20 novembro 2008

A Rua Senador Pompeu -




Lili Moreira , na esquina da Usina
com seus tangos , em contra-ponto
com os hinos da Igreja.
"Mano a Mano"...
"Oremos Deus " !


A distinta família Calou
Seu Calasans , Dona Mariquinha
e a prole numerosa ,
que eu adotei como minha :
Kleber ,Ênio , Chico , Flaviano ,
Fernando,Carlotinha ,
Salete , Sônia ,
Helenice , Socorrinha ,
Míriam e Verinha.


Bem pertinho dessa casa ,
o salão Paroquial ...
E o Instituto São Vicente
um centro educacional.
Dona Anilda ,Dona Alda...
Lapidando com jeitinho
ensino fundamental.
Celebrando a alegria
tinha o Pe.Frederico
- Um mito !
Distribuía balas e pitos...
Sermões em brados e risos
Naquela escola-modelo ,
todos nós nos conhecemos ...
Por um tempo ,ou por uns anos ,
enquanto dura , a infância !
Os filhos de Dr. Anibal ,
de Eneida Figueiredo,
De Jeferson Albuquerque
e Letícia Figueiredo.
Dona Almina , Dr. Borges,
Raimundo Maia , Teresinha Pirão,
Hermano Teles , Paulo Frota,
Derval Peixoto , Ossian
Chico Alencar , Moreirinha
Seu Hubert, Edméia , Nemésio,
Os Teixeiras e os Higinos...
e outros que eu não lembro.
Quem não amaria uma escola
com parque de diversão,
campinho pra jogar bola e
piscina ?...
Mergulhos na ilusão !
Professoras como
Almerinda e Lúcia Madeira
Dona Célia e Nadir Brito
Severina Calou ( tão bonita !)...
Todas muito competentes,
nos ensinaram que a vida,
depende da base feita !
No expediente noturno
Adultos tinham sua vez
Um sacrifício bendito
apostado no saber.
As festas de São Vicente ,
glorioso padroeiro,
Tinham quermesses e bingos...
Bebidas acondicionadas ,
no monstro das geladeiras,
que eram à querosene.
Sinto o gosto desse tempo
me animo nas lembranças
coloridos celofones,
envolvendo algumas prendas ,
que seriam leiloadas,
para apurar o dinheiro.
Valia tudo :
galinha assada, bolos,carga de rapadura,
cachos de banana ,sacas de arroz ,
e a voz de Célio Silva,
que bem se fazia ouvir.


No pedaço dessa rua ...
o oitão da nossa Igreja ,
e os famosos oitis ...
à sombra da nossa paz ,
brincadeiras e folguedos,
e o gosto de ser feliz !
Um Hotel familiar ,
vizinho a Seu Pitias...
Pai de Dr.Dalmir,
de Derval e Seu Delcy.


Vizinhos da minha casa
moravam Seu Antonio Leite,
Maria e Dona Expedita...
Tia Didita ,como a chamava
Salete e Vera Leite.
De noitinha , a calçada
de gente se apinhava
Cadeiras enfileiradas,
acolhiam os namorados,
que namoravam direito!
A meninada , se esbaldava ...
na macaca , na corda,e na roda ...
parecia que sabia
que o tempo passa ligeiro!


Em frente à Juarez Távora ,
uma pequena concentração
de personalidades...
Rosa Amélia , Seu Orestes ,
e a pensão do Misael.
Misael era famoso
pelas mentiras contadas
Mas tudo inofensivo...
Mal a nada,nem fazia ...
Estórias de pescador,caçador ...
A gente nunca confia !


Mais na frente ,o antigo Clube Social ...
E a feira da rapadura ,da corda , e do sisal.
Casa do gerente das Pernambucanas ...
Sons de Charanga ...
Cadê Henrique,minha gente ?


A velha Pasteur,
sem olhar para o Banco do Brasil ,
e desconhecendo totalmente,
a Pague Menos e a Gentil!


Dona Mundinha Saraiva,
na cadeira de balanço,
quando era de tardinha ...
Parecia bem quietinha !


Siqueira Campos...
-A praça dos nossos sonhos !
Que inveja dos Lins...
Fernando , Luiza , Isavan ...
Moravam na sua beira ,
de longe ,a gente via !


Enfim , o quarteirão dos mais societes:
Dona Nadeje ,as Arraes...
Altanita Brito ,Ramiro Maia .
Seu Alfredinho , Seu Pierre ...
A formusura das gatas ...
ou era das garças puras ?


A Penitenciária ...
A Praça da Sé ,
e a rua acabava . ..


Um pouco de tudo
de uma ponta a outra ...


A vida se mistura
Como o melado da cana,
numa salada de frutas !

