16 novembro 2008

MATEMATICANDO.COM Dr VALDETÁRIO.

O LP do GONZAGÃO.

O meu colega Sálvio Pinto, além de urologista, é vidrado no Luiz Gonzaga. Ele prefere ouvir músicas na sua velha vitrola, com o bom e saudoso disco de vinil. Desnecessário dizer que ele só encontra seus discos em antiquários. Outro dia o Sálvio comprou um antigo disco do Gonzagão pela bagatela de R$ 70,00. Dias depois resolveu vender a preciosidade ( médico também passa por apertos financeiros). Vendeu o referido disco por R$ 80,00. Dias depois resolveu comprar novamente o mesmo disco e o comprou por R$ 90,00. Decorridas duas semanas o Sálvio se aperta outra vez (ele só atende pelo SUS) e resolve vender mais uma vez o disco. Desta vez o vendo por R$ 100,00. A pergunta é: o Sálvio teve algum lucro ou prejuízo? E, se teve, de quanto foi? Como o problema do par de sapatos, este também é fácil e não tem pegadinha. Façam seus lances. Resposta no próximo MATEMATICANDO. Abraços. Valdetário.

32 comentários:

  1. Prezados leitores, onde se lê "Desta vez o vendo por R$ 100,00", leia-se: Desta vez o vende por R$ 100,00. Desculpem a falha no original. Abraços. Valdetário.

    ResponderExcluir
  2. Prezado Dr. Valdetário
    Os apertos do Dr. Sálvio Pinto, um dos melhores urologistas de Fortaleza, (nome bem sugestivo para quem trata do "próprio", assim como Dr. Sérgio Regadas, que trata do lado oposto) são bem irrisórios. Por apenas uma simples bagatela de 10 reais ele ficou livre das suas aperturas? Em tempo, ele é o meu urologista pela UNIMED, os SUS de nós, metidos a besta. Quando voltar do Crato vou me consultar novamente. Um abraço.

    ResponderExcluir
  3. Dr. Valdetario.

    Depois de uma longa viagem de 90Km no lombo de um burro chotão meu avô Pedro Alves Bezerra chega na Palmeirinha, na residência dos seus primos ligitimos Pedro Alves de Brito e sua esposa Laura Brito. A finalidade de sua viagem era visitar um parente que havia virado da bola, estava maluco. Posso informar que não foi comprando e vendendo discos. Nesse tempo não tinha vitrola.
    O caso foi o seguinte: Perguntado como adoeceu o amigo respondeu: Ah, meu primo Pedro, casei-me com uma viúva que já tinha uma filha crescida. Meu pai foi casar com essa minha enteada e isso fez com que minha mulher ficasse sendo sogra do seu sogro e meu pai meu enteado. Depois minha madrasta, a filha de minha mulher, teve um filho e essa criança, era meu irmão, porque era filho do meu pai, mas era, também filho da filha de minha mulher, e, portanto meu neto, e por isso tornou-se avô de meu irmão. A seguir teve minha mulher um filho, pelo que minha sogra é irmã de meu filho e também sua avó, porque ele é filho de seu enteado. Meu pai é cunhado de meu filho, porque a irmã dele é sua mulher, eu sou irmão do meu próprio filho que é também filho de minha avó, sou cunhado de minha madrasta, minha mulher é tia de seu próprio filho, meu filho é sobrinho de meu pai e eu sou avô de mim mesmo. Tive ou não tive razão de ficar doido?

    ResponderExcluir
  4. Dr. Valdetário
    Que tal esta? Considere a série: 2;10;12;16;17;18;19.... Qual o próxiomo número da série?

    ResponderExcluir
  5. Caro Carlos Eduardo, o Dr. Sálvio não se aliviou com apenas 10 reais; mas a primeira vez foi com 80 e a segunda com 100 uma vez que somos obrigados a considerar a parte investida. A luta é pro SUS se transformar em UNIMED e não o contrário. Entendi que você se encontra na "terrinha", gostaria muito de conhecê-lo. Um abraço.

