30 novembro 2007

Glu-Glu


Gudevaldo Pereira aposentara-se pras bandas da capital, onde exercera por mais de trinta anos as funções de delegado. Homenzarrão corpulento, um verdadeiro varapau, de cara própria para fazer cobranças, o velho Pereira voltara para Matozinho, após reformado. Zoadava pelos cantos, berrava nas esquinas e nas rodinhas de bar Gudevaldo costumava dar a última palavra. Conhecia malaca de longe, bastava um simples olhar : nunca dava bote perdido. Cabra com boné cobrindo os olhos, aquele andado molejante , os braços balançando atrás dos quadris como um pêndulo, desconfiado , com medo de sugesta, não tinha erro : pode abordar que tem coisa ! Assim nosso ex-delegado gostava de passar toda manhã pela delegacia, onde dava suas aulinhas e, também, tomava ciências das últimas presepadas da vila. O delegado em exercício o aturava a duras penas , Gudevaldo tinha mania de meter a colher de pau nas investigações e o bedelho nos depoimentos. Possuía, no entanto, uma qualidade que o fazia tolerável: sempre se mostrara extremamente corporativista e defendia a instituição policial com unhas e dentes. Por mais de uma vez andou quebrando cara de gente que insinuava algum desvio por parte dos seus pares. Colega de Pereira só tinha defeito quando a conversa se fazia entre policiais. Do lado de fora se tornavam todos ilibados, de conduta retilínea. Qualquer crítica à instituição, o velho Gudevaldo absorvia ,imediatamente, para si e saltava com um quente e dois fervendo. E tome pesqueiro no tronco da orelha. Havia ainda um epíteto que o levava às raias da loucura. Puxava faca e gatilho de berro se lhe chamassem de Glugludevaldo. Donde surgiu este apelido tão estranho? Vamos por partes.
Suas vaidades se atinham, basicamente , à vida profissional. Gostava de propalar suas espertezas e seu tino para desvendar os crimes mais intrincados. Enveredando neste assunto , levava horas e mais horas contando proezas que encheriam de inveja Sherlock Holmes.
--- De uma coisa de orgulho, nunca ninguém me fez de abestado , de Zé Mané !
No mais levava uma vida de missionário. A única exceção: um longo capote que Gudevaldo usava nas ocasiões mais especiais, como uma espécie de sobretudo. Ali colocava um broche vistoso da Polícia Militar e algumas medalhas que terminou por ir auferindo ao longo da sua atividade. Metido no capotão, o velho adquiria um ar nobiliárquico, falava de forma mais pausada e solene. E não cansava de lembrar, periodicamente, o quanto lhe custara aquela indumentária: os olhos da cara , meus amigos ! Dinheiro que gente besta não conta ! Dava pra comprar gado de se emparelhar daqui até Bertioga !
Pois bem, de tanto brotar pelos cantos e contar vantagem, Gudevaldo terminou encontrando a tampa. Um belo dia, o velho , vindo de uma reunião da Maçonaria, entonado no seu capotão, encontrou, uns meninos jogando peteca no patamar da igreja. O ex-delegado entendeu aquilo como uma afronta a Santa Genoveva, a padroeira da cidade e, depois de uns supapos e currulepes nos jogadores, dissolveu a brincadeira. Os moleques , à noite, passaram a comentar a arrogância do militar e como se vingariam do pavoneamento de Gudevaldo. Todos concordaram que a melhor maneira seria enganá-lo, armar uma pegadinha para o “cagador-de-goma”. Mas quem diabos teria coragem de botar o sino no gato ? De repente, , um guri esperto, de uns dez anos, apelidado de “Trocadim” , apostou com os colegas, que seria capaz de enrolar o farofeiro. Os amigos então concordaram em pagar durante todo o ano suas mariolas, seus quebra-queixos e passa-raivas, desde que ele conseguisse engabelar Gudevaldo.No outro dia, cedinho, “Trocadim” pegou um peru no quintal casa e pôs-se a pastorar a casa do delegado, de longe, com o bicho debaixo dos braço, esperando a saída do homem. Quando Gudevaldo ganhou o mundo, o menino esperou mais ou menos uma hora e, depois, aproximou-se da casa e bateu na porta. Atendeu D. Federalina, a mulher de Pereira. O menino, então, desenrolado, explicou:
---- Minha senhora, o Coronel Gudevaldo mandou este peru que deram a ele. Mandou dizer, também, que não vem almoçar, porque vai acompanhar uns depoimentos lá em Bertioga. Disse para a Sebhora mandar o capote dele por mim.
D Federalina, de posse do peru, achou a história do menino muito aprumada. Entrou em casa, pegou o capote, colocou em uma bolsa e disse ao menino para levar com todo cuidado a vestimenta de guerra do delegado. Rápido, “Trocadim” levou a prenda para os colegas que o esperavam num lugar pré-determinado: no sopé Serra do Carneiros. Quando Trocadim por lá chegou os meninos não acreditaram como ele havia conseguido a proeza. Felizes , o parabenizaram por ter ganho a aposta. Ele porém informou que o trabalho custara mais do que pensara, pois teve que dar um peru e negociou com os colegas mais um ano de quitutes grátis, por conta dos gastos adicionais. Disse ,ainda, que a pendenga não estava concluída e precisaria voltar.
Neste ínterim, Gudevaldo chega a casa e, ante a surpresa da esposa, pede que esta ponha logo o almoço à mesa, pois a fome era canina. Federalina explica , então, que não compreende, porque há pouco ele havia mandado avisar por um menino que não almoçaria em casa e enviara até um peru por ele. E ela, conforme solicitação, inclusive havia enviado, pelo moleque, o capote famoso, para a audiência em Bertioga. O velho, matreiro, compreendeu toda tramóia, num átimo: havia sido roubado. Ainda disse uns impropérios à mulher, zuadou e partiu para a delegacia para dar parte do roubo. Em lá chegando, aprontou um verdadeiro teatro e disse aos colegas policiais que o capote para ele era uma espécie de símbolo da sua fantástica carreira militar e que pegar o ladrãozinho que a afanou era uma questão de honra , pois aquilo se tratava de uma espécie de crime de lesa-M atozinho.
Enquanto Gudevaldo armava o barraco na delegacia, “Trocadim” colocou um bonezinho na cabeça e voltou à casa do homem. Bateu novamente na porta e, quando D. Federalina atendeu, ele explicou:
--- Sá Dona, o Coronel mandou eu vir aqui, pois eles já pegaram o ladrão do casaco, ele pediu para a senhora mandar o peru por mim, pra poder resolver a questão do roubo.
D. Federalina entregou o bicho e “Trocadim” desapareceu em procura da Serra dos Carneiros. E desde esta época, o coitado do ex-delegado passou a ser conhecido, para seu desespero, como “Glugludevaldo”.

J. Flávio Vieira

Um comentário:

  1. Ô, Zé...

    eheheheheheheheheh

    Cê sabe que eu ADORO essas suas estórias. É como se estivéssemos no local. Obrigado, amigo.

    Só vc mesmo pra fazer essa minha cara carrancuda rir depois de um dia pesado... e o de muitas outras pessoas.

    Um grande abraço, Glu Glu...

    Dihelson Mendonça

    ResponderExcluir

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.