:
"What america means to me..." e sentir que "nossa" ida ao Vietnã não foi em vão, como pregam nossos detratores. Lutar contra esse homem barbudo de uma pequena ilha do caribe, lançar nossos mísseis contra a União Soviética. Que a nossa bandeira listrada de listrinhas e losango verde-amarelado não tenha se esfarrapado em vão no topo de Iwo Jima, e que nossos destróiers destruídos em Pearl Harbour possam clamar por vingança de todos os nossos bravos homens como o Patton, Eisenhower e Douglas McCarthur que defenderam a "nossa" honra juntamente com Vargas e Collor de Mello. I have a dream !

Que tomemos de assalto a nossa capital Washington e dancemos dentro das águas do obelisco à washinton, de frente ao capitólio em Brasília, ouvindo a guitarra de Hendrix tocar o hino americano. Colocar fitas em torno da cabeça e fumar maconha no gramado da praça dos três poderes, e transar na frente da Casa Branca para dizer que somos nacionalistas ao som da "era de Aquarius". Sair de Oklahoma city em meu Ford conversível, fumando Camel para Nashville para assistir Kenny Roggers fazer parceria com Raul Seixas. Que eu possa hastear todos os dias em nosso gramado, a nossa bandeira que um dia simbolizará um mundo perfeito. I have a dream !

Que a nossa NASA, ao lançar outro Saturno V da barreira do inferno em Natal, possa levar nosso sonho americano às estrelas, pisando na lua e cravando nossa bandeira para que todos vejam nosso brilho nos confins do universo através da Enterprise de Jornada nas Estrelas. "A small step for man, a giant leap for mankind"... Que o docinho Marylin Monroe cante ao Mr. President bêbada a sua elegia pela bala que atravessará seu crânio no texas, lugar quente e desolado, bem ali, pertinho dos Inhamuns.

Que a pátria amada, idolatrada Salve Salve possa significar sempre a luta de nossos negros, Luther King, Malcolm X e Denzel Washington contra os branquelos de peito rosado, estilo schwarzenegger e que a Ku Klux Klan não atrapalhe a luta do General Rondon, grande desbravador do Arizona, que chegou com os primeiros colonizadores, vindo do leste para a Califórnia no Ciclo do Couro e do ouro de McKenna...I have a dream!



Esse é meu Brazil, cuja estátua da liberdade, presenteada por nossos irmãos franceses, resplandece altiva na baía de guanabara, às margens do Rio Hudson, bem ali ao lado do Cristo Redentor. Terra da riqueza e da esperança de dias melhores, onde nossos irmãos europeus foram desmoralizados na ilha de Ellis, antes de desenbarcar em Manhattan, onde meu velho Tio Sam, irmão de Avô Ray, que veio de Nova Olinda, pertinho de Nova York, me ensinou o lema: "BraZil, ame-o ou deixe-o", "America, love it, or leave it". Esse é meu Brasil americano, onde nossos soldados patrulham as nossas fronteiras da amazônia contra o eixo do mal. Esse é o Brazil Brasileiro, cheio de sonho e de pandeiro, onde há coqueiros que dão coco, e não banana, pois as bananas... ah! Yes, nós temos bananas! e onde o Tio Sam quer conhecer a nossa batucada e comer chiclete com banana.

Quero me exaltar e chorar de emoção ao ver a face de nosso ex-presidente Lincoln esculpida nas montanhas rochosas de Utah, ali petinho do dedo de deus, e quero sentir o patriotismo dos confederados, dos sulistas da guerra de secessão, e ver que Lincoln tinha razão. "Essa é uma grande nação...", moldada no princípio de grandes homens como Kennedy, Bob, John, ... que traçaram nosso futuro. Homens que aliados a kubitschek construíram o sonho dos americanos. Homens que financiaram a construção da Rede Globo e seu império vinda do grupo TimeLife. I have a dream !

Quero me exaltar ouvindo Sinatra cantar para nossos soldados em combate junto com Emilinha Borba e participar do Sinatra-Farney Fã Clube. Quero ouvir Dick Farney cantar em português e Nat King Cole cantar "Eu tinha uma andorinha que me fugiu da gaiola" sem sotaque. Quero ver novamente o Tom Jobim fazer parceria com Sinatra no Carnegie Hall e ouvir o belo sax de Stan Getz em Girl from Ipanema, o mais braSileiro dos braZileiros, numa música brasileira que ressalta o "American way of life". I have a dream !

