10 agosto 2008

SOBRE UM COMENTÁRIO SOBRE O ICC



Não condeno o ICC. Apenas acho que somos mal-acostumados a cobrar posturas quando nós mesmos não encampamos atitude nenhuma. O Instituto Cultural do Cariri pode muito bem vir a cumprir o seu papel. É preciso apenas que se reavalie os propósitos e que alguém de visão, capaz e disponível, chegue junto da atual administração ou da futura, pois é um quadro que se renova.
Em comentários sobre o ICC, matéria publicada pelo Dihelson por sinal muito oportuno, sob o título: (CARTA ABERTA AO ICC), alguém em seus comentários, profere palavras de ordem e deboches que não contribuem em nada, nada mesmo! O ICC não fabrica, não elitiza, não classifica e nem desclassifica velhas ou novas gerações! Não imortaliza nem revitaliza. Apenas cumpre o papel de reconhecer valores que a própria sociedade já reconheceu por seus méritos. Ressentimentos à parte! As pessoas que integram o corpo dos agraciados são da maior respeitabilidade e não se ofereceram ou desembolsaram para terem seus nomes por lá, foram reconhecidos pelos atributos e barganha cultural!

O ICC não deve ser visto como “um grupo fechado a valorizar uma elite de velhos escritores”! “Evidentemente não é isso”. Pois se tem um centenário notável como o Dr. Raimundo de Oliveira Borges, tem-se muita gente humilde que faz parte do corpo docente. Tem-se pessoas de gerações distintas como as de: Luciano Carneiro à William Brito, de Glauco Vieira à Antonio Vicelmo, de Francisco Salatiel à Abidoral Jamacaru, João do Crato, Dr. Zé Flávio, Emerson Monteiro à de Dihelson Mendonça e por aí vai... Será que essa gente é pobre culturalmente falando?

Nomes que “ainda”, não configuram no quadro por razões outras, em verdade não são menos imortais na memória de seu povo do que aqueles instituídos por uma instituição. É preciso também entender que o ICC não deve se prestar a ser um órgão controlador de pesos e medidas de valores culturais, não acho que este é o propósito! Deve ser visto como mais um centro de referência do que aqui se produz e atuar como uma casa realizadora de eventos culturais.
Deve ser cuidado, assistido, organizado em sua: DISCOGRAFIA, PINACOTECA, CINEMATECA, BIBLIOTECA e outros atributos que lhe comportam e compete, não só uma casa de cerimôniais de entregas de diplomas, isto é uma verdade.
Porém, nada, nada deve impedir de alguém dirigir-se ao ICC e apresentar o seu trabalho e solicitar que seja cuidado e posto à disposição da comunidade! Evidente que este seu trabalho tenha conteúdo plausível, saudável, enriquecedor de valores instrutivos para a o deleite de futuras gerações!

Se auto-intilular ou se amoldar ao rótulo de marginalidade e se vangloriar disto não é um grande feito. “A marginalidade autoral deveria ser a última a ser reconhecida pelo próprio autor!” A velhice literária, não se define nos relógios do tempo! Não são velhos, aqueles escrevem com a juventude interior dos seus anos vividos!

Cuidemos do que é nosso, pois! Sentemos um tijolo, pintemos uma parede, ofereçamos nossas criações ao ICC. Clamemos por um conselho que escolham os imortais, eximindo desta responsabilidade o Presidente apenas! O que é a imortalidade, senão, uma expressão de reconhecimento de obras, gestos e atitudes que transcendem ao tempo!

Celebremos o ICC e o soergamos em suas horas difíceis, abramos suas portas, e não o fechemos em nossa conduta intelectual. Afinal, o Instituto Cultural do Cariri é uma criança de 54 anos que ainda vislumbra se imortalizar!

Pensando assim, quiçá tenhamos uma memória culturalmente imorredoura!

Pachelly Jamacaru

41 comentários:

  1. O ICC é um verdadeiro balaio de gatos. Apenas 3 pessoas que se dizem diretores eternos tomam todas as decisões em nome do grupo. Se auto-elegeram para a diretoria e pretendem eles mesmos elegerem seus sucessores. Ninguém sabe de quantos anos é a gestão, ninguém sabe quem escolhe os novos imortais, aos membros cabe apenas assinar embaixo, um papel em branco. Os membros não conhecem o Regimento da instituição se é que ele existe ( e juram na posse fazê-lo cumprir). Estão dando posse agora de tarefa de imortais de uma só vez. No último trem da alegria, após dar posse a uma resma de imortais, a diretoria deu posse a ela mesma, pois ainda não haviam sido empossados mas , mesmo assim , antes de sê-lo, já se consideravam com o poder de dar posse a outros. Não me interessa nunca entrar numa instituição que funciona desta maneira.

    Swift

    ResponderExcluir
  2. Para se cobrar alguma coisa em qualquer sentido,é preciso que se tenha crédito.Determinados comentários a respeito do ICC, mereciam ser analisados, e discutidos à luz da razão.
    Agressões chulas, só mostram o desprepara para assumir qualquer tipo de postura a respeito do tema.
    Quando arranjo algum acervo para a biblioteca do ICC, a única preocupação,é que um dia , se tenha uma referência do legado que foi construido por gerações passadas.Querer que o instituto vá ter o papel de distribuir cesta básica,parece até brincadeira,ou ignorância pura.

    ResponderExcluir
  3. Gostei muito desse oportuno complemento que o Pachelly fez ao meu questionamento sobre o papel do ICC. Ninguém quer que o ICC vá distribuir cestas básicas, pois essa não é a finalidade. Queremos apenas que as coisas lá contidas funcionem de verdade. E uma maior integração ao povo do Crato. É preciso deselitizar certas coisas.
    No Crato, várias instituições precisam ser deselitizadas, como o Instituto Cultural do Cariri, e a Sociedade de Cultura Artística do Crato - SCAC, há uns 50 anos dirigida por Divani Cabral, que embora em alguns casos tenha feito excelentes coisas pela comunidade, ainda possui um tom aristocrático que afugenta o povo da cidade.

    Os órgãos culturais quase sempre têm esse elemento de elitização. É preciso que tenham o máximo de cuidado em procurar eliminar essa aparência.

    Dihelson Mendonça

    ResponderExcluir
  4. innnguinoooorânnnnnça, a sua,é claro que distribuir sextas é uma alusiva metafora.continuo sim com minha posição senhores mortais e elitisatas das letras conjugais.
    apenas uma reflexxxxxão...
    A MAIOR UNIVERSIDADE CHINESAA É A VELHISE.Senhores gagas
    COÇAR O SACO(TESTICULOS)É UM ESTADO ZEN FILOSOFICO.
    COSEM O SACO É BEM MAIS NOBRE.

