21 março 2008

Ajuda: Inclusão Digital em Missão Velha

Anselmo é um simpático senhor, na casa dos 60, que mora na igualmente simpática cidadezinha de Missão Velha. Ele mora sozinho, é deficiente visual, sofre de diabetes e não possui mais uma das suas pernas, vivendo praticamente em uma cadeira de rodas. Imaginem só a dificuldade, caros amigos do Blog do Crato, mais ainda quando se é pobre e dependente da ajuda e da boa vontade de alguns vizinhos.

Apesar de tudo ele é muito alegre e nem de longe deve ser visto como um "coitado", ele tem certa autonomia em relação a condição física e total autonomia mental, tem um amplo conhecimento (mesmo cego, na sua juventude já viajou pelo país, morou até no RJ), é apaixonado por música, radioamadorismo e como não poderia deixar de ser, a informática. Inclusive ele está aprendendo inglês agora graças a algumas lições que um amigo lhe envia, devidamente escritos em Braille. Legal né? Dihelson Mendonça, o líder desta "caravana da coragem", conhece o Sr Anselmo muito bem, e até pode, nos comentários, falar algo sobre ele.

O computador é, sem sombra de dúvidas, o seu principal artefato. Ele usa o computador para escrever e ouvir seus textos, ouvir musica, aprender e, enfim, passar o tempo, e olha que não acessa a internet, menos ainda sabe da existência deste Blog. Duvidam? precisam ver ele manejando o teclado do computador com tanta destreza, até teclas de atalho do sistema DOSVOX, o programa de assistência que ele utiliza.

Porém, o computador que ele possui é muito antigo (que ganhou via doação por alguns americanos) e está com problemas. Só o fato do computador ser muito antigo já impossibilita o uso de outros programas e recursos sonoros de que ele precisa para usar a máquina. Quando o computador estava funcionando, ele usava o sistema DOSVOX que, através de uma voz sintetizada, "falava" tudo que ele fazia. Agora, nem isso. o Sr Anselmo está triste.

Ele precisa de um computador novo, ou pelo menos mais moderno, para que possa usufruir de todas as maravilhas que a informática nos proporciona hoje, novos programas de assistência, como o Jaws e o Virtual Vision, novas versões do Windows, editores de texto, editores de áudio e quem sabe a tão sonhada conexão à Internet.

Assim, escrevo pela primeira vez neste Blog para pedir, em nome do Sr Anselmo, um computador novo para ele. Um computador novo, nessas grandes lojas de varejo não custam mais de 900 reais, e acredito que a maioria dos leitores e participantes do Blog tenha condições de fazer alguma contribuição, ainda mais em se tratando do Sr Anselmo que tem o computador como seu grande "amigo".

Para não deixar o post muito longo e não "quebrar o protocolo" deste blog mais do que já fiz, me coloco a disposição para maiores esclarecimentos sobre ele, onde ele mora, endereço e telefone, o que faz, como eu o conheci, o que eu tenho a ver com isso, se isso é verdade ou não, através do meu email: valdirsjr@gmail.com

Espero sinceramente pela ajuda de vocês!

Grande Abraço e Obrigado pela atenção!


Valdir Silveira Junior
valdirsjr@gmail.com
http://enlabs.net/blog

Nunca antes na história deste país, "No quartel de Abrantes, tudo continua como dantes"

PROJETOS DE IRRIGAÇÃO 'SECAM' NO NORDESTE

Enquanto as obras de transposição avançam no Rio São Francisco, chegando às margens em Cabrobó, a 531 quilômetros de Recife, investimentos milionários estão esquecidos. 38 grandes projetos contra a seca no sertão nordestino estão abandonados e/ou atrasados, por falta de verbas, planejamento e gestão. Palavras do Hidrólogo Manoel Bonfim Ribeiro, ex-diretor da CODVASF/ Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e Parnaíba.
Em excelente matéria do Jornalista José Maria Tomanela, enviado especial à Petrolina, do jornal “Estado de São Paulo”, da data de hoje, 5ª feira, 20/03/2008, no Caderno Especial comemorativo do “Dia Mundial da Água”.


