10 fevereiro 2008

CRATO! E AGORA?


Qual o impacto da Globalização no Cariri? Em que isso pesará no futuro do Crato? A resposta a estas perguntas vale o esforço de formulá-las? Pensar em Globalização não seria um modismo da hora?

Em primeiro lugar, a Globalização compreende a intensa troca de mercadorias entre os continentes, especialmente no Pacífico, dado o peso relativo dos países asiáticos em relação a este comércio mundial. Quem quiser compreender o que vem ocorrendo nos EUA, a nação mais bem aquinhoada com o fim da Guerra Fria, pense no impacto da Globalização sobre eles. Os EUA se dividiram em três partes, duas pujantes uma no Atlântico, a costa leste e a outra no Pacífico, a costa oeste e no meio um grande interior ressentido.

O Crato e o Cariri poderiam se tornar este grande interior ressentido? Isso deve ser considerado na agenda das Universidades que atuam na região, das suas instituições de comércio e indústria e naquelas da cultura. O horizonte imediato é preocupante.

Desde os anos 80 a região metropolitana de Fortaleza passou por mudanças tão profundas que é evidente o relativo atraso do interior, especialmente do Cariri. Com o turismo marítimo, a vinda de investimento em lazer, o moderno Aeroporto e o Porto do Pecém com sua infra-estrutura para uma indústria de grande porte, fecha-se um ciclo perigoso para o interior.

Com a siderúrgica do Pecém o capital acumulado na região metropolitana será tão maior que o do interior, se prevendo uma queda geral das prioridades para as regiões mais afastadas. O mais importante disso tudo é que a velha estrutura familiar baseada na terra perdeu de vez a capacidade de gerar lideranças e reproduzir vontades locais. O prefeito do Crato é um homem moderno, filho de um outro que governou a cidade nos finais dos anos cinqüenta. Na entrevista feita com Dihelson para o Blog do Crato, Samuel tem uma não agenda de governo, tudo dependia da sociedade ou de verbas vindas de fora.

Por outro lado o debate tem de se qualificar em termos da realidade local, sem perder de vista os movimentos da globalização ainda em curso de ajuste. Todos sabemos, por exemplo, que a base econômica do movimento em torno do Padre Cícero e por conseqüência do Cariri, foi o algodão nordestino. Tudo começa com a guerra de secessão nos EUA e a conseqüente destruição dos algodoais do sul. A Inglaterra, em plena revolução industrial, está ávida por algodão e o nordeste é uma alternativa vantajosa.

Acontece que no Juazeiro, ou melhor no Cariri, esta antiga internacionalização da economia exportadora se deu muito por oferta de mão-de-obra de reserva no período da apanha. O padre Cícero chegava a arregimentar até cinco mil homens nestas tarefas. Imaginem o quanto isso tudo serviu de contenção das tensões sociais da época.

Agora a situação não é a mesma e nem nos mesmos termos. Não basta termos o conhecimento histórico ele não nos serve a não ser para sentirmos a necessidade de aprofundar a questão. Sei que isso é pouco provável, mas o futuro da região deveria ser uma forte preocupação dos formadores de opinião para as próximas eleições.

Carta de uma mãe a seu filho Mateus ! - Por Mônica Araripe

.
Recebi esta linda mensagem enviada por Mônica Araripe, e que simbolizou muito uma luta que foi de todos nós:

"Hoje passei o tempo todo pensando no Mateus, ô meu lindo como estou com saudade............ O Lucas nasceu, se bem que você deve tá sabendo, pois sei que estar sempre por perto e cuidando de todos, olhei tantas fitos suas, sorri, chorei!!! que sorrisso lindo o seu. Mil beijos!!!"

Mônica Araripe.

Carta de Clarissa (mãe do Mateus) 1 mês da sua partida.