    ResponderExcluir
  5. Esse é o quadro da "cultura" no Crato: institucionalisada, engessada pelo sistema de autopromoção. No Crato, um pedestal para se colocar um nome vale muito mais do que uma obra de arte. O passado, para a "cultura" cratense vale muito mais do que o presente.

    O que de fato o ICC fez pela cultura do Crato para receber tanta defesa cheia de mágoa, cheia de ressentimento?

    Até quando vai perdurar a falta de maturidade para se receber uma crítica?

    Até quando, quando alguém contrariar o outro vai ficar bodejando feito bode viúvo?

    Enquanto não se consegue aceitar a crítica e fazer uma reformulação de atitudes e de posturas que se possa chamar de artísticas, na sua concepção de interação inteligente com o meio e não de isolamento, reunidos em grupinhos, em guetos, através de um processo bizarro de selecionamento de "notáveis", LEGITIMADO POR UM CARIMBO MERDA QUALQUER, a "cultura" cratense não passará disso: um diploma imóvel na parede, ofertado por uma instituição vazia.

    Outro detalhe: esse axioma de que criticar é fácil, difícil é apontar soluções, é típico de quem não tem argumentos, de quem É FRACO.

    Essa lamúria sem fim, caricatural, já está passando dos limites, está necessitando de ajuda psicológica.
    O Crato tem um bando de "artistas" intocáveis, que não conseguiram passar de fase, são eternos adolescentes.

    ResponderExcluir
  6. ENFADADOS senhores marujos de uma milenar chapada de fontes que desaguam no mar,mar este feito por nós a teatralidade marginal,onde o litoral é sim o sertão em pessoa.tenho inumerass soluções para a enfadada senhora acadêmica de mortais intocaveis,não vejo esses senhores é claro salve-se alguns com nenhuma contribuição dialetico cultural como modelo e espelhos para os mais jovens iniciadores ao universo da boragia literaria.Guardem velhos conceitos ai sim para a imortalidade e nos entreguem vossssssssssssso musol´ru e faremos a tão sonhada revolução cutural desta panelacultural que a anos está destemperada do que é novo e marginalpedoragia de todas as mães da literatura apoesia eos poematesticulkares da filosofia.vão coçar o sco sim esta os farar meditar para não dizer PENNNNNNNNsAR. os elogios eu filtro,as criticas se degusta com sabedorias.

    ResponderExcluir
  7. Não sei a quem o Marcus Vinícius se refere quando afirma falta de maturidade no tocante às críticas ou se não é algo lá de quem anda mesmo ressentido em seus íntimos!

    Parece-me que o ICC mexe mesmo com o ego de alguns pretensos!!!

    Percebe-se que se instaurou aqui não uma falta de maturidade, mas um excesso de infantilidade. A questão não é discutir a ou a não importância do ICC. O que está em questão é a sua conduta, sua postura e o seu compromisso com a cultura evidentemente.

    E, o axioma, (palavra dicionarista) de que: “criticar é fácil, apontar soluções é difícil”, incomoda mesmo! Muito, demais até muita gente! Principalmente, aqueles que se ocupam apenas em agredir com verbetes de baixo esmero, palavrões gratuitos, mas não se prestam a chegar junto, a construir, a contribuir com a sua suposta tamanha cultura com aqueles que imbuídos de boas intenções estiveram à frente de algo grandioso com a melhor das intenções.

    “criticar é fácil, apontar soluções é difícil”, só pra lembrar e bem lembrado!
    O Crato não só tem um bando de adolescentes que não passam de fase, “esses se reconhecem”! Tem ainda aqueles que se esforçam, mas são descoordenados e não acertam os passos, engatinharão eternamente nos rastros dos imortais!

    Alguns colocam seus diplomas de ABC nas paredes e não conquistam outros mais! Outros são diplomados no coração de sua gente por aquilo que fazem!

    ResponderExcluir
  8. Não façam comentários imbecis, tipo esse de José Wilson Bernardo (um anônimo com apelido fictício). Esse tipo é dos que não é capaz de andar e mascar chiclete ao mesmo tempo, e se mete a dizer asneiras.
    Primeiro conheçam o ICC e seu presidente. De onde vêm os recursos para manter a suntuosa sede? Quem ajuda? Que horror, ter que ver gente desse naipe solto pelas ruas. É um perigo.
    O ICC não é da elite nem de velhos. Veja a relação de sócios. Muita gente pobre, artistas pés no chão e escritores de todas as classes sociais.
    Não é uma imbecilidade falar sem saber de quem??????????

    ResponderExcluir
  9. EXISTE um limite entre a crítica e a DIFAMAÇÃO.

    Quando escrevi minha primeira crítica ao Instituto Cultural do Cariri, realizei dentro do mais alto nível do debate, e peço que os comentaristas e escritores mantenham o nível a fim de que possamos extrair algo de positivo. Levando a questão para agressões pessoais e ressentimentos antigos não vai levar a lugar algum, e sim, só vai levar meu texto e o do Pachelly para dentro do ralo, coisa que é o que alguns desejam.

    Mas as críticas formuladas por nós são VERDADEIRAS, fruto de muitas conversas entre alguns membros do ICC. Da minha parte e de alguns como Pachelly, posso garantir que de forma alguma se está a desmerecer o trabalho do Instituto Cultural do Cariri - ICC - Apenas cobrando mais firmeza, mais AÇÃO, para que se integre à modernidade. Neste nível do diálogo é que se pretende manter as coisas. É preciso mencionar isto aos advogados do ICC de plantão.

    Também, por outro lado, nunca fui afeito a palavrões, e acho que não é por aí que se resolvem os problemas do mundo. Há pessoas que ainda pensam que com um cacetete e ( ou ) a verborragia hippie com desprêzo à educação e aos bons modos conseguem alguma coisa nesta vida além do desprêzo da sociedade.

    Eu acredito que as pessoas de bem devem sempre sentar-se à mesa do diálogo com os opositores e encontrar soluções. Em qualquer área. Mesmo na área política, é possível sentar-se na mesma mesa para dialogar, duas pessoas completamente opostas, como Yasser Arafat e George Bush.

    O que tenho visto aqui não é um debate. São agressões tolas ao ICC por parte de alguns comentaristas, revides a essas agressões sem embasamento, defêsa do ICC por conservadorismo e falta de visão do todo no que acontece no Cariri atual, e que somando tudo isso, fazem o tópico se afastar do real propósito a que ele foi criado: Questionar o papel do ICC no seio da sociedade caririense atual.