** *** *** ***

Comentário de quem postou a matéria: O governo federal, provavelmente, não dá continuidade a essas obras pelo fato de que com pouco dinheiro elas seriam concluídas. Elas não interessam às empreiteiras


Já a discutível transposição do São Francisco, orçada entre 4,5 a 6 bilhões de reais...

Curiosidades - Por que se come bacalhau na Páscoa?

.
Ovos de chocolate, coelhos de chocolate, caixas e mais caixas de bombons – de chocolate. Embora a guloseima feita de cacau e leite seja um dos pontos fortes das tradições culinárias da Páscoa, é o bacalhau o rei da festa. O peixe salgado e seco, de sabor marcante, saiu da mesa da família real, em 1808, e ganhou as panelas da plebe brasileira nos anos seguintes. De lá pra cá, o consumo teve altos e baixos, pois o preço da iguaria sempre esteve atrelado ao dólar. Hoje, mesmo com a moeda americana em baixa, os preços ainda são tão salgados quanto o peixe: variam de R$ 30 a R$ 100 o quilo, de acordo com a variedade (cod, ling, zarbo ou saithe) e o pedaço (lombo, lascas, rabo ou pontas). Mas como um prato típico do mar frio da Noruega e da Islândia veio aportar no Brasil? A história do gadus morhua, nome científico do bacalhau, remonta o tempo dos vikings. O peixe abundava nos mares onde os filhos de Thor navegavam lá pelo século 9. Para preservar o alimento durante as longas viagens, eles secavam o peixe ao ar livre até que ele perdesse um quinto do seu peso, endurecesse e pudesse ser comido aos pedaços durante as viagens. Mas foram os bascos, na Espanha, que tiveram a idéia de salgar o pescado para preservar o alimento por mais tempo e facilitar o comércio. A partir de então, o bacalhau ganhou a aparência e o sabor marcante que conhecemos hoje. Mas imagine a revolução na alimentação que a cura e a salga do peixe não provocaram naquela época. Como ainda não havia geladeira, os alimentos estragavam facilmente, e o bacalhau curado e salgado durava meses.
Claro que tamanha revolução acabou em guerra. No século 16, França, Portugal, Inglaterra e Alemanha lutaram pelo controle da pesca do bacalhau no mar da Islândia. E ao longo dos séculos seguintes, vários tratados internacionais foram assinados para regular os direitos de pesca e comercialização do peixe. Mas e o Brasil, onde entra nisso? Como todos sabem, o Brasil foi descoberto e colonizado por portugueses, que eram grandes consumidores do pescado na época. Eles usavam o bacalhau como alimentação principal nos navios durante a época dos descobrimentos. Para evitar uma possível falta do produto, os portugueses até tentaram o mesmo processo de salga do bacalhau com outros peixes, mas não deu lá muito certo. Ora o sabor se perdia, ora o peixe curado não durava tanto. O que dava vantagem ao bacalhau é que por ter um baixo teor de gordura, o bacalhau tem seus nutrientes e sabor preservados durante o processo de cura, salga e secagem. Essa característica transformou o bacalhau em hábito alimentar dos portugueses, que até encontraram uma variedade do peixe no Pacífico Norte, lá pelos lados do Alaska (o Cod Gadus Macrocephalus) para suprir a falta do bacalhau norueguês. Até hoje, o peixe é uma das tradições principais.