Quero dançar o blues de Luiz Gonzaga, negro reluzente, que morava ali em Exu, às margens do Mississipi em Chamas, junto com a rabeca do Cego Aderaldo e Cego Oliveira tocando em dueto no Radio Music City Hall, tocando "South american way" para sair no acetato da CBS, NBC, RCA Victor ou não, com o pandeiro do Jackson, e o banjo da encruzilhada. Aquela sanfona branca como a paz que tanto ansiamos, depois de derrotarmos os vietcongues, os Islamitas, os Soviéticos, os Iranianos, os Iraqueanos, os Cubanos, e tantos outros povos...

Quero me deliciar vendo que a lei seca foi revogada e que não mais haverá depressão nesse país, e que Al Capone foi prêso e Edgar Hoover - Esse grande benfeitor - juntamente com o senador Joseph McCarthy conseguiu prender Lee Oswald por ter atirado em John Lennon em plena 5a. avenida no mês de maio, próximo à Macy´s ... ao som do coro angelical do profeta Joseph Smith e o retrato de Dorian Gray, que veio revelar os santos dos últimos dias em Salt lake City... I have a dream!

Quero enfim, que o nosso país reine "soberanamente", elevando-se ao mundo, e que embora deitado eternamente em berço esplêndido, ao som do mar e a luz do céu profundo, com estrelas e listras, possamos um dia acordar, olhar para nosso jardim, olhar para trás e ver que o sonho de Luther King para um Brazil melhor, sem discriminação, e o sonho de Kennedy não valeu o suicídio de Getúlio. Ver que desde o Grand Teton em Montana aos confins do sertão de Sobral, passando pelo verde vale do cariri, onde a verdadeira Águia americana de peito branco sobrevoa impávida as pradarias, onde todos formamos um único povo, uma só nação, movidas por um só ideal, um só governo, um só "way of life", uma só mídia, um só partido, uma só moeda, uma só música, uma só cultura, um só ideal:

"America, the Beautiful"

Viva os Estados Unidos do BraZil

Porra, nunca fomos colonizados ???

( Dedicado a Martin Luther King - que não teve nada a ver com essa merda toda )

Por: Dihelson Mendonça
Fotos: Fonte: Yahoo Imagens
.

Hoje na Rede Blogs do Cariri - CONTRA O BAIRRISMO NO CARIRI


Autor da REVISTA DO BETO, Beto Fernandes, fala contra o Bairrismo, o papel social dos Blogs, dos Blogueiros, e da necessidade da integração regional via Internet através de rede de blogs.

ORGULHO E RESPONSABILIDADE

Com satisfação começo nesta quinta-feira, 24 de abril, a fazer a parte com minha REVISTA da Rede de Blogs do Cariri. A Revista é minha terceira experiência com blog. A primeira foi com o CONEXÃO BETO FERNANDES da Bol, posteriormente no @r@uto do C@riri do Blog-se e finalmente a REVIST@ DO BETO no BLOGSPOT onde pretendo continuar falando de tudo um pouco, mas principalmente sobre os fatos do Cariri Cearense.
Resolvi ingressar na Rede após atentamente observar o trabalho deste músico, intelectual e blogueiro (é a atividade está virando profissão, pode até não remunerar, mas virando profissão) cratense Dihelson Mendonça. Algo em especial me chamou a atenção na proposta: a integração do Cariri através de sítios pessoais e a idéia de que cidade “A” não é melhor que cidade “B” devendo haver o crescimento de todas havendo apenas o respeito entre seus habitantes e as particulares locais. Antes de ser Central, Oeste ou Oriental, o Cariri é Cariri. Somos uma só gente com as mesmas características da coragem, do trabalho e da arte.
Falar neste “Cariri dividido” para mim é como separar o “Assaré” de Patativa, o piqui do baião, o Dihelson do Mendonça, o Luís do Fidelis, o Zé de Benona, Elói de Teles, Raimundo de Aniceto, Maria de Assunção Gonçalves, Antonio de Vicelmo, Daniel de Walker, Álbis de Filho, Abidoral de Jamacarú, “Padim do Ciço” ou pior o povo de sua fé. Repito. Somos um só povo e temos um só Cariri.
A Rede é tão democrática e importante que o Cariri integra-se ao Centro-Sul e ao Vale do Salgado. São os diários de músicos, radialistas, jornalistas, artistas e intelectuais que vão contando o cotidiano, vocações e potencialidades de nossas cidades.
Chego cheio de vontade, com honra e responsabilidade por integrar uma lista de pessoas tão bem intencionadas em relatar com seus diários tudo da Região nesta Rede. Proponho de forma inicial uma união também para realizarmos o I Encontro de Blogueiros do Cariri. Neste encontro poderemos traçar estratégias de divulgação junto a outros canais afinal ser blogueiro é também ser um agente de comunicação e de transformação social.
Congratulo-me com cada integrante da Rede de Blogs do Cariri na pessoa do seu idealizado, Dihelson Mendonça.
A todos o meu tríplice, respeitoso e fraternal abraço.