"Mateus, filho desejado, querido, amado, imensamente amado... que partiu deixando em mim um vazio, uma saudade indescrítivel, imensurável. Em nove meses de tratamento passamos por situações jamais esperadas, o tratamento é uma delas, uma caixinha de surpresas dolorosas que só quem tem um filho doente é que sabe. A rotina é triste e devastadora para qualquer família. A missão do Mateus era de despertar na sociedade o amor e a solidariedade que existia dentro de cada pessoa, mas a nossa ainda continua... preciso dar vazão ao sofrimento vivido pelo meu pequeno herói, transformando a minha dor de mãe em esperança para muitas pessoas que se encontram nessas situações. Agradeço a todos doadores, aos que por algum motivo não puderam doar e se tornaram torcedores do Mateus. A linda campanha que foi feita por todos e nos encheu de esperança e orgulho. Agradeço a equipe de profissionais que cuidou com carinho, competência, respeito e atenção do ser humano Mateus e lamento por alguem que tem como a técnica médica a sua única aliada para a cura do câncer, infelizmente apesar do massacre pela doença, ainda passamos desnecessariamente por massacres humanos... a vida o ensinará!

Agradeço em nome de toda a minha família.

Clarissa Cariri Araripe de Aquino
.

Há 170 anos George Gardner chegava ao Cariri

Uma vida breve e rica! Assim poderia ser sintetizada a existência de George Gardner, Naturalista, Botânico Memorialista, Intelectual, Pesquisador, Escritor, Ensaísta e Cientista inglês, nascido em Glasgow, Escócia, no dia 02 de maio de 1812. Naquela cidade, ele iniciou seus primeiros estudos. Graduou-se em Medicina e Botânica. Muito jovem, aos 24 anos, iniciou uma visita de estudos ao então Império do Brasil.

Fruto dessa viagem – feita com o objetivo de estudar, observar e pesquisar o Império dos Trópicos – foi a publicação, em 1846, três anos antes da sua morte, de um livro somente um século depois traduzido para o Português por Albertino Pinheiro, com o título “Viagem ao Interior do Brasil”. (São Paulo: Cia. Ed. Nacional, 1942. 468 p.)

Chegada ao Cariri

Ao final da tarde do dia 9 de setembro de 1838, após ter cavalgado sobre terra plana e arenosa, de ter contemplado grandes plantações de cana, onde sentiu o cheiro do mel vindo dos engenhos de rapadura, a invadir a atmosfera com seu aroma adocicado, George Gardner avistou Crato. Extasiado com a beleza da localidade, ele escreveu as linhas abaixo:

"Impossível descrever o deleite que senti, ao entrar neste distrito, comparativamente rico e risonho, depois de marchar mais de trezentas milhas através de uma região que, naquela estação, era pouco melhor que um deserto.

A tarde era das mais belas que me lembra ter visto, com o sol a sumir-se em grande esplendor por trás da Serra do Araripe, longa cadeia de montanhas, a cerca de uma légua para Oeste da Vila, e o frescor da região parece tirar aos seus raios o ardor que pouco antes do poente é tão opressivo ao viajante, nas terras baixas.

A beleza da noite, a doçura revigorante da atmosfera, a riqueza da paisagem, tão diferente de quanto, havia pouco, houvera visto, tudo tendia a gerar uma exultação de espírito, que só experimenta o amante da natureza e que, em vão eu desejava fosse duradoura, porque me sentia não só em harmonia comigo mesmo, mas “em paz com tudo em torno".
(Armando Lopes Rafael)


+ FLASH'S dos 90 anos de Monsenhor Ágio

Mais Flash’s das festividades dos 90 anos de existência do Monsenhor Ágio em continuidade à brilhante cobertura de Carlos Rafael Dias. Estiveram por lá: O Presidente ICC Nezin Patrício, Dr. Orestes, o Escritor e Intelectual Napoleão Tavares, O jornalista Huberto Cabral, Professora Isaíra Silvino e Esposo. A Regente Divane Cabral, Professor João Pierre, Professor e Compositor Zé Nilton, o Jornalista Luiz José, Bispo Dom Panico, Fabíola Alencar, Professor Miguel, Intelectuais, Autoridades, bem como toda a comunidade do Belmonte e cratenses que foram prestigiar as cerimônias de encerramento. Ficam merecidos parabéns aos organizadores do evento, moradores da comunidade, gente simples e realizadora!

Monsenhor Ágio, embargado de emoção, faz um discurso de agradecimento a todos, contando um pouco da sua memorável e exemplar história de vida!

