10 setembro 2007

Um mestre da fotografia a ser revelado. Pachelly Jamacaru realiza exposição !


Um mestre da Fotografia!

No Sopé da Chapada do Araripe, na pequena cidade de Crato-CE, se esconde uma das maiores inteligências fotográficas do Nordeste, ainda para ser revelado.
A maioria das pessoas ainda não conhece o seu trabalho. Seu jeito tímido, alheio ao mundo da fama dos grandes espetáculos, das grandes exposições badaladas, sempre na sua grande humildade dos gênios reclusos, não se importa muito que o mundo babe os desprovidos de talento, e não o tenha ainda reconhecido em alta conta.

Esse grande da fotografia, se chama Pachelly Jamacaru, que possui o maior atributo à todos aqueles que se dedicam a essa grande arte: O olhar, a consciência fotográfica, de que não se deve apertar o botão do obturador para registrar uma mera bobagem! Em toda foto existe um sentido, uma idéia que lhe é única, ou que se registra um momento único.
Nas palavras do próprio Pachelly:

"A fotografia fala por si. As palavras, quando muito, observam!"

E Pachelly não deixa por menos.
O homem que também é um grande compositor popular, possui o olhar que está para a lente, como o ouvido privilegiado do "desafinado" do Tom Jobim está para a música. Ou seja, para poucos.

Alguns dos trabalhos desse raro talento estarão em exposição, do dia 11 ao dia 30 de Setembro no SESC Crato.
No dia 11 haverá um coquetel de lançamento da exposição, às 19:00. Compareçam!

Garanto a todos vocês, que será privilégio aos que forem se deliciar ao longo desse mês, com as belas fotos desse grande artista, chamado Pachelly Jamacaru.

Quem desejar conhecer um pouquinho do trabalho do Pachelly Jamacaru, acesse o link abaixo:

Galeria Pachelly Jamacaru

Atenciosamente,

Dihelson Mendonça
www.blogdocrato.com

A feira do Crato


Segunda-feira é dia de feira livre no Crato.
Lembro da feira do Crato quando ela tomava praticamente todo o centro da cidade, dividida em secções de produtos específicos, como se fosse um imenso super-mercado a céu aberto, ou um shopping center popular. A feira da rapadura na rua Senador Pompeu. A feira de farinha, arroz e feijão na rua João Pessoa. A feira das frutas nas proximidades do Mercado Redondo, onde hoje é o Palácio Alexandre Arraes, sede da Prefeitura. Na rua Bárbara de Alencar ficavam os produtos artesanais: corda, candeeiro, pote, esteira de palha, pilão, colher-de-pau etc. Lembro também do artesanato lúdico feito de barro, como os animaizinhos de Ciça do Barro-Cru, e do berra-boi e do joão-teimoso, que animavam nossa doce e inesquecível infância.
Sim, a feira do Crato era uma festa, que reunia levas de pessoas que vinham dos sítios e das cidades vizinhas, animada pelos artistas populares dos mais diversificados ofícios: violeiros, emboladores, sanfoneiros, poetas de cordel, ambulantes, como os famosos “homens da cobra”, artesãos de diversos produtos, palpáveis e comestíveis.
Hoje, depois de muito tempo, fui novamente à feira, que, logicamente, não é mais a mesma. Agora, bem menor, fica nas proximidades do Mercado Walter Peixoto, na beira do canal do rio Grangeiro. Não encontrei mais aqueles maravilhosos artistas que entoavam a trilha sonora da antiga feira. Tão pouco, vi a variedade de produtos que era a sua marca registrada. Mas ela ainda tá lá, viva, resistindo à voracidade do tempo, que engole tudo, inexoravelmente.

Foto do dia: Rua Dr. João Pessoa e previsão do tempo!