Beto Fernandes.'.
REVISTA DO BETO

Nota do Blog do Crato:
"Muito Obrigado, Beto Fernandes"
Seja muito bem-vindo à Rede Blogs do Cariri. E que possamos juntos desenvolver mecanismos para integrar a região do cariri pela internet, pois como diz o cronista do Blog do Crato José do Vale, hoje em dia, Crato é Juazeiro, Juazeiro é Barbalha e esta é Missão Velha. Araripe é de Nova Olina, que é de Farias Brito, que é de Várzea Alegre, que é do Crato.

( Zé, desculpa a mistura, mas o pensamento é por aí ).

Dihelson Mendonça

Donana


( Ana Amélia Ferreira de Menezes . Filha do Cel . Aristides Ferreira de Meneses , esposa de Alfredo Moreira Maia : Minha avó paterna . Dizia-se parente dos Monteiros, Bezerra, Lobo, Norões , Pinheiro, Gonçalves , Milfont , *Aires ...Com todos os antigos do Crato , tinha alguma afinidade. Por ela sou parente de muitos , e com muito gôsto ! )

Quando abri os olhos, e o entendimento, ela estava na minha vida .Pés e mãos miudinhos, testa alta, e o sorriso mais lindo do mundo !
Depois que enviuvou, vestia-se com sobriedade , comprimento no tornozelo , mangas compridas , preto mesclado de branco, meias de algodão , mantilha na cabeça , rosário no pescoço.
Tinha um temperamento romântico, nostálgico ... Chorou tantas dores , que perdeu os cílios, mas não perdeu o brilho do olhar. Cochilava no balanço da cadeira, rezando o terço, e vigiando a rotina da casa. Nada passava-lhe desapercebido. Era antenada , e tinha as "oiças" boas , como dizia minha mãe Valdenôra . Cantava pra espantar os males , quando a tristeza lhe pegava a alma ...Voz sonora , entoada , como a de um passarinho engaiolado. Dizia-nos que cantara , na mocidade , no teatros de revistas ( musicais) , com a autorização expressa do Cel. Aristides. Ganhava todos os papéis principais , e nos contava em detalhes sobre as fantasias , compatíveis com os personagens que interpretava . Foi a Noite , A Morte , A Primavera , A Florista , A Saudade , A lua , etc,etc. Era contra a escravatura. Nasceu no ano em que a lei Áurea foi promulgada.Falava do tronco e do trabalho escravizado com muita angústia , e compaixão . Viveu os resquícios desse tempo de opressão . Eram escravas , as suas amigas de infância . Com elas dividia as bonecas de pano , e as rapas do tacho.
Tinha a barriga farta , e adorava cozinhar. Inventava sempre uma novidade , distribuia com todos , e escondia um pouquinho , para nunca faltar. Se a gente lhe fazia um desagrado , logo avisava : " Dessa iguaria , você não verá nem o azul" , mas nunca cumpria a ameaça. Com ela aprendi a fazer sequilhos , pão-de-ló com erva - doce , bolo de goma frito , ou no forno, enrolado em palha de banana . arroz com quiabo , carne batida com jerimum , feijão com toucinho , sempre acompanhado de frutas : banana, caju ou manga - Era a sua refeição preferida.
Adorava os netos. Emprestava-lhes o colo com direito a cafuné, para o sono das primeiras horas. Alcovitou os nossos primeiros namoros, sentiu a dor dos rompimentos , nos chamava de "malvada" , quando a culpa era da gente."Vai pra baixa da égua ", dizia pra quem lhe pisava nos calos , mas logo explicava : Não é nome feio..."Baixa da Égua " é um lugar que fica , nas proximidades de Missão Velha . Será?
Fuxicava da gente , perante os nosso pretendentes : "Cuidado com essa menina . Ela tem chita , e é das miudinhas " ! Mas , no fundo , torcia , pra que ninguém ficasse pra tia !
Escapou da morte aos 40 anos, e foi salva por Dr. Gesteira . Depois disso , ainda viveu com saúde e lucidez , por 53 anos , com apenas um rim. Ativa, participando de todas as festas , viajando pra cima e pra baixo , visitando parentes, com energia invejável !
Chorava a infância perdida , a vida na fazenda , nos engenhos de cana , nas casas de farinha , a perda de filhos, marido , e o desprestígio de ir ficando "velhinha". Mas era linda !
Linda , linda , linda como diria Bianca ( minha neta ) , se ela fosse viva !