    Acho que antes de se publicar algo, a educação e o bom senso devem preceder a caneta.

    Dihelson Mendonça

    ResponderExcluir
  10. Complementando:

    Algumas pessoas me escreveram pedindo para eu apagar, ou deixar de postar os comentários pejorativos de outros. Não posso fazer isso.O Blog do Crato é um instrumento democrático, e até agressões à minha pessoa eu tenho deixado passar, que dirá a outras...

    Quanto à linguagem, ou aos ERROS de linguagem, respondo ao leitor, que cada um escreve dentro da educação que possui. Erros não mais serão corrigidos, e cada um que corrija sua ortografia. Meu tempo nesses dias está muito curto, e não estou podendo nem redigir, quanto mais corrigir os textos errados que me enviam. Então, peço a todos que moderem um pouco, pois uma das regras da internet é que antes de se escrever qualquer texto, deve-se pensar primeiro:

    01 - É útil ?
    02 - É supérfluo ?
    03 - Fere a alguém ?

    Abraços.

    DM

    ResponderExcluir
  11. IBECIL É VOCÊ E SEU ENFADONHO FOLHETIM,ALIAS jornaleco, agora sim estou no ataque e se for o caso pode até ser pessoal e nunca fui anônimo sempre dei as claras ao que fçao,ao que me parece o seu folhitim morre e renasce a custas da politica barganhista e a benevolência de alguns empresários que na verdade são é budegueiros para seus deleites de elite falida.USAR palavões tsambém é dialético já que fazem parte de verbetos linguisticos e etmologicos da língua mãe.QUE POR SINAL A PALAVRA mERDA É USADA no tearo e no mundo todo como BOA SORTE. a decadas faço cultura e já reconhecido lá fora em prol do cariri,porque tenho atitude de não só coçar o saco,a minha linha é sim a marginalidade de becos,esquinas e cabrés que também consomem literatutra e arte.nNão desejo ser mortal ou imortal,para laurear traças e feculas de poeiras.Estão sentidos que provém na pratica a importância da tal academia.Uma casa de porta unica e um dono só é sim ditadura ideocratica.Jornais velhos sem maturidade de informação limpa-se os anus.entedeu. estou no ataque sim

    ResponderExcluir
  12. “agora sim estou no ataque e se for o caso, pode até ser pessoal”
    Autoria: Wilson Bernardo

    Que é que é isso meu!!!???

    Com os acérrimos dos ânimos, há de se perguntar no calor da discussão onde está a maturidade de quem recebe críticas e onde está o preparo de quem as formula ou “revida”!

    Agora conheço melhor quem é quem!

    Pra mim basta.

    ResponderExcluir
  13. Enquanto houver espaço eu continuarei escrevendo e de forma clara, sem camuflagem.

    Dispenso qualquer espécie de orientação de ética do Sr. Dihelson Mendonça, mesmo porquê o senhor não tem nada para me ensinar e nem eu compartilho com essa sua afetação de "filhinho da mamãe quer colinho" quando alguém fala ou escreve palavrão. Acredito que existem inúmeros outros aspectos repugnantes nessas postagens do seu blog do que necessariamente palavrões, como por exemplo esse seu patrulhamento ideológico de quem posta ter que rezar na sua mesma cartilha de intenções ou a sua censura prévia, tipicamente reacionária de imaculação total. De forma que qualquer opinião contrária manifestada tem que estar de acordo com o que você acredita e acha que sabe. Isso é péssimo, até para a troca de idéias, quanto mais para o disenso. Acredito que falte a você uma verdadeira cognição do que seja ética, pois a partir do momento em que você alega não ter tempo de fazer correções de português nos textos alheios, tentando desqualificar, e de forma indireta, as opiniões de Wilson Bernardo, fica demonstrado o seu despreparo intelectual e social, justamente você, o mediador (ou dono do blog?) que deveria acolher a todos de forma igual, sem preconceitos, linguísticos ou ideológicos. Isso se chama ideal socialista: igualdade para todos em todas as esferas da existência.

    Quanto ao comentário de Pachelly eu lamento pela falta de clareza e de objetividade. Não tenha receios de dialogar! Seja claro. Pelo que eu pude notar o ressentimento é todo seu. Caso você queira insinuar que eu tenho algum tipo de mágoa por não fazer parte do ICC, se é isso o que você quiz dizer, você está completamente enganado, esse tipo de coisa não me interessa e nunca me interessou. Muito pelo contrário, eu acho a coisa mais idiota que possa existir em se tratando de arte. Eu me sinto vivo e ativo, em plena produção, não preciso de muleta ou de placa de indicação sob o meu busto empoeirado. Nunca precisei de nenhuma instituição dessas para publicar nada meu. Sou escritor contratado pelo meu talento e não por favor de ninguém. Não sei a quem você se refere com "Tem ainda aqueles que se esforçam, mas são descoordenados e não acertam os passos, engatinharão eternamente nos rastros dos imortais!", se é comigo que você está falando, pois você não é direto, usa subterfúgios, eu quero lhe esclarecer um detalhe, o meu livro continua ganhando prêmios desde que foi lançado e eu nunca precisei fazer propaganda disso, pois esse tipo de expediente não me interessa, acho provinciano. Da mesma forma que recebi críticas positivas, provindas de pessoas extremamente capacitadas naquilo que fazem e reconhecidas nacionalmente eu recebi críticas negativas de algumas pessoas justamente do Crato. Aceitei todas com dignidade, sem pretensões. Meu velho enquanto eu estiver engatinhando aos pés de José Saramago, Ezra Pound, Jorge Luis Borges e Kafávis, eu estarei diante da imortalidade, o resto é din din de baunilha.

    Quanto ao ICC: alguma coisa foi feita pela "cultura" do Crato? Uma só?

    ResponderExcluir
  14. É a coisa terminou pegando fogo e me parece salutar esta discussão, apesar dos arranca-rabos eventuais. Vejo que o ICC funcionou a pleno vapor nos anos 50-70, quando foi uma espécie de Instituto histórico Geográfico do Cariri. Sempre mais ligado à história do que à cultura diretamente.Na realidade nossas instituições todas ligadas à cultura funcionam de modo capenga, geralmente encabeçada por luminares que lutam desesperadamente para mantê-las, com todas as dificuldades deste mundo e, por isto mesmo, vão se sentindo de alguma maneira donos, proprietários.Acredito firmemente na união de artistas , no associativismo, com fito de se buscar espaços reais junto ao estado,buscar sustentabilidade e visibilidade mas sei também que a obra de arte é perfeitamente solitária e independe de tudo para ser criada, menos de um item: talento.

    ResponderExcluir
  15. Devolvo na mesma moeda o comentário do Sr. Marcos Leonel.