    ResponderExcluir
  6. Prezado Morais, não por acaso o Pedro e a Laura da sua narrativa são meus avós maternos. O seu avó, muito provavelmente, fazia uma visita ao saudoso Silvo Brito, que findou ateando fogo ao próprio corpo e obviamente morrendo. Naquele tempo também não existia o Blog do Crato e as notícias corriam de fato em lombo de animais. Com toda essa misturada na árvore genealógica, seria impossível não afetar o código genético. O pior é que acabou sobrando também pra mim. Abraços.

    ResponderExcluir
  7. Caro Morais, queira ler: o sei avô, muito provavelmente, fazia uma visita ... Abraços.

    ResponderExcluir
  8. Carlos Eduardo Esmeraldo,
    eu tenho uma resposta pra dar a essa pergunta, mas como ela foi dirigida ao Dr. Valdetário vou ficar na expectativa.

    ResponderExcluir
  9. Prezado Carlos Eduardo, permita-me que o trate sem o Dr já que o considero um amigo, embora não o conheça pessoalmente. Faça o mesmo quando se referir a mim, nada de Dr. Em relação à série que você apresentou não consegui encontrar nenhuma lei de formação, no campo da Matemática, que a satisfaça. Nestes casos manda o bom senso que “saiamos do quadrado” e busquemos alguma lógica em outro campo do nosso conhecimento. Foi o que eu fiz. Encontrei no nosso velho e querido idioma português uma lógica que nos permite descobrir o próximo número. Em respeito ao João Guilherme, não falarei. Passo a bola pro J. Guilherme que tem toda a liberdade de apresentar a solução por ele encontrada, que imagino seja a mesma minha. Mas, pra ninguém achar que estou blefando, darei apenas uma dica: é um número que está entre 100 e 300 e que logo após ele segue-se uma seqüência de mais cem números que satisfazem a lei de formação. E já que entramos nesse papo e sendo eu sabedor que o C. Eduardo além de Engenheiro é Professor de Matemática, eu gostaria de saber do mesmo qual o percentual de alunos de uma turma do terceiro ano colegial que saberia informar quanto é a metade de dois mais dois. Um abraço. Aguardo a resposta de vocês. Valdetário.

    ResponderExcluir
  10. Prezado Valdetário

    O percentual é zero, pois a metade de dois é um, que somados a dois dá três. A solução é encontrada no velho português. Você tá certo na solução da série. Os números da série se iniciam com a letra D e o próximo é aquele que você descobriu.

    ResponderExcluir
  11. Prezado Carlos Eduardo, o brasileiro tem a mania de primeiro somar pra depois dividir, quando o correto é dividir pra depois somar. Por isso a maioria erra essa continha tola. Acho que isso é culpa do nosso sistema educacional que não ensina o aluno a pensar. Você ainda está no Crato? Abraços. Valdetário.

    ResponderExcluir
  12. Prezado Valdetário

    Ainda irei. Se tudo correr certo sairemos, eu e Magali,amanhã, pela manhã e ficaremos na casa do filho mais velho, Tales, no São José. Será um prazer nos encontrarmos. Abraços

    ResponderExcluir
  13. Gostaria de receber maiores informações sobre a(o) Walpe. Não sei se reside no Crato, profissão, nem mesmo se é A ou O Walpe. Mas já concluí que se trata de uma pessoa inteligente e que, por isso mesmo, gosta muito de Matemática. Parabéns. Mas por onde anda o Luiz Wellington? Abraços. Valdetário.

    ResponderExcluir
  14. Gostei demais do MATEMATICANDO,postado aqui pelo Dr. Valdetario.Considero um incentivo a prática do raciocínio lógico, já que a matemática é uma disciplina tão odiada por muitos. Parabéns.

    Walkneide
    Crato-CE

    ResponderExcluir
  15. Dr. Valdetário,

    Obrigado pela gentileza.

    Realmente a solução encontrada foi a mesma.