O bacalhau aportou no Brasil junto com os primeiros portugueses, mas só com a vinda da família real para cá, em 1808, é que ele foi incorporado aos hábitos alimentares brasileiros. De 1808 até a Segunda Guerra, o bacalhau era um produto relativamente barato (mesmo sendo importado da Noruega) e fazia parte até da dieta da população de menor poder aquisitivo. Pratos à base do peixe eram consumidos à farta nas sextas-feiras, nos dias santos e nas festas familiares. Mas com a Segunda Guerra veio a escassez de comida na Europa, e o preço do bacalhau foi às alturas, restringindo o consumo popular. O peixe virou artigo de luxo, e passou a freqüentar as mesas brasileiras somente no Natal e na Páscoa, as principais festas cristãs.
Aliás, a religião é o motivo pelo qual o bacalhau se trnasformou em tradição na Páscoa. Durante a Idade Média, a Igreja Católica obrigava seus fiéis a jejuar e a excluir de suas dietas carnes consideradas quentes. O número de dias de abstinência era grande e não ficava restrito somente à Quaresma, o período de 46 dias entre a Quarta-feira de Cinzas e o Domingo de Páscoa. O consumo do bacalhau, uma carne fria, era incentivado nesses dias de abstinência. Os portugueses, católicos e amantes do bacalhau, eram os maiores consumidores. O hábito do bacalhau nos dias de jejum veio para o Brasil com os portugueses. Ao longo dos anos, porém, o rigor do calendário de jejum católico se perdeu, mas nas datas mais expressivas da religião – Natal (Nascimento de Cristo) e Páscoa (Ressurreição de Cristo) - o hábito de comer bacalhau ainda persiste.

O cardápio da Páscoa, porém, mantém outras tradições. Bacalhau na Sexta-Santa, cordeiro e ovos de chocolate no Domingo de Páscoa. E para que você aproveite um pouco dessa tradição, este artigo termina com duas receitas típicas portuguesas para o bacalhau: Bolinho de bacalhau e Bacalhau na brasa com batatas coradas.

Enviado por Alexandre Sales

(Fonte http://lazer.hsw.uol.com.br/bacalhau-da-pascoa.htm)
( Fotos: www.auniao.com e www.zedoqueijo.com.br )
.

Fundação Mestre Elói - Programação Judas 2008 - Crato - CE

DIA 22 DE MARÇO DE 2008 – SÁBADO DE ALELUIA
CENTRO CULTURAL DO ARARIPE – CRATO – CEARÁ


PROGRAMAÇÃO
14 horas – Concentração com Forró Pé-de-Serra Eduardo Júnior e Filhos do Crato: Bodega do Joquinha (rua dos Cariris, no pé da ladeira)
15 horas – 1. Cortejo do Judas, acompanhado pelo Grupo de Caretas do Distrito da Bela Vista, Banda Cabaçal dos Irmãos Aniceto, Catirinas e Mateus, Boi, Burrinha e Jaraguá de reisados locais, por atores em seus personagens regionais Chica Curuja (Joseany Oliveira), Geroplícia (Orleyna Moura), Tranquilino Ripuxado (Pedro Ernesto Morais), Coroné Barduíno (Adauberto Amorim), Luizinho Brega Star (Luiz Benuí Taveira – Tio Bibi), Zé Bocoió (Aécio Ramos), Maria Matusquela (Teresa Ramos), Zé de Baca (Cacá Araújo), Chicó (Flávio Rocha), Lôra do Banhêro (Paula Amorim), Medusa Bombril (Andecieli Martins), Catirina Beiçuda (Carla Hemanuelle), Mané Cachiado (Feitosa Chaves), Ciça Tanajura (Jonyzia Fernandes), Mimosa Pitombêra (Charline Moura), Genoveva Truçui (Tereza Cândido) e Mafalda Pereba (Bruna Giselle), Cão Perna-de-Pau (Josernany Oliveira), Serpente Perna-de-Pau (Joênio Alves), Mateus Perna-de-Pau (Felipe Tavares) e Dona Pomba Perna-de-Pau (Mariana Nunes). Seguem animados com carro-de-som pelo trecho: Centro (Bodega do Joquinha, rua dos Cariris) – Praça 3 de Maio – Praça Siqueira Campos – Bar do Gil – Rua da Vala – Av. Duque de Caxias – Rua São Francisco – Rua Mons. Assis Feitosa – Largo da RFFSA (Centro Cultural do Araripe).
17 horas – 1. Chegada ao Sítio do Judas, montado no Largo da RFFSA, onde o traidor permanecerá até a hora de seu julgamento e malhação, sob a vigilância dos Caretas; 2. Tradicional roubo do Sítio do Judas: Os Caretas vigiam o sítio montado e açoitam com chicotadas os que ousarem roubar. A façanha é sair do sítio sem apanhar (e com o roubo).
19 horas – 1. Balé aéreo no tecido: O Cão e a Serpente no gogó do condenado (com o Circo-Escola Alegria); 2. Leitura do Testamento do Judas, elaborado em versos (cordel); 3. Malhação do Judas, com show pirotécnico e artistas circenses com perna-de-pau e malabares de fogo.
20 horas – 1. Forró pé-de-serra com Sílvio Clay e Trio Flor do Pequi; 2. Show musical brega, com Fábio Amorim e Luizinho Brega Star
23 horas – Encerramento.