    Quando ele diz sobre mim ( Dihelson Mendonça ) :
    "afetação de "filhinho da mamãe quer colinho" quando alguém fala ou escreve palavrão."

    Eu respondo que por outro lado, o Sr. marcos Leonel se comporta como um recalcado que tem seus brios feridos quando é criticado. Saiba aceitar críticas, meu caro! Você quer quer que todas as pessoas pensem como você pensa.

    É só você que pensa!
    É só você que pensa!
    É só você que pensa!
    É só você que pensa!
    É só você que pensa!
    É só você que pensa!
    É só você que pensa!
    É só você que pensa!

    O Sr. Marcos Leonel virou o sabe-tudo. Qualé, cara! Tá longe de poder se colocar como juiz e censor no pináculo que você mesmo erigiu para você mesmo, e de onde alega conhecer e julgar os outros reles "menos favorecidos e abaixo da sua realeza".

    E sim, precisamos ter no blog um conjunto de regras mínimas de convivência em sociedade. Chama-se isso de EDUCAÇÃO BÁSICA. Quem é afeito a palavrões, e digo novamente: Quem é afeito a palavrões, não tem meu apoio na publicação de comentários. Apesar de certas pessoas que desejam anarquizar as coisas, eu não vou permitir que essas deturpações tentem transformar o Blog do Crato numa baderna.

    E é mesmo muito interessante que aqui está a prova de que qualquer estrutura em que se concedem plenas liberdades a pessoas de forma absoluta, vira BADERNA. Eu e muitas pessoas de bom-senso que fazem parte deste site, nao queremos que um site que se destina a propagar o bom nome do Crato, suas belezas, suas personalidades, vire uma baderna e um antro de incivilizados. Aqui tem que ter princípios de civilização mesmo. E a linguagem é essencial neste processo. Repito: Palavrões não serão aceitos. E quem não quiser comungar destes princípios básicos de educação, A PORTA DE SAÍDA AINDA É A SERVENTIA DA CASA !

    Tenho dito!
    Ditador? Sou sim, quando precisa manter as rédeas. Vai fazer baderna na casa do palavrão, ok ? Dá licença...

    Dihelson Mendonça

    ResponderExcluir
  16. E com relação aos consertos ortográficos, esqueci de mencionar sobre o assunto, que era prática comum no Blog do Crato de que grande parte dos comentários eram até hoje, publicados após haver sido corrigidos eventuais erros de linguagem, sem afetar o conteúdo dos mesmos. Muitas pessoas inclusive, me pedem para fazer uma edição e leitura prévia sobre eventuais erros que possam conter, antes da publicação. Tento fazê-lo dentro do que conheço da língua. Entretanto, eu mesmo cometo muitos erros, e problemas ortográficos são também derivados da pressa que todos nós temos ao escrever.

    Sendo assim, quero comunicar que pretendo abandonar essa prática de correção ortográfica, devido ao meu tempo exíguo no momento. São 06:24 da manhã, após noites longas e exaustivas trabalhando em diversos projetos. Quero pedir que cada um se policie e façam suas próprias edições.

    Abraços e tenham um Bom Dia!

    Dihelson mendonça

    ResponderExcluir
  17. Meu caro amigo Zé Flávio,

    Eu concordo contigo principalmente na última parte do seu comentário. Desde a postagem do meu texto inicial, que friso a importância da união dos artistas nesse processo todo que estamos vivendo. Veja que a classe artística está de um lado do rio e os produtores e organizadores culturais de um outro lado. No caso dos músicos, por exemplo, há tempos que precisamos de uma associação de músicos aqui no Cariri.

    Abraços,
    Vou ver se passo lá no consultório hoje...

    Dihelson Mendonça

    ResponderExcluir
  18. Dihelson Mendonça,
    seu comentário só corrobora o seu perfil como mediador, você é incapaz de manter as coisas no campo das idéias, sempre tem que levar para o pessoal.
    Não se preocupe não, pois eu não incomodarei mais a sua digníssima ordem totalitarista e nem o seu reduto de submissão, a partir de hoje eu deixo de postar em seu blog, mas não deixarei de manifestar a minha opinião em nenhum outro ambiente virtual que propague o disenso como uma ferramenta eficiente para o desenvolvimento intelectual.
    Em palavras eu me despeço sem apologias ao peleguismo ideológico e que a liberdade de expressão sobreviva sempre, com ou sem a sua tutela.

    ResponderExcluir
  19. Shega né omis di bem...
    prá quem nãO SAbI ISTO QUE AI ESTÁ ESCRITO NÃOE ERRO PORPULAMENTE CONHECIDO E SIM VARINTES DE ENTENDIMENTOS LINGUISTICOS.
    ABRAÇOS.
    Há o que eu sei é que a unica função do ICC é servir de estacionamento para MOTOS no periodo da EXPOCRATO...
    E o dinheiro arecadado.

    ResponderExcluir
  20. Marcus, onde citei o nome de quem citei, me dirigi claramente a este. Se em algum momento não fui direto é porque não subestimava a percepção do receptor, mas a gente se engana né, quanto a esta capacidade.

    Então >>> “ MARCUS VINÍCIUS” >>> com direito a setinhas... A questão aqui era o gerenciamento ou “in-gerenciamento” do ICC e nem mesmo a instituição em si, mas o que dela fazem ou deixam de fazer, de quem está ou não à frente de suas decisões ou postura!

    Terminou que gerou desavenças pessoais, com o agravante de despreparo psicológico e diplomático na condução dos pontos de vistas, lamentavelmente!

    Se o ICC não te interessa, porque caiu em ataque? Só se defende ou se ataca algo quando há partes interessadas! Não seja tão garoto bonzinho, não me venha com esse orgulho contido a ponto de dizer que não gostaria de sem lembrado, que não se ressente! Ih, essa de quanto mais dizer que não...! E olha que em momento algum nenhum dos debatedores sequer citou a sua obra literária e o quanto de mérito existe, o seu potencial, não sei mesmo que contribuição isto traria, pois a questão era e é o ICC.

    Agora não está errado Dihelson, quando afirmar que você Marcus Vinícius se acha...! E eu Pachelly, não outro, já tinha percebido isso! Marcus, este teu pulmão cheio de livros não faz o mundo respirar melhor em nada! Esta tua obesidade literária, só te mata! A tua vaga-luminância intelectual te ofusca! E se você se acha o último dos críticos, é porque a coisa ta crítica!

