07 novembro 2007

Foto da Noite: Crato - Vista Noturna - Dihelson Mendonça


Magnífica visão da nossa cidade, o seu brilho sobe até as estrelas...
Terra de heróis, revolucionários e celeiro de artistas.
Temos uma cultura independente, marcante e descentralizada da metrópole.
No crato é que se constróem idéias e ideais nobres.
Não se idolatra o comércio da fé, aqui se respira poesia e filosofia, além do ar puro que a nossa mãe Chapada do Araripe nos proporciona.
Enquanto o cariri queima a 45 graus, nossa temperatura é 10 graus a menos!
Não temos vocação de mercadores de peixes nem de santinhos.
Temos vocação de ATENAS, não de ESPARTA.
Crato tem história pra contar, Crato é o centro intelectual do Cariri, a quem todas as outras cidades tem que dobrar os joelhos e se deleitar com nossa cultura, nossa história e nossa luta que é nobre!

Foto: Dihelson Mendonça

.

Mais uma vez, ameaça de incêndio na Chapada


Agora no final da tarde

Parte da Floresta do Araripe, "paraíso" sempre cantado e decantado por aqueles que a conhecem,- estava há pouco prestes a virar um "inferno", pois a ameaça de incêndio voltou a assustar.

A "fumacinha", tão timidamente captada na foto, mas que naquele momento era bastante visível a olho nu, pelo menos para quem estar, como eu, muito próximo da chapada,- é um alerta de como é frágil este santuário ambiental que é a Chapada do Araripe.

Fiquemos alerta, sempre. Defendamos esta maravilha, para que os nossos filhos e netos, também, tenham com o que se orgulhar e... deleitar.

Foto do meio-dia


No Cariri, verde vale fértil, oásis em meio a um abrasador sertão semi-árido, temos essa maravilhosa paisagem, captada há pouco, em pleno novembro, talvez o mais quente dos meses dos "brós" (setemBRO, outuBRO, novemBRO e dezemBRO). É um grande privilégio para nós cratenses, e que, talvez, somente, os que estão no sertão e, neste momento, sob 40º graus, na sombra, saberão entender e valorizar.

Mas, tal qual o cuidado que se tem de um quadro de Van Gogh ou de outras obras-primas dos grandes mestres da pintura, ameaçadas na sua integridade- devemos cuidar, vigilantes, deste tesouro. Do jeito que a coisa vai, poderá ser a próxima "beleza roubada" ou, pior, destruída pela ação malevóla dos incautos ou dos irresponsáveis ou dos criminosos.

Fiquemos atentos, pois já mataram o Rio Batateiras, que os legítimos donos da terra e das águas, os sábios índios Cariris, chamavam de Itaytera, ou literalmente "água que corre entre as pedras".

SOS Rio Batateiras

Missa reúne trezentas pessoas

A campanha para salvar o Rio Batateiras teve, na manhã de ontem, um importante ato, com a celebração de missa oficiada pelo bispo diocesano de Crato, Dom Fernando Pânico, no leito do rio, localizado na Reserva Ecológica do Sítio Fundão. Presentes muitas autoridades relacionadas à questão ambiental e afim, a exemplo de Eraldo Oliveira (diretor regional do IBAMA), Jackson Antero (chefe da APA Araripe), Nivaldo Oliveira (secretário de Meio Ambiente do Crato), Pierre Gervaiseau (Fundação Araripe), Capitão Leoni Grangeiro (Corpo de Bombeiros do Crato), Luiz Carlos Salatiel (Partido Verde), Arlene Pessoa (pró-reitora adjunta de Extensão da URCA), João do Crato (cantor), Claire Ann Viana (COGERH), dentre outras. As emissoras de TV Verdes Mares e Verde Vale, a Rádio Educadora do Cariri e o Jornal Diário do Nordeste fizeram a cobertura do evento. O público presente, estimado em cerca de trezentas pessoas, foi formado por professores e alunos de várias escolas públicas do Crato e escolas de ensino superior do Cariri, como URCA e CEFET, além de autoridades e representantes da sociedade organizada.
Dom Fernando, na sua homilia, ressaltou a importância do rio Batateiras para o equilíbrio do ecossistema local, como fonte de vida para a fauna e a flora, além de sustentáculo de atividades econômicas, principalmente para a população ribeirinha. Exortou a todos para o engajamento decisivo na campanha, alertando que a defesa do meio ambiente é hoje, mais do que nunca, missão profética, que visa anunciar o bem e denunciar o mal. Enfatizou, ainda, que salvar o rio Batateiras é uma questão, também, de Justiça, literalmente, visto que “se as águas estão presas, só a Justiça pode soltá-las”.
Em seguida, aconteceu uma reunião, mediada por Dom Fernando, reunindo as autoridades presentes, com o objetivo de discutir e definir um plano de ação para impulsionar a campanha. Na oportunidade, foi formado um grupo de trabalho para elaboração de um estudo que venha subsidiar as ações em defesa do rio, a ser coordenado pela Secretária de Meio Ambiente do Crato, Universidade Regional do Cariri e Companhia de Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Ceará. Uma primeira reunião deste grupo ficou marcada para a próxima terça-feira, dia 13 de novembro, às 15 horas, na sede da APA Araripe, em Crato.