Por: Cacá Araújo.

Nota do Blog do Crato:
Pelo jeito, essa festa do Judas 2008 ainda vai dar muito o que falar, hein ?

.

Nota de Repúdio da Frente Cearense Por uma Nova Cultura da Água sobre a escolha de Dom Cappio para Judas 2008.


- Contra a Transposição do Rio São Francisco -


NOTA À SOCIEDADE SOBRE A ESCOLHA
DE DOM LUIS CAPPIO COMO “JUDAS” PELA FUNDAÇÃO DO FOLCLORE MESTRE ELOI, NO CRATO-CEARÁ

P
esquisando sobre a origem da brincadeira do Judas, vimos que sua existência é secular. É, poder-se-ia dizer, uma tradição. Como tem sido, na região chamada de Nordeste e no estado chamado Ceará, uma tradição os papangus, os caretas, a queimação mesmo do Judas — dentre tantas outras manifestações culturais que têm lugar quando da Semana Santa. O que, contudo, nos chamou deveras a atenção, foi a forma como Dom Luis Cappio, Bispo da Diocese de Barra/BA, foi apresentado nessa enquete — que tem toda uma formalização, transformando a brincadeira em coisa séria: ata de instituição da votação (o chamado “Colégio Eleitoral Brincante”), constituição de uma comissão eleitoral, eleição de membros para essa comissão, eleição dos “candidatos” a Judas e toda uma organização para que a eleição transcorra ao longo de bares, restaurantes, escolas, instituições culturais etc. Diferente dos demais, o nome de Dom Cappio, sendo o primeiro da lista, merece não uma ou duas frases, como a maioria dos “candidatos”: são quase 10 linhas de digressão, nas quais se o acusa de: “ser contra a Transposição do Rio São Francisco, fazendo, inclusive, greve de fome, atitude tresloucada que revela a dimensão da mesquinharia dos seguidores do finado baiano egoísta, criminoso e corrupto, Antonio Carlos Magalhães, e dos políticos tucanos paulistas e do DEMo, que não escondem seu ódio pela população do Nordeste. A transposição beneficiará o crescimento econômico e a sobrevivência de milhares de nordestinos, principalmente do Ceará, Paraíba e Rio Grande do Norte. Dom Luiz parece não ter aprendido a lição de Cristo, que pregava a divisão do pão. Dividamos, pois, a água, ‘para que todos tenham vida’".

E para que se tenha uma idéia mais precisa da lista em que consta Dom Luis Cappio, ele se encontra em meio ao: Trem Cariri, Estuprador, Bush, Cartão Corporativo, Fernandinho Beira-Mar, Drogas, Hitler, Ingratidão e Salário Mínimo — num misto de coisas, sentimentos e pessoas que, a princípio, nos soa no mínimo incoerente. Deveríamos, talvez, nos perguntar o porquê de Dom Cappio ser o escolhido para Judas entre vários personagens da história mundial, antigos déspotas e grande malfeitores da humanidade: o que está por trás dessa proposta direcionada exatamente contra um bispo no Nordeste, grande conhecedor da realidade onde é pastor, há tantos anos?... A despeito das informações equivocadas, tanto sobre o ato quanto sobre o próprio bispo e, mesmo, sobre o objetivo da transposição (que não é, nem nunca foi — e dificilmente será o de “dividir água para que todos tenham vida”), surpreendeu-nos a campanha explícita no discurso da enquete contra a figura de Dom Luis Cappio.