Era viciada em novelas de rádio, romances de amor ... Como tinha a visão quase comprometida , obrigava-me a ler em voz alta , uns tantos livros , que como tesouros , os guardava. Li e reli : "O Moço Loiro " , "O Herdeiro do Castelo " ," A Casa dos Rouxinóis" , " A Escrava Isaura " , A Moreninha " , "O Tronco do Ipê" - os seus prefeirdos ! Nunca vou esquecer "Mirtô", " O Conde Mário , e Aninha " ( Personagens do Moço Loiro e do Herdeiro do Castelo , respectivamente .Os homens acabavam convertidos pelos atributos de mulheres virtuosas. E o amor vencia ! Eram felizes para sempre ... Ninguém morria ! )
Classificava por estereótipos a raça humana, sem uma gota de preconceito ... Isso era interessante :"Fulano é alvo, loiro dos olhos azuis , corado que o sangue quer espirrar ; mulheres que não têm sangue negro são desbundadas ; moças de sangue europeu possuem cabelos finos, e encaracolados ; as índias têm cor de canela , pele lisinha , sem acne, cabelos lisos , sem dar uma volta ... Mas a beleza vem de dentro ... tá na alma !E ela era qualquer coisa de índia , de mestiça , de portuguesa ... Casca de uma alma nobre !
Adorava presentes , e presentear : corte para fazer roupa nova , óleo para o cabelo , travessa , mantilha , velas , água de cheiro , leite de colônia , sabonete de juá , travesseiro de plumas de aves , mesclado com folhas de eucaliptus , urinol e candeeiro ao seu alcance , santuário coalhado de santos. Não fazia promessas com Pe. Cícero . Para ela , ele não era santo ... era primo !
Não comprava remédio em farmácia . Fazia suas proprías meizinhas : chá de flor de abacate, boldo , macela, casca de laranja , capim- santo , endro , erva-cidreira , e uma cibalena diária. Vida longa. Sem química , alimentação cem por cento natural ... Deu certo !
Não sabia bordar, fazer crochê , rezava num cochicho eterno.
Teve um casamento feliz, um marido amoroso , 4 filhos criados ( um deles , adotivo ), genros . noras e uma pancada de netos.
Faz-me falta aquela mulher ...muita falta ! Falta da sua raça , fortaleza , e da grandeza do seu coração , que não cabia o mundo !

"Um sorriso de Maria " , para enfeitar sua noite de anjo !

* Aires não é um nome de família. A prole do Seu Aristides era conhecida como Aires : Maria Aires , Ana Aires (Donana) , Fantina Aires , Paulo Aires , Pedro Aires , Rubens Aires , Alfredo Aires , Júlio Aires , João Aires , etc.Foi mãe de uma ruma de filhos , mas apenas ficaram adultos : José , Moreirinha , Auri , Ivone e Valdir ( sobrinho , filho do coração ).Netos , a citar :De Alfredo Moreira Filho (Moreirinha ) : Socorro Moreira Nunes , Verônica Moreira Bezerra , Zélia Moreira Xenofonte , Alfredo Moreira Neto , Teresa Nunes Moreira , e Catarina Moreira Sampaio .De Ivone Moreira Aragão : Aderbal Moreira Aragão ( 3 filhos ) , Maryanne Moreira Aragão Esmeraldo( 3 filhos ) , Teresa Moreira Siebra (3 filhos) , Antonio Moreira Aragão (4 filhos ) , Graçinha Moreira Aragão do Espírito Santo ( 3 filhos) , Ivone Moreira Aragão Lino (3 filhos ), e Fátima Moreira Aragão Sampaio (3 filhos ).De Auri Moreira Montoril : Francisco Moreira Montoril (3 filhos) , Bartolomeu Moreira Montoril ( 3 filhos ) e Socorro Moreira Montoril ( 1 filho).Os Bisnetos , nem dá pra contar - A lista está incompleta !Os mais próximos de mim , e da minha lembrança são :Caio Marcelo Moreira Bonates , Victor Arturo Moreira Bonates , André Ricardo Moreira Bonates , Bruno Moreira bezerra , Sampson Moreira Bezerra , Giorgio Moreira Xenofonte , Samira Moreira Xenofonte , Dyan Moreira Xenofonte , Derek Moreira Xenofonte , Ana Carolina Moreira Dourado , Rodrigo Moreira Dourado , Rafael , Gabriel e Daniela (filhos do meu irmão Alfredo Moreira Neto e Silvana); João Diego , João Marcelo e João Alfredo( filhos da minha irmã Catarina com João Sampaio Xavier ).E os Tataranetos ?Conheço apenas Juan e Camila ( netos de Zélia Moreira) , Camila (neta de Verônica) e Bianca ( minha neta ) . Mas vem muita gente a caminho ...