    Para chegar à resposta do problema, usei a mesma metodologia apresentada pelo senhor. Tentei enxergar algum padrão matemático para a seqüência de números, e, claro, não obtive êxito. Então observei que a série apresenta números que começam com a letra D, como citado pelo Dr. Carlos Eduardo. Então, pela lógica, o próximo número da seqüência é 200.
    Abraços.
    João Guilherme

    ResponderExcluir
  16. Caro João Guilherme, parabéns por gostar de Matemática e pela sua maneira gentil como se portou. Você também, quando se referir a minha pessoa não precisa usar o Dr nem tão pouco o Senhor. Formamos a grande família Blogdocrato, nos tratemos, pois, como irmãos que somos. Acho que desta forma nos aproximamos mais. Abraços.

    ResponderExcluir
  17. Prezado Dihelson, como você pode nos ajudar a encontrar os professores César Bandeira, Danísio e o Pedro Veras para participarem do MATEMATICANDO, eles também são muito bons nesses desafios. Abraços.

    ResponderExcluir
  18. Bom dia Dr. Valdetário, na verdade meu nome é Valdenio Peixoto (com tantos valdenio no gmail me restou então Walpe), sou filho de Bosco Peixoto "Taxista" e moro aqui mesmo no Crato, trabalho no setor administrativo de uma empresa de exportação de mel, sou um leitor assíduo deste blog. aproveito a aportunidade para o parabeniza pela postura durante as ultimas eleições.

    ResponderExcluir
  19. comprou 70,00 vendeu por 80,00, até ai lucro de 10,00.
    10-90( comprou por 90 )= -80,00 + 100,00 = R$ 20,00 ( lucro)
    Estava Viajando, sim quero saber a resposta da mulher do sapato.
    Abraços..
    Cesar Bandeira vc encontra no São Luis tomando uma cervejinha.rsrsrsrsrsrsr
    Pedro Veras no BB.

    ResponderExcluir
  20. Amigo Luiz Wellington, a resposta do MATEMATICANDO que trata do par de sapatos já foi publicada e se encontra nos "Comentários" daquela postagem. A dona da sapataria perdeu R$ 40,00 mais o par de sapatos, ou seja, R$ 100,00. Ver maiores detalhes lá na resposta.
    Nesse caso do LP do Gonzagão eu poderia apresentar uma conta diferente da sua. Veja bem, se considerarmos que o Sálvio ganhou R$ 10,00 na primeira venda que ele fez e que perdeu também R$ 10,00 na segunda compra, fica fácil compreender que a segunda e a terceira negociações se anulam, restando apenas a primeira compra (70) e a última venda (100), portanto eu poderia concluir que o Sálvio lucrara R$ 30,00 (100 - 70). Não seria uma solução? Um abraço. Valdetário.

    ResponderExcluir
  21. Prezado Luiz Wellington, outra maneira de se chegar aos R$ 30,00 de lucro é lembrar que no inicio de todo o problema o Sálvio dispunha apenas dos R$ 70,00 da primeira compra e que ao final do processo saiu com R$ 100,00, lucrando, então, R$ 30,00 (100 - 70 = 30). Um abraço. Valdetário.

    ResponderExcluir
  22. Caro Valdetário,

    Meu pai, devido a rotina de aulas, de vez em quando se encontra com o Danísio e o Pedro Veras, que por sinal são ótimos professores. Posso falar com ele pra passar o seu recado.

    Abraços

    ResponderExcluir
  23. Prezados Walpe e Luiz Wellington, vocês afirmaram que o Sálvio lucrou R$ 20,00 com as compras e vendas do Lp do Gonzagão. Eu apresentei duas maneiras de encontrar um valor diferente do de vocês (R$ 30,00). E agora, vocês continuam com as suas respostas ou vão concordar com a minha? Um abraço. Valdetário.