5 comentários:

  1. Alõ Socorro.
    Será que ainda falta alguma rua? Pois se continuar a relembrar mais genta amiga, nesses dias eu vou acabar tendo um enfarte, de tanta emoção. Pois é; o Henrique da Pernambucana, um amigão, era o meu companheiro nos plantões da Siqueira Campos. Mas ao lado dele, dele não levava vantagem nenhuma, por isso tive que procurar outro companheiro. Também com os óculos fundo de garrafas que eu usava,ninguém olhava pra mim. A primeira que olhou, casei. E me dei muitíssimo bem. O Henrique mora em Natal e é vizinho de um outro grande amigo, o Eberth Duarte. Falando sério, gostei muito do seu poema. magali manda lhe dizer que para ela também foram muitas as recordações. Um grande abraço. Parabéns.

    ResponderExcluir
  2. Ainda faltam ...
    A Santos Dumont ( da minha Tia Ivone) ; A Dr. João Pessoa , do Dr Aníbal , Eunício Dantas , Dona Ormicinda , Dr.Meudo e os avós de Magali... Hei , hei... as lembranças não teem fim !
    Suas lentes enchergavam longe. Você mirou a pessoa certa , e não perdeu balas no escuro.
    Fico muito feliz com a felicidade de vocês.
    Ainda falta a Bárbara de Alencar , e um café em Joaquim patrício ; Aquele pedaço de Rua da Pça da Sé ao Dom Bosco ... Os Esmeraldo Cabral (Dona Pia, Divani , Ana Teresa , Dona Lurdinha , Dona Cira, Dona Rute... vixe... é gente demais ! Vou atrás de Bernadete Cabral , minha guru atual. Mas o que falta está guardado na gente ...


    Abraços.

    ResponderExcluir
  3. Socorro, Vamos cobrir o Crato todo, desse jeito! rs rs e que bom que vai sobreviver à posteridade esses relatos, pois somente vocês que viram é que poderão testeumunhar.

    Aproveito para pedir à Socorro que convide o querido Hamilton de Lima Barros para vistar e ficar sempre presente às leituras aqui do Blog do Crato, pois ele só está visitanto o Blog da Socorro, e deve estar perdendo também os relatos e coisas dos outros autores que escrevem sobre o mesmo período. Talvez ele gostaria de ler também.

    Abraços,

    Dihelson Mendonça

    ResponderExcluir
  4. Socorro, não conhecia o seu lado poeta.Parabéns!
    Muitas lembranças tenho de você e de sua familia,pois tive o grande prazer de conviver na casa de D. Ivone e João Aragão e seus filhos os quais fazem parte da minha familia também.
    Tens demonstrado, uma sensibilidade e um amor enorme a nossa gente e a nossa querida cidade.
    Com certeza, outras emoções virão, quando chegar a Santos Dumont dos nossos queridos João Aragão D. Ivone seus tios e também dos meus queridos avós maternos Ailza e Pedro Felicio e muita gente boa como: Nadir e Jaime,Evangelina,D.Violeta e Sr.Araújo,Dadá e Aluisio,D.Lica,Teresinha e "Ze Cangalha",sr. Acácio e D.Maria José,Sr.Almir e D.Zélia,Raimundo Major,Macial Pinheiro... Com certeza voce terá muitos outros nomes... Santos Dumont da Padaria de Seu Acácio,das Loja de Sr. Pierre,da Cantinha do Oliveira, Fármacia Teodorico,Mercantil Compre Bem e tantos outros.
    Um abraço para você.
    Irma Felicio Calou Rodrigues Costa

    ResponderExcluir
  5. Irma , eu te conheci , no ventre da tua mãe.
    Os antigos , movidos pela saudade estão acordando as suas lembranças. O Crato cresceu , se repovoou... Os tempos mudaram .Já não conhecemos o povo pelo nome , pela casa ...Resgatando as nossas raízes , a gente realoca a nossa p´ropria vida !
    Você situou as pessoas da Santos Dumont ... - A rua que você nasceu !
    Aquele pedaço era mágico. A casa de Dona Madalena , Anita , os Patrício ... Seu Cisino cortando os tecidos para Tia Ivone fazer nossos vestidos ; Os Pinho ; o charme de Maria Helena , Lastênia ... A voz de Doris Day , na vitrola de Aderbal ; as traquinagens de Antonio Aragão , imitando todos os bichos e matando o povo de rir , quando contava uma piada. Era o pedaço das esperas e das esperanças .
    Uma Rua de importãncia histórica . Reduto de um dos seus mais ilustres filhos : Pedro Felício !

    Um grande abraço , menina !

    ResponderExcluir

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.