20 abril 2008

Boa notícia: 109 ruas do Crato serão asfaltadas a partir de Maio.


O prefeito do Crato Samuel Araripe esteve na última semana em Fortaleza, quando foi recebido pelo Governador do Estado, Cid Gomes. Na oportunidade apresentou uma série de reivindicações ao governador, com destaque, pediu apoio para recuperar a infra-estrutura do Crato danificada com as chuvas fortes que estão caindo este ano. O governo se comprometeu em contribuir para recuperação da infra-estrutura do Crato. A Prefeitura já concluiu a licitação e vai construir calçamento em 37 ruas da cidade. As obras começam tão logo termine o período chuvoso. Já em maio será iniciado o processo para asfaltamento de 109 ruas na cidade.


Fonte: Blog da Prefeitura do Crato
.

Gol anuncia novo vôo para Juazeiro do Norte

Começou a venda de passagens para o novo vôo diário que a GOL operará a partir do dia 12 de maio, ligando Juazeiro do Norte a Recife. O vôo 1810 sairá de Recife às 14h40min, chegando a Juazeiro às 15h30min. O vôo de volta, o 1811, decolará do Aeroporto Regional do Cariri às 16 horas, pousando nos Guararapes às 16h50min. Agora, com dois vôos diários da GOL — o outro é de Juazeiro do Norte para Fortaleza — e quatro da Oceanair, o Aeroporto Regional do Cariri totaliza seis vôos comerciais diários. Para que se tenha uma idéia do que isso quer dizer, basta informar que o aeroporto de João Pessoa opera sete vôos diários. É por isto que o terminal caririense será ampliado e reformado.

Fonte: Site Miséria

A Mídia Sensacionalista - Ou - Porquê toda essa celeuma em torno do caso da garota Isabella, quando outras crianças padecem da mesma forma todo dia.



Sangue na TV - A mídia sensacionalista

A palavra 'ruminar' vem do latim ruminare e significa remastigar, remoer. Por esta razão, animais como os bois são chamados de ruminantes, pois remastigam constantemente seu alimento.

Trazendo para o contexto humano, e mais especificamente para o meio midiático, esta palavra tem perfeita aplicação aos veículos de comunicação sensacionalista, sejam eles telejornais, jornais, internet ou o que for.

Não quero citar nomes, até porque não há necessidade, mas a demagogia e a má-fé com que eles exploram a dor e o sofrimento alheio é tamanha que extrapola até o senso do ridículo. Você sabe que determinado programa de TV ou jornal é trash, mas chega a um nível de sensacionalismo tão repetitivo e exaustivo que torna-se maçante, repugnante. Não tem estômago que aguente, todos os dias, você ler no jornal ou assistir na TV, o mesmo fato e seus desdobramentos, que na linguagem jornalística, ganha o nome de suítes.

Tudo bem. Dá-se um desconto porque é obrigação de todos os veículos de comunicação levarem ao público informação com o máximo de imparcialidade, credibilidade, desprovido de juízos de valores imediatos (ou não), mas é tanta histeria, tanto alarido em torno de alguns casos, que eu me recuso, às vezes, a assistir determinados programas de TV, ler jornais ou navegar em alguns sítios da rede.

Às vezes, eu me questiono o porquê dos veículos de comunicação explorarem tanto o caso do filho que roubou para comprar um remédio de que a mãe precisava. Muitos deles alegam estarem prestando um serviço, mas não seria melhor mobilizar ajuda e pagar a fiança desse cidadão que agiu em momento de desespero? Não legitimo condutas como essa, mas alguns passam por situações desesperadoras na vida, e a última coisa que se imagine é ver a dor de uma mãe doente e triste com a prisão de seu filho exposta na mídia como se fosse peça de museu. Todos sabem porque ele fez isso, mas o vício midiático chega a ser nauseante, repulsivo, abominável... Tem que ser muito sádico e cínico para assistir de camarote uma tragédia como essa.

Nos últimos dias, tenho observado a cobertura do caso da menina que foi jogada da janela do edifício onde seu pai mora. Até o presente momento, supõe-se que o pai tenha sido o autor do crime, mas as investigações que foram feitas não chegaram a uma conclusão oficial. Diante disso, jornais, e principalmente os programas de TV, exploram minuciosamente o caso e, na ânsia de dar um furo de reportagem (uma ambição comum a muitos jornalistas, novatos ou experientes, e até estimulada pelos meios de comunicação), se antecipam aos fatos, dando margem a interpretações dúbias, infringindo seriamente o código de ética da profissão.

O jornalista tem por dever informar, e não julgar fatos e pessoas. Ele é o emissor da mensagem, e não o perito, a autoridade policial, o delegado, investigador ou o juiz responsável pelo caso.

O jornalismo sensacionalista merece, na verdade, outra denominação: jornalixo. Com raríssimas exceções, esse tipo de mídia só serve para dar lucro aos veículos de comunicação. E só. Não fornece informação imparcial, não dá ao leitor ou telespectador o direito de julgar as informações isento de preconceitos ou juízo de valor e pior do que isso, rumina cem, mil, dez mil vezes a mesma coisa, durante vários dias ou até semanas, sobretudo, o sofrimento da mãe que perdeu o filho para o tráfico de drogas, da mulher que adotou e torturou várias meninas, da brasileira que explorava o comércio sexual nos EUA e por aí vai.