Vale dizer: contra os que são contrários ao projeto de transposição — como se, reflitamos, fossem os sujeitos do Blog do Crato e dessa brincadeira detentores de “verdade absoluta” sobre o projeto de transposição, sobre Dom Cappio, sobre o Nordeste, sobre o Ceará... enfim. E aqui nos posicionamos, uma vez mais, não só contra o projeto de transposição, mas contra todo o tipo de intolerância. Contra o projeto porque a nós ele nos parece o absurdo — já que não intenta de forma alguma a solução para os problemas da chamada seca, mas tão somente a concentração de renda nas mãos de quem já a detém. Contra a intolerância porque ela, sim, é o germe que impossibilita a convivência pacífica entre os povos, provoca o ódio, a guerra, a destruição (palavras que retiramos da própria enquete, num outro trecho do seu texto). Lamentamos, assim, que uma tradição tão bonita quanto a dos brincantes no Cariri se aproveite dessa ocasião para perpetrar a intolerância. Nunca é demais lembrar o papel do discurso para a construção de uma sociedade democrática — que é outro pleito, nos parece, apresentado na própria enquete.
Nesse sentido, repudiamos não a brincadeira, mas o discurso construído em torno da figura de Dom Luis Cappio — ao qual reputamos o maior respeito e a maior gratidão pelo gesto desinteressado e evangélico em favor das populações e do Rio São Francisco! Repudiamos, assim a intolerância, o preconceito, o autoritarismo contido nesta enquete, sua manipulação, seu resultado! Ao mesmo tempo, solidarizamo-nos com todas as pessoas, da cidade do Crato, do
Cariri e de outras regiões do Ceará e do Brasil, que se indignam com esse tipo de arbitrariedade. E dispomo-nos, por fim, ao debate, em qualquer momento, para discutir o projeto de transposição, o modelo de desenvolvimento a que ele está vinculado, as nefastas conseqüências que ele trará — respeitosamente.

FRENTE CEARENSE POR UMA NOVA CULTURA DA ÁGUA E CONTRA A
TRANSPOSIÇÃO DAS ÁGUAS DO RIO SÃO FRANCISCO:
· Associação Missão Tremembé
· Cáritas Brasileira Regional Ceará
· Comissão Pastoral da Terra – CPT/CE
· Conselho Pastoral dos Pescadores – CPP/CE
· Esplar
· Fórum Cearense de Mulheres– FCM
· Fórum em Defesa da Zona Costeira do Ceará
· Instituto da Memória do Povo Cearense – IMOPEC
· Instituto Terramar
· Movimento dos Atingidos por Barragens – MAB/CE
· Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra - MST/CE
e FÓRUM CEARENSE PELA VIDA NO SEMI-ÁRIDO

Fortaleza, 14 de março de 2008
.

Nota do Blog do Crato:

O Blog do Crato se exime de quaisquer responsabilidades ao publicar matérias que defendam interesses contraditórios como esses aí acima. Creio que numa democracia, deve-se dar oportunidades a todos os lados de uma questão. portanto, quero salientar que não aceitaremos ser atacados e inclusos na lista de qualquer lado, porque nossa função é simplesmente publicar uma notícia. Ao realizar a referida enquete, a pedido da fundação "Mestre Elói", o Blog do Crato realizou uma tarefa de expor à sociedade Cratense a possibilidade de votações em "N" candidatos. Havia muitas escolhas. O povo votou em Dom Cappio. Não adianta culpar a chuva por falta de guarda-chuva, nem a feira ruim pelo fato de ser cego. As opções estavam lá, e se alguém pode ter alguma culpa na votação, são exatamente aqueles que votaram, ou seja, o povo, o mesmo povo que escolheu "Soltem Barrabás". Portanto, estamos pubicando essa nota fornecida pela "Frente Cearense por uma nova Cultura da Água", mas fazendo a devida ressalva de que o Blog cumpre o papel de divulgar as matérias pertinentes a todos os lados. Não culpem o jornal pela notícia. Procurem a fundação Mestre Elói que foi quem promoveu e realizou a enquete.

Atenciosamente,

Dihelson Mendonça - Blog do Crato
.