"Aço frio de um punhal foi teu adeus pra mim ..."
É a voz de Donana ou a de Orlando Silva , cantando ?

PARADA DO ORGULHO GLBT DO CARIRI DA DIVERSIDADE


DIA 04 DE JULHO - JUAZEIRO DO NORTE


CONVITE: Rumos Itaú Cultural - Educação, Cultura e Arte na FUNDAÇÃO CASA GRANDE - Por Tãnia Peixoto.

.
Evento aberto a educadores e organizações sociais marcará o lançamento da segunda edição do programa Rumos Itaú Cultural voltado à experiências não-formais em educação. Com aula-espetáculo e palestras, acontecerá durante todo o dia primeiro de maio

No dia primeiro de maio a Fundação Casa Grande receberá o grupo de teatro Os Tapetes Contadores de História, em uma aula-espetáculo pela manhã, no varandão, e a sessão de histórias Cabe na Mala? à noite, no teatro. Na parte da tarde haverá uma palestra com Alemberg Quindins, coordenador da Casa Grande, e Gislayne Avelar de Matos, Mestra em Educação e autora de livros sobre contação de histórias.
O evento foi pensado pelo instituto Itaú Cultural para apresentar aos educadores e organizações sociais da região a segunda edição do programa Rumos Educação, Cultura e Arte . Para isso, haverá a exibição de um DVD e uma conversa sobre a iniciativa do instituto, que já levou a experiência de Nova Olinda para diversos lugares do país.
Pela manhã e à tarde, a programação é voltada para o público adulto, direcionado principalmente a profissionais e interessados de áreas afins. À noite, o Tapetes Contadores de Histórias se apresenta para a população da região, iniciando a agenda de maio no Teatro Violeta Arraes – Engenho de Artes Cênicas.

Sobre o programa Rumos e o Itaú Cultural

O Itaú Cultural é um instituto privado, ligado ao banco Itaú, e tem como foco a pesquisa, produção, mapeamento e difusão de manifestações artístico-intelectuais. Como uma das formas escolhidas para alcançar este objetivo, abre regularmente editais de apoio à produção e difusão de trabalhos nessas áreas, o Rumos.

Em 2007 a edição de Música contemplou a banda de lata Os Cabinha, que se apresentou no teatro do instituto, localizado na Avenida Paulista, em São Paulo. Atualmente, o Itaú Cultural está com dois editais abertos: Educação, Cultura e Arte, e Artes Visuais. O primeiro selecionará educadores e experiências ligadas à educação não-formal, difundindo os resultados alcançados. O segundo mapeará a produção das artes visuais em diversos seguimentos, e a exemplo do programa de Música, levará a obra dos selecionados para exposição em sua sede.

Visite:
www.fundacaocasagrande.org.br

Por Tânia Peixoto.

90 anos de Dr. Antônio Tavares

.


Hoje completa 90 anos Dr. Antônio Tavares. Segue abaixo uma breve biografia e um depoimento do seu amigo Dr. Iari Lacerda.