    Enquanto vc estiver à sombra de José Saramago, Ezra Pound, Jorge Luis Borges e Kafávis, eu vou no rastro de: Zé gato, Cégo Aderaldo, Patativa, de Luciano Carneiro, Abidoral, Salatiel, Geraldo Urano, Rafael Dias, irmãos Anicetes, Socorro Moreira, Célias Dias, gente nossa mesmo!

    Zé, é isso, o ICC não é o vilão em si e é viável. Em conversa off com Abidoral, fiquei mais a par da questão em si e realmente muita coisa precisa ser questionada. A atual administração até o presente não se posicionou aqui, e ela não pode está à margem desta discussão que como vc bem disse é salutar!

    ResponderExcluir
  21. Pachelly,
    você poderia pelo menos ter respeitado a minha decisão de não postar mais no blog devido à não concordância com esse clima provinciano de caça às bruxas, de policiamento de idéias, de separatismo idiota de grupelos insignificantes, e de "zelo" pelo idioma, o que é mais fútil do que parece encaretado.

    Sinceramente não esperava você baixar o nível a ponto de agressões pessoais. Esperava e espero mais de você, uma pessoa que sempre tive o maior respeito e cultivei sempre a melhor amizade. Sou uma pessoa de diálogo, essa minha "obesidade" de livros foi que me fez trilhar o caminho da educação. Quando as diferenças ideológicas nutrem-se de argumentações tem-se a verdadeira troca de bens simbólicos. Quando as diferenças ideológicas se alimentam acusações pessoais tem-se um curtiço.

    Minhas opiniões sobre o ICC continuam. Da mesma forma continuarei defendendo as minhas opiniões e lutando pela liberdade de expressão.

    Mais uma vez:
    Em palavras eu me despeço sem apologias ao peleguismo ideológico e que a liberdade de expressão sobreviva sempre, com ou sem a sua tutela.

    ResponderExcluir
  22. O nível baixou num instante em que você Marcus, subjetivamente me chamou de sonso ao insinuar que sou uma pessoa incapaz de assumir o que diz.
    O seu tom agora é outro, mas antes, era de deboche, tipo: "Bode Viúvo", “FRACO” ou, pobre de ortografia, gramática e concordância verbal, porque coincidentemente a partir desta matéria, ocorreu uma maior cobrança pelo s consertos ortográficos, pela aplicação da língua! De forma que você estava sendo mais subjetivo do que eu!

    A colocação “obsidade de livros” equivale à: “pobreza ou magreza literária” que talvez seja o meu caso. Deve-se ao fato que leio pouco, escrevo emotivamente e não domino mesmo a língua portuguesa, talvez por que tenha aprendido que “os nossos quintais são terras brasileira.”

    Eu nunca tive desavença com ninguém, não que eu saiba! Mas, sou do tipo que dou um boi pra não entrar numa briga e uma boiada para não sair. Sei do seu respeito pela minha pessoa e igualmente nunca havia faltado com respeito a você ou a ninguém! Aconteceu porque bicho acuado mostra os dentes!

    Se você achar que estou feliz com isso, ledo engano, porque do mesmo modo, tenho dado boiadas para não perder um amigo e sacrificado um boi às piranhas para não perder o todo! Mas enquanto você tomou as dores de Bernardo eu tomei as minhas!

    No íntimo, você sabe da minha admiração pela sua pessoa e seu trabalho que não é de hoje. Tanto que lembro muito ter lhe solicitado várias vezes trabalhos visando parcerias. Passei meu email, fone e cobrei, mas não iria força o amigo fazer o que talvez entendesse não valer apenas. Quanto a isso é natural! Você sabe do seu valor e isso é o que importa.

    E enquanto o amigo se despede do blogdocrato, de há muito eu venho me ausentando do meio artístico por opção, proporcionalmente, cada vez mais! Estou às vésperas de levar a público o meu terceiro CD, sem maiores pretensões, entusiasmo, dado que o mesmo foi concebido em meios a incontáveis crises depressivas. Depois “quero uma casa no campo onde possa compor alguns Rock´s rurais e nada mais”

    Bom, se lhe fiz voltar a este blog, agora respeitarei mais, darei por encerrado da minha parte, com desculpas até.

    As suas e aminhas opiniões sobre o ICC serão imortais.

    Sem mais...

    ResponderExcluir
  23. Prezado Marcos Leonel,

    Depois do que Pachelly tão brilhantemente escreveu, quase nada mais posso acrescentar, a não ser dizer que lamento profundamente a sua falta de capacidade de diálogo, e como um coelho assustado já vai dando o fora na primeira cacetada.

    O seu problema é que você cultua a própria imagem ao extremo, ao ponto de pensar que está acima da razão, e do julgamento dos outros. Você é capaz de julgar os vivos e os mortos, mas não aceita uma ÚNICA crítica sequer...

    E é uma verdadeira temeridade a pessoa se achar "intocável" intelectualmente neste meio, arrotando sabedoria como você faz, diante de tanta gente de capacidade, de tantos escritores bons, de poetas, pensadores, intelectuais que nós temos aqui no cariri. Se você escreve bem... Parabéns, amigo. Bem-vindo ao clube! Há dezenas de pessoas que escrevem bem também. Cronistas fantásticos mil...

    O que lhe falta é uma coisa simples, que não pôde aprender nos inúmeros livros que já leu, chamada >>HUMILDADE<<. Esse seu temperamento arrogante não vai lhe levar longe. Vejo pessoas aqui mesmo da região, a quem eu verdadeiramente considero brilhantes, como o DR. JOSÉ FLÁVIO VIEIRA, que é um cara realmente fantástico em tudo que faz, com mais de 10.000 crônicas incríveis já escritas, e não tem hum centésimo dessa sua aura de semi-deus de que você se reveste. Poetas bons, temos centenas. O próprio Pachelly é um grande poeta. O Abidoral jamacaru, um grande pensador. Luiz Carlos Salatiel, uma pessoa brilhante, bastante conhecedora de inúmeras áreas, e como ator, desconheço quem um dia eu pudesse desejar para ver interpretado Hamlet de Shakespeare aqui na região. Carlos Rafael, Armando Rafel, enfim...

    Então, quero dizer, embora sei que você no seu trono de mármore cercado de raios luminosos por todos os lados como ZEUS, em cima dos seus mais de 100 kilos de puro egocentrismo jamais irá concordar com algo dito pela minha pessoa, a quem você desconsidera tão veementemente, peço que reflita sobre essa sua tendência a não aceitar opiniões contrárias e a se ferir com muito pouco, como já é notório entre várias pessoas que lêm o que você escreve.