Maestro Felipe comanda a Orquestra por ocasião do lançamento do CD com as músicas do Pe. Davi Augusto Moreira, irmão do Monsenhor Ágio.

Nezin Patrício, Presidente do ICC, lê inscrições do diploma que será entregue pelo Intelectual Dr. Napoleão Tavares, em que confere ao Monsenhor Ágio a ocupação no Instituto Cultural do Cariri, da cadeira que pertencia ao brilhante Pe. Davi Augusto Moreira, seu irmão. Presença do Bispo Dom Panico.

Moradores do Belmonte apresetam numeros folclóricos.

Jocélio, exemplo do poder de projeção profissional que a Escola de Música fundada pelo Pe. Ágio alcança. Jocélio veio de Alagoas, só para reverenciar o seu mestre!

"Parabéns pra você", todos cantaram! Momento que antecedeu a um grande almoço aos presentes!

Professora Izaíra Silvino, promessas de retornar ao Crato e apoiar a Sociedade Lírica do Belmonte!

Marquei presença com o grande Jornalista Luiz José.


Fotos: Socorro e Pachelly J.

Carta em defêsa de Davi Arruda - Por Luciana de Oliveira Abath.

Prezado Dihelson !

Parabenizo-o por este blog rico em coisas e pessoas da nossa terra que contribuíram e contribuem de alguma forma para história e "desenvolvimento" desta conceituada Vila. Porque estamos sempre de volta ao passado em que a cultura, os costumes, as pessoas, tudo ficou apenas na lembrança, nos escritos, nas fotografias antigas. Hoje a desorganização está a olhos vistos. Desde a arquitetura, limpeza até os pequenos detalhes que denotam como a população é agredida. Devastam ruas e prédios e ninguém consegue falar, descaracterizam as fachadas de uma cidade que era considerada a Princesa do Cariri. A Poluição visual e sonora, a falta de respeito com a população carente, os bairros afastados estão em calamidade pública, é só visitá-los ou conversar com pessoas residentes nos variados pontos desta cidade.
Dihelson, você que agora está com uma ligação direta, ou melhor, com certa facilidade de acesso para com os "governantes" deste Município, o que é muito bom, claro, afinal, temos abertura através deste veículo transparente que é o seu Blog para falar o oportuno, jogar no ar dúvidas e contratempos que nos afloram ou o que nos atingem por sermos filhos do Crato. E por sermos filhos, somos cidadãos honrados e com direito a também opinar, criticar e elogiar quando necessário. Não podemos nos retrair, a cidade não pode ser "administrada" por meia dúzia de pessoas e mais meia dúzia de pessoas forasteiras e que não fazem o mínimo esforço para demonstrar boa vontade e respeito para com a cidade em si.
--- Como um cidadão é convidado para prestar serviço num setor completamente entregue às traças como estava a garagem do Crato! Depois de tentar fazer o melhor e organizar documentos, pagamentos de dívidas anteriores e descobrir que não "era bem-vindo" por alguns secretários ao longo de dois anos, chegou certo dia para trabalhar e encontrou outro funcionário no seu lugar. Até hoje, não recebeu a rescisão, o Prefeito não soube procurá-lo para uma satisfação como soube quando precisou dos seus trabalhos. Mas é compreensível porque estávamos a 10 dias do Carnaval e passado o Carnaval estamos na Quaresma, virá a Semana Santa e a falta de tempo para uma conversa curta e direta continua sendo o fator principal.
--- Mesmo ainda esperando um contato, quero que todos saibam que Davi Arruda até então chefe da Garagem não tinha "chefe" e foi acertado em reunião com ata que a sua ligação e satisfação seriam diretamente com o Prefeito Samuel Araripe. Portanto, deixo aqui no seu blog a insatisfação com as pessoas que comandam e ditam, que exploram e inibem, que pisam, que fazem e acontecem. A insatisfação não só minha mas, de muita gente que nasceu no Crato e sente-se agredida com as coisas mal explicadas à população e o descaso para com as pessoas de boa intenção.

