26 outubro 2007

Ipês


Qual a manchete mais palpitante desta semana, meus caros ouvintes ? As peripécias corrupto-sexuais do Renan ? O Toma-Lá-Dá-Cá do Congresso pela aprovação da CPMF ? As repercussões do roubo do Rolex do Huck ? A mais importante notícia destes dias, talvez tenha passado despercebida da maior parte dos cairirienses. Embotados pela hipnose da TV e da WEB sequer percebemos o milagre que se refaz, a cada dia, à nossa volta. Imersos num mundo cada vez mais virtual, vamos ,pouco a pouco, nos afastando da realidade e carregando esta vidinha.com pelos poucos dias que nos restam. A tecnologia que tem aproximado eletronicamente, no cyberspace, as pessoas , as tem ensinado um relacionamento impessoal e distante. Faltam o olho-no-olho, o toque, o abraço, o beijo. Namoros podem ser desfeitos com um simples aperto de uma tecla do PC. Adoram-se figuras irreais e fotoshopadas. Os sentimentos são deletados na velocidade da luz. Num mundo já pleno de indiferenças e barreiras um pode ser formatado pelo amigo, pelo patrão, pelo consumo, pelo namorado. Todos nos tornamos igualmente desnecessários e supérfluos. O amor, o carinho, a compreensão vão sendo sacrificados a cada dia nas salas de chats.
Assim é bem possível que este pobre cronista semanal seja logo taxado de louco, quando anunciar a mais importante notícia desta semana. Pois é, caros ouvintes, o que mais deslumbrante aconteceu nestes dias no nosso mundinho foi justamente a Floração dos Ipês. De repente, como se previamente combinado, os ipês revestiram-se de um roxo fosforescente e tingiram toda a Chapada, como que anunciando uma páscoa tardia e atemporal. Aos poucos, num lúbrico strip-tease, peça após peça, os ipês se foram desnudando. Em poucos dias começaram a revestir o chão com suas vestes : pétalas, que carregadas pelas asas do vento, em feito de manto, agasalharam as terras caririenses com um violeta algo esmaecido, mas iridescente. Mal terminara o show, já os Ipês Amarelos tomam de assalto o palco da natureza e florescem um dourado quase que incandescente. Os pés-de-serra , súbito, têm a monotonia do verde quebrada pelo áureo dos ipês lhes imprimindo tons patrióticos, junto com o branco das nuvens, o azul do céu e o agora verde-amarelo das matas. A chapada, ao longe, assemelha-se a uma bandeira desfraldada, tremeluzindo ao sabor da brisa. Nestes dias, as terras caririenses já se recobrem de um tapete auricolor . Os ipês , novamente, desvestiram suas ricas roupas e como que estendem aos hipnotizados passantes uma esteira dourada onde possam sentar e apreciar a vida com todas suas nuances e cambiantes tonalidades.
O toque monocórdico do computador sequer entende a infinitude de lições que brotam junto com a floração dos ipês. A vida que emerge em ciclos e que brilha em matizes diferentes a cada diferente estação. A florescência que anuncia multiplicidade e eternidade , polinizando o mundo e fertilizando a terra. A grandeza de perceber que as mesmas pétalas que encantam os olhos e douram a natureza na primavera , serão o humilde tapete e a delicada alcatifa que no outono confortarão os pés cansados do viandante. E mais que tudo a beleza da vida dura um único, inefável e etéreo momento, que se esvai num átimo, como a fulgurante floração dos ipês. Num piscar de olhos, o êxtase foge de nossa vista e só servirá de lembrança e de manto nos dias de inverno que se já prenunciam. A Vida é já !


J. Flávio Vieira

4 comentários:

  1. Zéflávio:
    Por que a arborização das cidades caririenses não é feita com paud'arcos? No Arajara Park foram plantados dezenas de ipês (as mudas foram compradas em Brasília, segundo o proprietário) e algumas são da cor branca. Daqui a poucos anos teremos um dos grandes espetáculos da natureza nas faldas da Chapada do Araripe...

    ResponderExcluir
  2. Pois é, em casa plantei um ipê branco, um roxo e uma amarelo que vêm se desenvolvendo bem. Se não me engano, o branco é mais característico das regiões de Minas Gerais, por alí. Vai ser uma pena que não floresçam um no período do outro.

    ResponderExcluir
  3. Pois é, o Abidoral, uma espécie de feiticeiro das nossas florestas, vive batendo nesta tecla. Sempre que vamos arborizar trazemos espécies estranhas à nossa flora. Por que não urilizamos a riqueza que possuímos, ajudando assim a preservá-la.

    ResponderExcluir
  4. Meu caro Zé Flávio.
    Achei seu texto tão lindo que resolvi gravar lendo para o Boletim Blog do Crato deste domingo. pena que uma banda da internet ficou fora do ar e não pude enviar para o servidor na inglaterra, mas o sistema já voltou, e já está no ar. Ao entrar no Blog, ele começa a tocar automaticamente. Espero que sua conexão permita vc escutar o programa todo, porque é no final das notícias.

    Coloquei ao fundo a valsa das Flores do Ballet "Quebra-nozes" de Tchaikovsky. Nada mais adequado e grandioso para um texto lindíssimo como esse. Emocionante!!

    Um grande abraço.

    Dihelson Mendonça

    ResponderExcluir

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.