    Ninguém aqui questionou, nem sequer mencionou o seu nome nem seu trabalho quando da questão do ICC, que é o assunto em pauta. Não sei nem como é que você saiu do seu salto, e atraiu para si as atenções sobre esse assunto pessoal, já que estamos tratando aqui de outra coisa mais abrangente. E ninguém aqui desmereceu em nenhuma linha sequer, o seu potencial literário, nem teceu comentário acerca do seu livro para você já sair assim com 7 pedras na mão em auto-defêsa. Ninguém!

    Garanto que todas as pessoas reconhecem seu talento de escritor, eu incluso, pois muito admiro certos escritos seus que tenho lido, e me estranha muito quando vi a sua revolta ante minhas considerações acerca do uso de palavrões dentro do Blog como norma administrativa interna sem sequer mencionar nem insinuar seu nome.

    E adianto que se seu livro recebe elogios por parte de inúmeras pessoas do Brasil, estás de parabéns, e eu serei o primeiro a colocar a capa dele na página frontal do Blog. Sou das pessoas que elogiam o trabalho das outras. Não para denegrir, coisa que você faz. Nunca escrevi um artigo denegrindo o trabalho de ninguém com resenhas espalhafatosas, como você o faz e diz. Procuro sempre elogiar, e se eu vejo que aquele trabalho ou aquela pessoa não merece elogios, eu deixo pra lá, e não escrevo nada.

    Agora, quanto à sua decisão de sair do Blog, embora seja decisão unilateral sua, eu só tenho a lamentar, pois em momento algum eu dirigi meus comentários à você. Falei sobre o uso de palavrões, e até mesmo Wilson Bernardo, a quem a coisa era dirigida, não se sentiu magoado, inclusive conversamos pessoalmente lá no centro em um encontro muito legal com vários outros amigos. Wilson sabe dialogar e separar o joio do trigo.

    Lamento pela sua decisão em sair, se for sair, pela perda de um grande escritor que você é, mas que, infelizmente tem um ego de iceberg, para conviver em paz e harmonia com outros também merecidamente iguais e talentosos.


    Dihelson Mendonça

    ResponderExcluir
  24. AQUELE ABRAÇO AO POVO DA RUA..

    AlÔ vocês...

    Só pra mandar um abraço para as inúmeras pessoas que estão lendo o Blog. Não se falou outra coisa hoje à tarde quando estive no centro do Crato, sobre essa discussão aqui sobre o ICC e que está tomando um caminho tão inesperado. Até de pessoas que eu nem conhêço.

    As pessoas lêem mas não escrevem. Aquele abraço! às vezes, infelizmente, as discussões chegam a esses limites, mas ainda creio que de toda essa polêmica, algo de produtivo será encontrado.

    Voltemos a falar sobre o papel do ICC e esqueçamos essas briguinhas sem sentido.

    O ASSUNTO AINDA É O ICC.

    Dihelson Mendonça

    ResponderExcluir
  25. Nada mais bonito na vida, que o entendimento humano. Depois de algumas escaramuças, eis que surge
    a volta da normalidade,e educadmente as pessoas voltam à boa convivência.
    O Crato tem esse dom de fervilhar as cabeças, e cada um dentro da sua autencidade, expõe seu ponto de vista, as vezes até de maneira exacerbada.
    Vamos pra fente que o trem está voltando.

    ResponderExcluir
  26. " minha linha é sim a marginalidade de becos,esquinas e cabrés que também consomem literatutra e arte."

    No meio dese fuzuê todo,dei as minhas risadas, pensando que o grande Wilson Bernardo, quizesse parodiar o Jorge, e lançar o Rapariga Cultural.
    Que os bons fluidos embalem uma discussão positiva e coerente.

    ResponderExcluir
  27. Gostaria de esclarecer que se foram as minhas palavras consideradas também em tom de deboche(o que seria um elogio uma vez que mal controlo a insegurança ao escrever), ainda assim não retiro nada do que disse. Não foi deboche. Se do contrário interpretaram de outra forma, só tenho a dizer um "sinto muito". Quando referi-me à um suposto abandono do acervo do ICC rocordei-me de uma matéria publicada no jornal "Diário do Nordeste". Dia desses, ao conversar com uma conhecida, a mesma confidenciou-me que uma pessoa que ministra no ICC um curso teve de comprar uma lâmpada para iluminação do ambiente. Não seria isso de responsabilidade do ICC? E tem outra: qual o motivo da atual administração não se mobilizar ela mesma para dinamizar mais suas atividades(à exemplo do bom trabalho que desenvolveram na época da traumática instalação do campus da UFC)? Apelos assim encampam, mesmo que timidamente, alguma atitude. Concordo demais com que um leitor disse: "auto-intilular ou se amoldar ao rótulo de marginalidade e se vangloriar disto não é um grande feito". Ainda bem. Não é meu caso. E, para usar um clichê, pelo andar da carruagem da minha vida nunca o será. Quanto ao que afirmei por "imortais", meus sinceros respeitos pelos que fazem o ICC pois alguns conheço pessoalmente. E insisto: facilitem o acesso do acervo do ICC à pesquisadores. Tenham quadros especializados para isso. Entendam: o ICC não é fechado num grupo. É fechado no sentido de ter portas cerradas mesmo, ao ponto de alguns perguntarem o que funciona ali.

    ResponderExcluir
  28. Sim, só mais um lembrete: "É tempo do ICC parar de se preocupar em ser fábrica de imortais e começar a funcionar de verdade!"
    Não custa nada rememorar que o autor do blog foi o responsável pela afirmação em que consta o termo "fábrica". Em parte concordo.

    ResponderExcluir
  29. Dihelson,
    você continua com agressões pessoais extremamente infantis. Você está me obrigando a retomar um lenga lenga vazio e sem interesse nenhum para o âmago da questão do famoso ICC. Pra você não basta ler o meu comentário de despedida (rsrsrsrsrs), tem que tripudiar a minha sagrada e imaculada imagem, que eu cultuo a tanto tempo com a maior vaidade e esmero, bem ao estilo cratense de ser e estar(hehehehehe, esfregando as mãos, mais maquiavélico do que o próprio Maquiável). Pois então lá vai...

    Não estou acuado nem aqui e nem na China. A sua opinião sobre o que sou ou deixo de ser para mim não importa em nada.

    Você deve ter ficado magoado por eu ter feito comentários sobre a sua música em outras oportunidades. Apenas disse o que acho sobre a sua música e mantenho a minha opinião e volto a afirmar que você não me engana. Mas não leve a sério não cara, é só uma opinião de um cara prepotente e sem capacidade crítica, siga a sua arte, continue achando o que você acha sobre tudo e todos. Apenas não sou obrigado a concordar com o que você concorda, certo hombre?