Biografia de Dr. Antônio Pires Tavares

Antonio Pires Tavares é filho de Martinho Pires Tavares e Diolina da Glória Araruna. Irmãos Maria Tavares Araruna, Idalina Tavares Araruna, Francisca Tavares Araruna, Edite Tavares Araruna, Zélia Tavares Araruna, Terezinha Tavares Araruna, José Tavares Araruna e Estela Tavares Araruna. Antônio Pires Tavares, nasceu em Missão Nova-CE, no dia 24 de Abril de 1918. A vida educacional e profissional foi marcada por lutas e sofrimento. Iniciou sua vida escolar nas escolas públicas de Missão Nova-CE, Missão Velha-CE, no gionásio do Crato-CE, Colégio Castelo Branco e no Liceu do Ceará. Certo das limitações de seu meio, partiu muito jovem, para o Norte do País, Belém do Pará, sem contar com ninguém e sem outros recursos que não o seu caráter, força de vontade e preparo intelectual. Pois conhecidos são a inteligência, e o empenho, o despreendimento que aplicava em seus trabalhos. Perseguia-o o ideal de ser médico, mas o destino o colocou no ideal de Cirurgião Dentista, profissão que desempenhou com competência, amor e responsabilidade durante 50 anos, nas cidades de Missão Velha, Jardim, Granito-PE, Caririzinho-PE, Sítio dos Moreiras-PE e Crato-CE. Foi Supervisor Regional de Saúde em diversas cidades da região do Cariri no total de 28 municípios, antes da sub divisão dos municípios da região do Cariri. Dr. Antônio Tavares como é conhecido é formado em Cirurgião Dentista pela Universidade de Belém do Pará no ano de 1944.

Dr. Antônio foi casado com a professora Maria Celme Novais Tavares da cidade de Jardim-CE, teve 6 filhos, Maria Ceulia, Antônio Célio, Francisco, Maria Zita e Maria Célia, teve 15 netos, conviveu uma vida conjugal e harmoniosa durante 51 anos é modelo de equilíbrio, sobriedade e firmeza, virtudes que, a par de extraordinário bom senso e fino discernimento permitiram-lhe orientar para a vida seus descendentes. Ficando viúvo, contraiu 2ª núpcias com a professora Lúcia Maria de Oliveira Castro Pires Tavares. Dr. Antônio trabalhou em seu consultório odontológico na cidade de Crato-CE durante 33 anos. É funcionário público aposentado, trabalhou na 3ª DERES Crato-CE, Posto de Saúde e Policlinica Cirandinha. Participou de vários congressos, simpósios de saúde pública realizados sob égide da Associação Brasileira de odontologia e da Secretaria de Saúde do Estado do Ceará. Fez curso em Pernambuco, sob a coordenação da SUDENE. Dr. Antônio, como é conhecido por todos é pessoa querida, respeitada e admirada por uma legião de amigos que conquistou ao longo de sua vida. É um exemplo de vitalidade, perseverança, experiência de vida e vontade de viver, admira à vida vivendo cada minuto com lucidez, amor e alegria, tem uma vida social ativa, participa de várias entidades, gozando de uma boa convivência entre familiares e amigos.

Homenagem aos 90 anos de vida

Dr. Antônio Tavares eu conheci dois: o primeiro, quando era criança, meu vizinho na rua D. Quintino em Crato. Todos os dias nos encontrávamos; ele saia para o trabalho e eu e meus irmãos para o colégio. Sempre alegre nos dizia: "o estudo é a melhor maneira de vencer na vida". O segundo Dr. Antônio, o colega que, enquanto exerceu a profissão, via a odontologia como uma religião. A seriedade e honestidade nos trabalhos; a habilidade nas cirurgias e a caridade com os pobres eram seus dogmas. Antônio, o colega que não media esforços para educar seus seis filhos. Atravessava noites em seu consultório na Av. Duque de Caxias e depois, na Tristão Gonçalves, no Palácio do Comércio, tendo sua primeira esposa D. Celme, como secretária. Sempre à tarde, após o expediente nos encontrávamos na Praça Siqueira Campos. Ele, Dr. Francisco Parente e eu. Ali recebíamos verdadeiras lições de vida, ministradas por aquele que teve uma vida profissional muito difícil. Inicialmente, viajando em lombo de cavalo, depois de Jipe sob o sol e chuva. A broca para remoção de cáries era movida a pedal. Finalmente, chegou a evolução e Antônio se adaptou com maestria à broca turbinada e as resinas foto-polimerizáveis. Estes foram os Antônios os quais tive a felicidade de conhecê-los e conservá-los como amigo e mestre, durante todo esse tempo. E hoje, comemorando seus noventa anos, casado com a professora Lúcia Castro guarda a mesma seriedade, honestidade e amizade a todos que o conhecem.

Feliz 90 anos!

De seu amigo,

Iari Lacerda