    ResponderExcluir
  24. Prezado João Guilherme, agradeço-lhe muito por conseguir localizar as feras Danísio e o Pedro Veras. Diga-lhes que as coisas estão acontecendo é no Blog do Crato e que eles entrem na roda o quanto antes. Um abraço pra você e pra eles. Valdetário.

    ResponderExcluir
  25. continuo com minha resposta, mas posso propor uma outra solução diferente das nossas.
    Levando em consideração que os R$ 10.00 que ele lucrou no primeiro negócio passou a ser de fato dele, e que no segundo ele teve que dispor de mais R$ 10.00, o investimento total no disco foi de R$ 90.00 sendo assim ao vender por R$ 100.00 ele lucrou R$ 10.00 e agora?

    ResponderExcluir
  26. Resposta desse matematicando:
    Acho que ele teve lucro (a não ser que o preuízo de ficar sem o disco seja meior, né? ;p). Porque ele gastou ao todo R$160,00 para comprar o disco, mas o vendeu - no total - por R$180,00, tendo lucro de R$20,00.
    Acertei, acertei?? =D

    ResponderExcluir
  27. Resposta para este matematicando:
    Acho que ele teve lucro (a não ser que o prejuízo de ficar sem o disco seja maior, né? ;p). Porque ele gastou ao todo para comprar o disco R$160,00; mas o total de sua venda foi de R$180,00.
    É assim? Acertei? =D

    ResponderExcluir
  28. Caro Walpe, se considerarmos que o Sálvio ganha R$ 10,00 a cada vez que vende o LP e sabendo que ele o vendeu duas vezes, então ele tem a seu favor R$ 20,00, mas como ele perde R$ 10,00 quando o compra pela segunda vez, conclui-se que lucrou R$ 10,00 (20 - 10 = 10). Portanto assim, eu e você, chegaríamos numa mesma resposta. Mas, e o Luiz Wellington, "a donde se encontra". Sai da toca, ratin. Abraços. Valdetário.

    ResponderExcluir
  29. Caro Walpe, obrigado por suas palavras e também por mesclar a Matemática com a Política, dois temas que me atraem. Realmente não foi nada fácil pra mim, enquanto pessoa pública, ficar de fora do palanque nesta última eleição. A fila está andando... aqui mesmo neste problema do LP nós usamos argumentos verdadeiros e conseguimos chegar a resultados falsos. A vida tem dessas coisas. Vamos em frente. Parodiando o poeta Cazuza, lembro que eu estou só bolando os dados. Abraços. Valdetário.

    ResponderExcluir
  30. Querida Bárbara, você usou um bom argumento, nas não podemos esquecer que toda a negociação ocorreu apenas entre duas pessoas e o máximo de dinheiro que circulou foi R$ 100,00, portanto quando você soma as compras e subtrai da soma das vendas está tão somente se utilizando de um artifício contábil. Não sei se você acertou. Beijos. Adoro você. Pain.

    ResponderExcluir
  31. RESPOSTA - O Lp do Gonzagão - conforme ficou visto nos comentários, o interessante deste problema é que temos vários argumentos que parecem verdadeiros para chegarmos a resultados diferentes. Mas, sendo a Matemática uma ciência exata, é óbvio que só existe uma resposta correta. O Sálvio lucrou R$ 20,00 como disseram os comentaristas. Parabéns a todos. As vezes que insinuei respostas diferentes buscava tão somente ampliar os debates ao mesmo tempo que queria mostrar outras formas de interpretar o desafio. Se supormos que o Sálvio não possuísse mais nada além dos R$ 70,00 iniciais vamos perceber que para ele comprar pela segunda vez o Lp por R$ 90,00 ele teve que pedir emprestados os R$ 10,00 que faltavam. Ao vender por R$ 100,00 foi obrigado a pagar os R$ 10,00 que pedira emprestado e ficou com R$ 90,00. Como ele começou com R$ 70,00 e terminou com R$ 90,00, locrou R$ 20,00. Vejam e participem do Matematicando desta semana. Abraços a todos. Valdetário.

    ResponderExcluir

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.