    Cara eu tenho senso crítico, se isso é considerado arrogância, que se lixe quem quiser, você e qualquer um, tô cagando e andando para isso. O seu conceito de lonjura não me interessa. Sobre o longe eu acabei de ler "Olhos de Madeira", de C. Ginzburg, esse conceito me interessa. (ahahahaha, risada maluca, babando com o livro na mão)

    Agora parece realmente uma peça bufa, justamente você falar de pedestal de mármore. Isso é pra rir ou é pra chorar ? Ou será preciso eu lembrar a você da sua postagem falando do seu próprio show? Você já reparou como você fala de você mesmo? Mar num liga não, besta, deixa o povo falar.

    Sobre a minha saída do blog, eu só estou usado a serventia da casa, que me foi apresentada por você, cara, lembra não? É uma saída sem traumas, cara, numa boa, sem afetações. Espero poder conversar com você aí nas ruas caririenses e dar boas risadas sobre esse episódio. Não guardo mágoas e nem opiniões.

    Mais uma vez
    Em palavras eu me despeço sem apologias ao peleguismo ideológico e que a liberdade de expressão sobreviva sempre, com ou sem a sua tutela.

    ResponderExcluir
  30. Amigos,

    A discussão tem rendido farpas & arranca-rabos. Só que terminamos por perder o foco do verdadeiro inimigo e caímos no inevitável "fogo amigo". Dihelson, Elmano, Pachelly,Marcos vinicius, Wilson Bernardo todos têm objetivos muito comuns e próximos.Todos grandes artistas desejam fazer com que seus trabalhos e os de outros que tais tenham visibilidade e possam contribuir para a maior riqueza caririense: seu pontencial em termos de cultura. Claro que variam os métodos e nossas concepções de atingir os mesmos objetivos , aí a discussão é imprescindível. Claro que nossas instituições como o ICC, a SCAC, a SOLIBEL, a Fundação Mestre Elói têm suas inúemras deformidades e deficiências e também elas são apenas uma aresta do polígono cultural caririense. Não se trata porém de incinerá-las mas se lutar por seu aperfeiçoamento, lembrando sempre que elas não são tudo e que a verdadeira riqueza está nos artistas off-line. O associativismo como força de luta é importantíssimo e não devemos esquecer isto. Sei da difícil exequibilidade do cooperativismo na área cultural, mas não custa tentar. Proponho que direcionemos o fogo para o verdadeiro campo inimigo. Os comentários do Marcos Leonel me parecem pertinentes e os blogs certamente têm lá suas imperfeições e que podem ser aperfeiçoadas, Dihelson inclusive já se propôs corrigir rotas. Ninguém quer, por outro lado, ver a saída do Marcos, o nosso mais consistente ensaísta e poeta sensível e vanguardista. Nada mais fizemos do que abrir um amplo espaço para discussão de nossas eternas chagas e aí sempre é inevitável que outros ossos que estejam por acaso cravados na graganta , saltem para o lado de fora. Entre mortos e feridos parece que escapoaram todos.

    ResponderExcluir
  31. Prezado Marcos,

    eheheh

    Parece que eu vou te fazer escrever mais uma resposta nessa já enfadonha ladainha que estamos a tecer aqui nestes comentários, mas o propósito desta mensagem aqui é de conciliação. Depois de tantos arranca-rabos, como diz Zé Flávio na mensagem anterior, volta a paz e a bonança a reinar, para a insatisfação de alguns leitores que adoram ler as polêmicas do Blog. ( Wilson, tu fica calado aí, deixa de risos... ).

    E quando eu falei da serventia da casa, veja no texto, me referia mais como uma advertência do que a uma execução real, ao princípio do uso da linguagem dentro do Blog. Evidentemente que este pretende ser um espaço democrático, deve haver um conjunto de regras que todo site possui e que não foi devidamente escrito e publicado, o que me deu uma boa idéia aos que pretendem ingressar e comentar no site, criar umas regras para a pessoa concordar ao entrar.

    O negócio é o problema dos palavrões, pois eu sei que há crianças pesquisando aqui. As escolas da cidade vêm pesquisar no Blog. Diversos professores entram em contato comigo encaminhando os alunos para pesquisas nos textos que escrevemos e isso é um pêso sobre nossas costas saber que um texto seu ou do José do vale, ou do Wilson Bernardo, ou meu, possam estar sendo debatidos em sala de aula. Hoje temos mais de 22.500 acessos mensais, então aumenta nossa responsabilidade sobre essas coisas do que se fora um Blog de 100 acessos. Você não imagina a polêmica que eu encontrei nos meios mais conhecidos ontem pelas ruas do Crato apenas sobre essa questão do ICC. Aliás, o Bom dessa confusão é que atraiu o povo para a discussão sobre o papel do ICC na comunidade, mas os palavrões e agressões pessoais de gente chamando o outro de "Imbecil" e "Idiota" diretamente na lata bem que poderiam ter sido poupados. Não me lembro de ter visto qualquer palavrão seu escrito a esmo no sentido de denegrir alguém, pois o seu comando da língua de Camões o permite escolher bem o que vai ser dito, mesmo agressivamente sem precisar usar palavrões. Portanto, me estranhou essa sua saída do Blog, como se houvesse sido atingido por um raio, mas que caiu não em você, mas em outros...

    Então, se aquieta aí, como você diz, segura a onda, não queremos nos privar do brilhantismo dos seus textos aqui neste Blog, creio que falo por muitos membros que pensam dessa forma, e que é construído todo dia pelos mais de 50 escritores. Administradores? Bem, o Ruben Mousinho também é nosso administrador, só que ele não escreve muito. Vamos dizer que somos os zeladores ou veladores de uma coisa que a essa altura não tem mais dono. E eu diminuiria muito as minhas próprias postagens caso todos participassem mais, escrevessem mais, para não ficar com essa aparência de monopólio do uso da palavra, coisa que detesto acontecer aqui e que infelizmente todo dia acontece, pois os leitores precisam de atualizações diárias. Alguns pensam que isto aqui é jornal do Crato. Com a saída de um membro escritor bom, é mais uma perda para um site que é da cidade, e não de uma pessoa só.

    A Porta de ENTRADA democrática sempre foi a serventia da casa às pessoas de boa vontade, e você sabe disso.

    Um abraço

    Dihelson Mendonça
    e mais uns 49 membros e centenas de "olhadores".

    ResponderExcluir
  32. Voltemos a debater o real motivo deste tópico:

    O PAPEL DO ICC NO CRATO CONTEMPORÂNEO ?

    Abraços,

    ResponderExcluir
  33. Pachelly,

    Oh, Omi...