--- Quero deixar claro o bastante que se de alguma forma denegrirem a imagem de Davi Arruda Campos, saibam que iremos às últimas consequências. Afinal, ninguém melhor do que o próprio Prefeito sabe o suor, a força, que Davi Arruda fez naquela garagem para organizar e sabe o quanto não conseguiu muita coisa porque chega um ponto em que pára, imperra, não anda. É lamentável.
--- Ainda bem que já passou, que Davi voltou a sua vida normal e se empenha na sua Oficina onde é Torneiro Mecânico dos melhores, dom herdado do seu Pai e irmãos. Valeu Davi, sou testemunha do seu esforço, da sua honestidade do seu empenho e do seu desempenho nos trabalhos que você tem realizado. Parabéns pelo seu talento, parabéns pela sua discreção. Mas veja lá, se as coisas apertarem, fale.
--- Dihelson, obrigada pelo espaço, obrigada pela sua dignidade, pela musicabilidade. Admiro seu talento, sua pessoa. Estou devendo a Pizza.
--- Um grande abraço, Luciana de Oliveira Abath.

Carta enviada por Luciana de Oliveira Abath
.

Mons. Ágio: 90 anos de existência


Na manhã deste domingo, último dia de programação dos festejos pelos 90 anos do Mons. Ágio, foi realizada uma missa em ação de graça, presidida pelo Mons. Ágio e concelebrada pelos padres Manoel Feitosa, Rocildo Alves e Edson Bantim, além do diácono Policarpo Rodrigues (foto acima). Para o ato, muitas pessoas ocorreram ao Auditório Cristina Prata, que abriga a sede da Sociedade Lírica do Belmonte, fundada pelo Mons. Ágio há 40 anos e situada no aprazível distrito do Belmonte, ao sopé da Chapada do Araripe, em Crato. A missa foi acompanhada pela Orquestra Padre David Moreira e Coral Santa Cecília, ambos frutos do apostolado musical do Mons. Ágio. Um detalhe mais do que importante: os integrantes destes conjuntos são filhos de agricultores que residem na localidade.
Em seguida, a cobertura fotográfica do evento:

Detalhe da Orquestra Pe. David Moreira
Vista parcial da assembléia

Com o Prof. José Nilton de Figueiredo

Com a Profa. Aíde Luna (E) e amiga


Com Mila Chagas

Com o Prof. João Pierre

Com o Secretário de Estado André Barreto

Foto do Dia e Previsão do Tempo ! - A Catedral Submersa

Existe uma composição do gênio Francês do impressionismo chamado Claude Debussy, que é uma das suas composições mais conhecidas. Chama-se: A Catedral submersa. Esta composição e esta imagem sempre me surpreenderam, pois fico a imaginar como seria uma catedral submersa.

Após 27 anos de música, ia eu ontem passando pela praça da sé em Crato, quando subitamente avistei aquilo que pode ter sido a inspiração de Claude Debussy, lá na época e na Paris que ele viveu no início do século XX.

Portanto lhes apresento a minha versão fotográfica da "La Cathedrale engloutie":

Clique para Ampliar, e observem a pintura impressionista. Aqui não foi Monet nem Manet. Foi a própria divina natureza...


Previsão do Tempo:

Hoje no DN - Chapada do Araripe é tema de documentário


EM MEMÓRIA DO CARIRI

Clique para Ampliar

Fontes da infância que não existem mais são lembradas no documentário (Foto: Jackson Bantim)

Juazeiro do Norte. Contar a história da formação da terra até chegar na mais antiga floresta nacional reconhecida por decreto lei do Brasil. A história de um povo, sua visão ecológica e a cultura. O futuro da Chapada do Araripe. Essa área com características bem definidas de Mata Atlântica em algumas de suas localidades, localizada no centro geográfico do Nordeste, será tema de filme documentário do cineasta cratense, Jefferson Albuquerque. Ele fará a produção com essas abordagens, trazendo a indagação “Foi Assim... Como Será? - Chapada do Araripe”.

O trabalho soma cerca de 20 anos de pesquisa e uma história de vida de um cearense que já correu o Brasil, desenvolvendo trabalhos na área ambiental. Em 2006, recebeu prêmio do Ministério da Cultura pela produção de um filme documentário produzido no Estado do Espírito Santo, onde está residindo atualmente.