E ainda tem o caso das revistas e dos programas de TV que se dedicam às celebridades do cinema e da TV. Esses são capazes de estampar na capa de suas edições, com todo o estardalhaço a que têm direito: 'Paris Hilton compra calcinha vermelha' ou anunciar um teaser na TV com a seguinte mensagem: 'Mistério! Imperdível! Carla Perez fica trinta minutos no banheiro'.

Como tem público para isso, infelizmente essas mídias têm sua fatia de mercado e sua capacidade de perverter informações e explorar a miséria alheia assegurada. Infelizmente.

Ainda bem que, mesmo em meio aos interesses escusos, existem profissionais dignos de confiança e veículos que pautam pela imparcialidade e por um jornalismo isento de preconceitos e juízos de valores equivocados.

Marcel Victor Sousa

Nota do Blog do Crato:
Bravo, Marcel Sousa, eu diria "tirou daqui"... já não aguento mais tanta publicidade em cima do crime da pequena Isabella. Foi um crime ? foi. Mas todo dia acontecem dezenas ou centenas de crimes parecidos e que nem vêm à tona. Porque será mesmo que a imprensa tá dando tanto cartaz a cada detalhe ? É de se parar pra pensar!


Chega de tanta exploração da dor alheia !

Dihelson Mendonça
.

II Mostra Brasileira de Música Antiga de Araripe apresenta hoje show do violonista Sebastião Tapajós !


Conforme anunciado na sua programação, hoje acontece em Araripe-CE, por conta do II Mostra Brasileira de Música Antiga que acontece em Araripe, um belo show do violonista e compositor Sebastião Tapajós. Um grande músico brasileiro, que com certeza vem a abrilhantar a mostra, assim como o fez o grande Hermeto Pascoal na abertura. Imperdível aos que gostam da boa música !

Conheça mais sobre o artista:

Sebastião Tapajós (n.1944)

Fonte: website: Ejazz

Paraense de Santarém, Sebastião Tapajós começou a estudar violão aos nove anos de idade, tendo seu pai como professor. Mudou-se para Belém e depois, em 1963, para o Rio, sempre continuando os estudos de violão clássico. Em 1964 foi para Portugal, onde se formou no Conservatório Nacional de Música de Lisboa. Depois estudou na Espanha com o famoso mestre Emilio Pujol, formando-se no Instituto de Cultura Hispânica. Depois de completar os estudos, voltou primeiro para Belém e depois para o Rio, procurando iniciar uma carreira de concertista. O evento que deu impulso decisivo à sua carreira foi a execução da obra-prima de Villa-Lobos, o Concerto para Violão e Pequena Orquestra, com a Orquestra Sinfônica Nacional no Teatro Municipal do Rio. A partir daí seguiram-se vários convites para concertos no Brasil e no exterior.

Nos anos seguintes, Tapajós foi mergulhando cada vez mais na música brasileira, tanto como compositor quanto como intérprete, pesquisando ritmos e temas populares e folclóricos. Essa pesquisa lhe possibilitou gravar vários discos formados exclusivamente por composições próprias, vazadas em um idioma musical genuinamente brasileiro. Porém não deixou de tocar composições de outros autores, como Tom Jobim, Baden Powell, João Pernambuco, Astor Piazzolla e outros. Igualmente continuou exercitando seu lado de solista clássico, interpretando peças de Heitor Villa-Lobos (de quem gravou em 1993 os famosos Estudos e Prelúdios, tão cultuados por todos os violonistas), Agustin Barrios, Antonio Lauro e Guido Santórsola, entre outros.

Tapajós é hoje um músico consagrado na Europa, onde se apresentou um sem-número de vezes durante as últimas décadas, particularmente na Alemanha. Naquele país o disco Guitarra Criolla foi eleito disco do ano em 1982. Ao longo da carreira, Tapajós gravou mais de 50 discos. Recebeu mais de 20 prêmios, tendo sido eleito melhor músico brasileiro em 1992 pela Academia Brasileira de Letras. Tocou com Gerry Mulligan, Astor Piazzolla, Oscar Peterson, Paquito D’Rivera, Zimbo Trio, Maurício Einhorn, Hermeto Pascoal, para mencionar apenas os principais. Tapajós sofreu um enfarte em junho de 2001, mas em setembro do mesmo ano já estava de volta aos palcos, apresentando-se no Teatro Municipal de Niterói.

O estilo de tocar de Sebastião Tapajós é vigoroso e incisivo, e o som que tira do instrumento é cheio e encorpado. Ele gosta de utilizar efeitos percussivos, variações de timbre (do som mais doce, tocando próximo à boca do instrumento, ao mais metálico, próximo ao cavalete do instrumento), sons harmônicos, repetição ritmada de acordes em ostinato e outros recursos.

(V.A. Bezerra, 2001)


Por: Dihelson Mendonça
.