    Quando você for pra essa "casa no campo em que possa fazer rocks ruais" me deixa ir com você para "uma casinha branca de varanda, um quintal e uma janela só pra ver o sol nascer". São demais os perigos dessa vida, meu amigo! Hoje em dia já penso que a Morte é um descanso, um prêmio que a gente tem direito nessa vida. E depois de tantos estresses porque passamos, tem que haver um DESCANSO ETERNO sem direito a céu ou inferno para não perturbar essa paz...

    Abraços,

    ResponderExcluir
  34. O que tenho a dizer depois de tudo.

    “O Instituto Cultural do Cariri pode muito bem vir a cumprir o seu papel.” Foi com esta colocação primeira que levei à reflexão o papel da conjuntura cultural da cidade, embora o bode expiatório tenha sido o ICC. Isto, o Salatiel, Dr. Zé Flávio e Dihelson em matérias anteriores já haviam levantado com pontos de vista próprios.

    Volto a enfatizar que o gerenciamento destas instituições é questão maior ainda do que a nomenclatura destas! Brasões, emblemas, slogans, bandeiras, hinos e derivados. Porque, porque estas instituições nas mãos de pessoas idôneas, centradas, compromissadas com o papel destas perante a comunidade é de longe mais importante do que os títulos que estas conferem em cerimônias, isso ninguém discuti!

    Nenhuma instituição destas é propriedade particular de ninguém isoladamente, de grupos isoladamente, de uma gestão, ainda que eleita democraticamente por normas regentes. Elas são da comunidade para a qual se escreve a história.

    Mas, deixei por outro lado bem claro que não seria de bom senso ridicularizar, menosprezar, desacreditar ou abrir mão das mesmas!!! Porque deveríamos?

    É urgente um posicionamento da atual administração. Até com convocação de assembléia para seja esclarecida atual situação e para que as pessoas desarmadas e... Armadas com a melhor intenção e compostura, cheguem a um consenso sobre a funcionalidade e o real papel não só do ICC, mas de todas que direta ou indiretamente tem na cultura a sua razão maior de existir.

    ResponderExcluir
  35. Dihelson Homi, queria mesmo era que o Zé Rodrix convidasse a gente para sua casinha lá no campo e que neste dia, Elis descesse do andar de cima e cantasse pra nós! Rs rs rs...
    Abraço

    ResponderExcluir
  36. Pachelly, não tive tempo suficiente ontem para postar a minha resposta a você. Da mesma forma eu peço minhas desculpas pelos apupos e afirmo o meu carinho e respeito pela sua pessoa. São apenas idéias.

    Dihelson, cara, várias coisas eu admiro em você, seus talentos são múltiplos. Mas o que eu mais admiro em você é a sua postura de buscar o diálogo. Nunca leve o que eu escrevo para o pessoal, se não vira aquela coisa de você disse primeiro...

    Também peço desculpas a você pelos apupos e também reafirmo meu respeito e carinho pela sua pessoa.

    Creio que muita gente sentiu vontade em meter a colher na história e teve receio, pois a coisa descanbou para o pessoal.

    Aproveitando a "re-abertura do caso", vou publicar um artigo sobre o que penso sobre a função de uma instituição dessa. Doa em quem doer.

    abraços

    ResponderExcluir
  37. Tudo bem, Marcos,


    Estive conversando ligeiramente com o Dr. Zé Flávio hoje pela manhã, e ele mesmo concordou que nesses casos em que todo mundo quer participar, e que são assuntos polêmicos as coisas as vezes tomam outro rupo e surge o famoso FOGO AMIGO, que queima da mesma forma, mas no fim das contas a gente jamais vai confundir as coisas. Um pai repreende um filho, briga mas não deixa de amar os filhos. Acho que os amigos também devem ter essa postura. Passam-se os arranca-rabos, mas a amizade nunca será abalada, porque há muitas afinidades e embora a gente brigue aqui, sabemos que lá fora a guerra é DE VERDADE, e que o fogo que vem de lá é contra todos nós mesmo! Lá fora, no inimigo, eles não tem essa postura de ouvir o que o outro tem a dizer. Por isso que é tão difícil dialogar com o inimigo, como os chefões da Expocrato e outras.

    Então, nesse momento difícil de muitos questionamentos, em que nossa classe está mesmo precisando se organizar, acho que não podemos permitir que nos dispersemos. É exatamente isso que o inimigo quer. Temos é que nos unirmos pelo bem-comum que tanto já conquistamos nesses últimos meses, nesses ensaios.

    O Pássaro já ensaiou durante meses para voar. Falta agora se lançar no abismo e voar de verdade. E cada dia vai chegando mais perto de realizarmos o vôo deste pássaro da cultura do cariri, com todos os nossos amigos e afins. Força de vontade e gente competente não falta aqui. Falta apenas sair desse marasmo que essa cidade, infelizmente se encontra, o que nos remete ao tema inicial dessa discussão.

    Um grande abraço.
    PAZ.

    Dihelson Mendonça

    ResponderExcluir
  38. Prezado Luis José.

    Seu comentário já foi publicado muitos comentários acima. A razão dessa mensagem aqui é pra lhe dizer que acabo de receber 2 comentários seus iguais como se ele não já houvesse sido publicado. verifica aí mais acima, ok?

    E falando em você, quero depois conversar contigo uns assuntos relativos a Jornal.

    Um grande abraço,

    Dihelson Mendonça

    ResponderExcluir
  39. Marcus, é indiscretível a sensação da reconquista de uma amizade, deiga-se de passagem, uma grande amizade!
    Forte Abraço rapaz!

    ResponderExcluir
  40. Como disse para opinar é preciso conhecer. Pelo que se vê, o que se diz sobre o ICC, são ditas por quem é "despeitado" e não merece nem passar na calçada da instituição.
    Sobre os comentários desse pseudo bernardo, não valem nada, nem devem ser lavadas em conta. É um lunático, diz o que lhes vem na telha. Telha, sim, porque miolos ele não tem. Não diz coisa por coisa.
    Meu nome é Luiz José dos Santos, sou jornalista há 40 anos, editor da Gazeta de Notícias, que você disse muito bem nunca leu, mas usa como papel higiênico. Para ver a sua pobreza.
    A Gazeta de Notícias tem 10 anos de efetiva circulação e uma relação de clientes permanentes e importantes como: o Governo do Estado do Ceará, Banco do Nordeste, Banco do Brasil, Prefeituras da região, Universidades, faculdades, Câmaras municipais, grandes empresas, e etc. A Gazeta de Notícias tem uma trajetória de uma imprensa séria e honrada.
    Quanto a ameaça de levar o caso para o confronto pessoal, Primeiro vamos ver se você existe.

    ResponderExcluir

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.