Falar do Cariri para Jefferson Albuquerque, cineasta com mais de 30 anos de estrada, é quase um romance. Ele conta sua infância, rios perdidos pelo caminho. Lembra da rua que hoje tem o nome do seu avô, José Alves de Figueirêdo, onde brincava com os amigos de infância à beira do Rio Grangeiro. “Hoje, vou lá e não tem mais aquele rio passando”, diz. Isso tudo levou o cineasta a pensar o futuro dessa atual geração daqui a 50 anos.

Foi de viver e ver a realidade que a preocupação do cineasta veio para uma fundamentação muito mais ecológica. Cineasta ambientalista. Quase uma missão para esse veterano do cinema. A educação ambiental para as novas gerações vem como uma missão. No decorrer do trabalho haverá um processo minucioso de produção. A vegetação, as fases de floração das plantas durante o ano. Tudo isso será documentado. Um trabalho que requer todo o período do ano. A visão do estudioso, doutor das ciências ao mais simples e experiente homem do campo. O entendimento da criança e do adulto sobre esse “habitat” Cariri.

Antropologia e arqueologia

O trabalho passa por uma visão multicultural de formação do homem, entrando Casa Grande, Fundação do Homem Kariri, com uma abordagem sobre a antropologia e arqueologia regionais. Tem o trabalho educativo desenvolvido pelas crianças na entidade. A Paleontologia é outro momento, com destaque para os fósseis da Chapada. A primeira entrevista do trabalho foi com o reitor da Universidade Regional do Cariri (Urca), Plácido Cidade Nuvens, fundador do Museu de Paleontologia. Ele ressalta o potencial do Museu e o Projeto do Geopark Araripe. A instituição vem dando apoio logístico para realização do filme, além da parceria com a Secretaria de Educação de Juazeiro do Norte e o Instituto Cultural do Cariri (ICC), Fundação SOS Chapada do Araripe, entre outras que pretende firmar.

A finalidade do cineasta é abrir debates sobre o futuro da Chapada do Araripe. A meta é fazer com que o vídeo seja distribuído nas escolas do Estado, e da região principalmente. As crianças conheçam de perto o valor do verde das matas, a identidade de um povo. Jefferson lembra da defesa do escritor Emerson Monteiro, diante de tantos valores que o Cariri tem. “Essa é uma região de cultura própria”, lembra ele, ao ser um divulgador do Cariri por onde passa. Nos olhos do cineasta ambientalista brilha a esperança de um futuro. O filme vem como uma nova semente a ser plantada numa região que precisa acordar mais para os seus valores.

Mais informações: Universidade Regional do Cariri (Urca), Rua Coronel Antônio Luiz, 1161, bairro Pimenta, Crato. (88) 3102.1202. www.urca.br

ELIZÂNGELA SANTOS - Repórter

www.diariodonordeste.com.br
.


Despedida de um Gênio - Gabriel Garcia Marquez

.
Despede-se um gênio!!!!!

Gabriel Garcia Márquez se retirou da vida pública por razões de saúde: câncer linfático. Agora, parece, que está cada vez mais grave. Enviou carta de despedida a seus amigos e graças a Internet está sendo difundida. Recomendo-lhes sua leitura porque é verdadeiramente comovedor este curto texto escrito por um dos latino americanos mais brilhantes dos últimos tempos.

"Se por um instante Deus se esquecesse que sou uma marionete de pano
me presenteasse com um pedaço de vida, possivelmente não diria tudo o que
penso, mas em definitivo pensaria em tudo o que digo.
Daria valor as coisas, não pelo que valem, mas sim pelo significam.
Dormiria pouco, sonharia mais. Entendo que por cada minuto que
fechamos os olhos, perdemos sessenta segundos de luz.
Andaria enquanto os demais se detém, despertaria enquanto os demais
dormem.
Escutaria enquanto os demais falam, e como desfrutaria de um bom
sorvete de chocolate!
Se Deus me favorecesse um pedaço de vida, me vestiria simples, me
atiraria de bruços ao sol, deixando descoberto, não só meu corpo, mas
também minha alma.
Deus meu, se eu tivesse um coração, escreveria meu ódio sobre o
gelo, e esperaria que saísse o sol.
Pintaria com um sonho de Van Gogh sobre estrelas um poema de
Benedetti, e uma canção de Serrat seria a serenata que ofereceria à lua.
Regaria com minhas lágrimas as rosas, para sentir a dor de seus
espinhos, e o vermelho beijo de suas pétalas...
Deus meu, se eu tivesse um pedaço de vida... Não deixaria passar um
só dia sem dizer as pessoas que eu amo, que as amo.
Convenceria a cada mulher ou homem que são meus favoritos e viveria
apaixonado de amor.
Aos homens provaria quanto equivocados estão ao pensar que deixam de
se apaixonar quando envelhecem, sem saber que envelhecem quando deixam de
se apaixonar!
A um menino daria asas, mas deixaria que ele sozinho aprendesse a
voar.
Aos velhos ensinaria que a morte não chega com a velhice, mas sim
com o esquecimento.
Tantas coisas aprendi com vocês, os homens... Aprendi que todo mundo
quer viver em cima da montanha, sem saber que a verdadeira felicidade está
na forma de subir a escalada.
Aprendi que quando um recém-nascido aperta com seu pequeno punho,
pela primeira vez, o dedo de seu pai, o tem agarrado para sempre.
Aprendi que um homem só tem direito a olhar o outro até em baixo,
quando há de ajudá-lo a levantar-se.
São tantas as coisas que pude aprender com vocês, mas realmente de
muito não haverão de servir, porque quando me guardarem dentro dessa
maleta, infelizmente estarei morrendo.
Sempre diz que o que sentes e faz o que pensas.
Se soubesse que hoje fosse a última vez que vou te ver dormir, te
abraçaria fortemente e rezaria ao Senhor para poder ser o guardião de tua
alma.
Se soubesse que esta fosse a última vez que te vejo sair pela porta,
te daria um abraço, um beijo e te chamaria de novo para dar-te mais.
Se soubesse que esta fosse a última vez que ouviria tua voz,
gravaria cada uma de tuas palavras para poder ouví-las uma e outra vez
indefinidamente.
Se soubesse que estes são os últimos minutos que te vejo diria "te
amo" e não assumiria, tontamente, que já sabes.
Sempre há um amanhã e a vida nos dá outra oportunidade para fazer
as coisas bem, mas se me equivoco e hoje é tudo o que nos resta, gostaria
de dizer o quanto te amo, que nuca te esquecerei.
O amanhã não está garantido a ninguém, jovem ou velho.
Hoje pode ser a última vez que vejas os que amas.
Por isso, não esperes mais, faz hoje, já que se o amanhã nunca
chega, seguramente lamentarás o dia que não tivestes tempo para um
sorriso, um abraço, um beijo e que estiveste muito ocupado para
conceder-lhes um último desejo.
Mantém os que amas perto de ti, diz-lhes ao ouvido o muito que
necessitas deles, ama-os e trata-os bem, encontra tempo para dizer-lhes
"sinto muito", "perdoa-me", "por favor", "obrigado" e todas as palavras de
amor que conheces.
Ninguém te recordará por teus pensamentos secretos.
Pede ao Senhor a força e sabedoria para expressá-los.
Demonstra a teus amigos quanto são importantes para ti."

Gabriel Garcia Márquez

Repassem esta mensagem a todos quantos possam entender...
.

Momento Social - Iana e Luiz Wellington

.
Na foto acima: Luiz Wellington, a primeira dama Mônica Araripe e Iana.

Olá, amigos,

Não é comum o Blog do Crato registrar a passagem de aniversários, mesmo das pessoas queridas ( para isso é que desenvolvi a seção "Sociedade Cratense". Mas devido a um fato muito curioso, faço questão de registrar essa data comemorativa.

Acontece que o lindo casal Iana e Luiz Wellington aniversariam no mesmo dia ( 10/02 ) e também é aniversário do casamento dos 2 ... ih !!!

Então... parabéns pra vocêS... nesta data querida, muitas felicidades, muitos anos de vida !
O Blog do Crato parabeniza do lindo casal. Vale ressaltar também que Iana foi minha colega de sala de aula. Bons tempos no colégio Diocesano, hein ?

Abraços,

Dihelson Mendonça
.